Parlamento Europeu pressiona práticas fiscais agressivas no IRS

O Parlamento Europeu vai discutir hoje um projeto de resolução com orientações para definir “novas políticas” para combater as práticas fiscais agressivas na Europa.

Caso o texto seja aprovado, Estrasburgo irá pedir que o código de conduta no domínio da fiscalidade das empresas passe a avaliar também as práticas de tributação do património e do rendimento pessoal, incluindo os ganhos de capital.

Segundo o Público, a iniciativa deixa sob pressão países que têm regimes especiais de IRS para residentes não habituais ou não residentes, como é o caso de Portugal ou a Grécia.

Em Portugal, por exemplo, o Estado assegura uma carga fiscal mais baixa durante dez anos a quem passa a trabalhar em Portugal numa atividade de “elevado valor acrescentado” (IRS de 20%) e garante uma taxa inferior (de 10%) aos reformados cuja pensão seja paga pelo Estado de origem (durante uma década, Portugal assegurava uma isenção, mas agora passa a aplicar a taxa de 10% para os novos beneficiários).

Com este regime, Portugal começou a ser olhado com desconfiança por alguns governos europeus porque, ao mesmo tempo em que abdicava de aplicar IRS aos pensionistas, os outros Estados também não poderiam tributá-los por causa da combinação do regime com as normas de convenções fiscais bilaterais anteriores.

Neste sentido, Bruxelas tem defendido que as práticas fiscais de um Estado-membro não devem ter efeitos prejudiciais nos restantes, e esse é um problema que a Finlândia e a Suécia apontam ao regime especial de IRS português.

Agora, o projeto de relatório do Parlamento Europeu sustenta que “a natureza das práticas fiscais prejudiciais evoluiu ao longo das últimas décadas e surgiram novas formas, nomeadamente através da transformação dos regimes preferenciais em regimes gerais agressivos” e, por isso, considera que o código de conduta deve passar a “avaliar a natureza prejudicial dos sistemas fiscais em termos gerais”.

A ideia não é impedir os países de terem medidas fiscais “eficientes e razoáveis” para pôr as economias a crescer, mas antes impedir que as iniciativas “causem injustamente a erosão da base tributável de outros Estados-Membros”.

Atualmente, o código de conduta é um instrumento jurídico não vinculativo. Os governos nacionais supervisionam se as regras ali definidas são cumpridas, mas as decisões, lembra o relatório, não são vinculativas.

Por isso, o projeto que vai ser discutido considera que o Parlamento deve contestar a ausência de consequências e recomendar que código de conduta seja um “instrumento juridicamente vinculativo”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Arqueólogos desenterram (acidentalmente) ossadas com 800 anos no Peru

Os restos mortais de oito pessoas, com aproximadamente 800 anos de idade e enterrados com alimentos e instrumentos musicais na mesma câmara funerária, foram encontrados ao sul de Lima, no Peru, durante a instalação de …

Marcelo apela ao voto "por memória deste ano e meio que não esqueceremos"

O Presidente da República considerou que votar nas eleições autárquicas é mais importante do que nunca para o país recomeçar a viver e a sair das crises sanitária, económica e social. Este apelo ao voto foi …

Onde e como? Um guia para votar nas eleições autárquicas

As mesas de voto das eleições autárquicas abriram hoje às 08:00 no continente e na Madeira para a escolha dos dirigentes dos municípios e das freguesias para os próximos quatro anos. Nos Açores, as urnas abrem …

Ensino Superior: 33% dos candidatos ficaram de fora. Veja se ficou entre os colocados

Mais de 49 mil novos estudantes entraram agora para o ensino superior, tendo ficado sem colocação 33% dos candidatos à primeira fase do concurso nacional de acesso, revelam dados divulgados hoje pelo Ministério do Ensino …

Pessoas mais pobres são vistas como menos suscetíveis à dor

Um novo estudo indica que os indivíduos de classe baixa são estereotipados como insensíveis à dor física, o que pode impactar os seus cuidados médicos. “As estatísticas de saúde indicam que as pessoas ricas recebem um …

As crianças têm dez vezes mais micro-plásticos nas fezes do que os adultos

Uma equipa de cientistas da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, usou espectrometria de massa para medir os níveis de micro-plásticos compostos de policarbonato (PC) e de polietileno tereftalato (PET) presentes nas fezes crianças …

MIT desenvolve mão robótica insuflável (que devolve o tato aos amputados)

Apesar de haver membros biónicos altamente articulados, concebidos para detetar os sinais musculares residuais e imitar roboticamente os seus movimentos pretendidos, a destreza de alta tecnologia tem um custo muito alto. Recentemente, engenheiros do Massachusetts Institute …

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …