Almerindo revelou ao MP que recebeu ordem para destruir documentos das PPP rodoviárias

José Coelho / Lusa

Almerindo Marques revelou que destruiu documentos com instruções para reformular contratos de concessões rodoviárias, por ordem de terceiros, ao Ministério Público em 2013.

A informação foi avançada por Almerindo Marques na primeira inquirição realizada em fevereiro, no âmbito do inquérito às Parcerias Público Privadas (PPP). E reafirmada agora em abril numa nova inquirição que poderá sustentar a constituição dos primeiros arguidos neste processo, entre os quais antigos governantes de José Sócrates.

Segundo o processo consultado pelo Observador, o ex-presidente da Estradas de Portugal foi questionado em fevereiro de 2013 sobre a forma como a empresa ultrapassou o impasse criado pela decisão do Tribunal de Contas de recusar o visto aos contratos de subconcessões lançados no primeiro Governo de José Sócrates.

O gestor referiu a realização de duas reuniões que incluíram responsáveis do Governo de então e representantes do Tribunal de Contas. Uma realizou-se no tribunal onde esteve Guilherme d’Oliveira Martins, então presidente da instituição. A outra na Presidência do Conselho de Ministros onde esteve o secretário-geral do Tribunal de Contas, José Tavares.

Foi na sequência dessas reuniões realizadas em 2009, e onde estiveram também outros responsáveis da empresa, o ministro Mário Lino e o secretário de Estado das Obras Públicas, que a EP (atual Infraestruturas de Portugal) recebeu instruções sobre como deveria fazer para reformar os contratos, em linha com orientações do Tribunal de Contas, de forma a conseguir o visto necessário à realização de despesa pública, o que veio a acontece em 2010.

Essas indicações terão sido, segundo Almerindo Marques, dadas por Paulo Campo, ex-secretário de Estado das Obras Públicas. O antigo gestor acrescentou ainda que recebeu textos com linhas de orientação para elaborar as soluções jurídicas e financeiras que acabaram por ser materializadas nos chamados contratos reformados. Na transcrição do depoimento, o gestor refere que as linhas orientadoras foram enviadas pelo Tribunal de Contas.

Terá sido este testemunho dado em 2013 que levou o MP a chamar novamente Almerindo Marques que foi ouvido em abril. O antigo presidente da EP, atual Infraestruturas de Portugal, terá prestado a mesma informação, mas perante o juiz Carlos Alexandre, o que permite que seja usada no futuro, nomeadamente no caso deste inquérito chegar a julgamento, mesmo que o depoente não esteja em condições de testemunhar em presença.

Almerindo Marques terá apontado para “erros de palmatória” feitos pelo Governo nos contratos de concessões assinados ou renegociados entre 2009 e 2010 e que abriram a porta a exigências sem sentido por parte das empresas privadas. Este testemunho é apontado como um peça importante na conclusão deste inquérito com a constituição de arguidos.

Já sobre o documento que destruiu, o antigo presidente da Estradas não terá adiantado mais. Segundo o Expresso Diário, Almerindo Marques indicou que terá sido entregue por alguém do próprio Tribunal de Contas, com o conhecimento de uma pessoa do Governo, a um quadro das Estradas de Portugal que não o próprio.

O antigo gestor fazia parte de uma lista de antigos responsáveis políticos e decisores que estão sob suspeita do MP da prática de factos que podem gerar responsabilidade criminal. Da investigação iniciada em 2011, resultaram, no entendimento dos investigadores, indícios de que estes negócios terão tido consequências ruinosas para o Estado por causa dos encargos adicionais que geraram. Quem os decidiu estava consciente destes custos e de como comprometiam uma gestão económica eficiente, em prejuízo do interesse público.

Nesta fase do inquérito, o MP admite que o Estado pode ter sido prejudicado em mais de 3,5 mil milhões de euros. A lista de pessoas que deverá vir a ser constituídas arguidas neste inquérito incluía Almerindo Marques, os ex-ministros das Obras Públicas, Mário Lino e António Mendonça, o antigo ministro das Finanças, Teixeira dos Santos e os ex-secretários de Estado, Paulo Campos e Carlos Costa Pina. O antigo gestor da EP estará entretanto a ser considerado como testemunha.

Nesta inquirição, Almerindo Marques foi ainda interrogado sobre o envolvimento direto de José Sócrates, tendo sido referida a presença do chefe de gabinete do ex-primeiro ministro, Guilherme Dray. De acordo com o Expresso, o juiz Carlos Alexandre terá mostrado interesse em conhecer o envolvimento do ex-presidente do Tribunal de Contas, Guilherme de Oliveira Martins.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Depois do Sofagate, agora é von der Leyen quem está a ser acusada de quebrar o protocolo

Diplomatas da União Europeia dizem que a presidente da Comissão Europeia quebrou o protocolo, uma vez que foi o seu chefe de gabinete que respondeu ao convite da Ucrânia para que marcasse presença na cerimónia …

Há uma "possibilidade real" de trocar capitalismo pelo socialismo no século XXI, diz PCP

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, assinalou na quinta-feira os 150 anos da Comuna de Paris com um discurso de fidelidade ao ideal comunista e definiu a "substituição do capitalismo pelo socialismo" como uma …

Moçambique. Ministro da Defesa diz que ataque a Palma não coloca em causa exploração de gás

O ministro da Defesa de Moçambique, Jaime Neto, disse esta quinta-feira que o ataque à vila de Palma não coloca em causa o projeto de exploração de gás natural liderado pela petrolífera Total em Afungi, …

Nova Zelândia quer tornar a próxima geração completamente não fumadora

A Nova Zelândia anunciou um conjunto de propostas que visam banir os cigarros entre a próxima geração e aproximar o país da sua meta de ser livre de fumo até 2025. Desta forma, o Governo pretende …

Porto lança cartão da cidade para munícipes. Vantagens incluem descontos na cultura

O cartão foi lançado no dia 5 de abril e permite que os utilizadores tenham acesso a descontos em museus, teatros, piscinas e utilização gratuita do elevador dos Guindais. Destina-se aos moradores da cidade e …

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …