Portuguesa perdeu o bebé no incêndio de Londres (65 pessoas continuam desaparecidas)

Facundo Arrizabalaga / EPA

A contagem das vítimas mortais do incêndio numa torre residencial, em Londres, continua a aumentar e sabe-se agora que uma portuguesa que vivia no prédio de 24 andares e que estava grávida de sete meses, perdeu o bebé.

A informação é avançada pela RTP que nota que esta portuguesa vivia no 14.º andar e que foi retirada do edifício, sendo levada para o hospital, onde permanece em estado grave. O feto de sete meses que esperava perdeu a vida no incêndio, segundo o canal público.

Os restantes nove portugueses envolvidos no incêndio encontram-se bem, incluindo as duas meninas de 10 e 12 anos que continuam no hospital, mas apenas por precaução.

Entretanto, a polícia de Londres actualizou para 30 o número de mortos do incêndio de quarta-feira no edifício Grenfell, na capital britânica. Uma das vítimas mortais faleceu no hospital e as autoridades esperam que o número continue a aumentar.

O anterior balanço de mortos no incêndio na torre com 24 andares, 120 apartamentos e entre 400 e 600 moradores, tinha sido de 17 vítimas.

A primeira vítima foi identificada como o refugiado sírio Mohmmed Alhajali, de 23 anos, que estudava engenharia civil e que estava no 14.º andar quando se declarou o incêndio. O jovem tinha fugido da guerra no seu país e vivia no Reino Unido desde 2014.

Vítimas poderão nunca ser identificadas

Segundo o jornal The Sun, há pelo menos 65 pessoas desaparecidas. A polícia britânica avisa, entretanto, que algumas das vítimas mortais do incêndio poderão nunca vir a ser identificadas.

“Tristemente, há um risco de que não possamos identificar todos“, disse o comandante da polícia Metropolitana de Londres (MET), Stuart Candy, acrescentando esperar que o número total de mortos não seja superior a três dígitos.

Pelo terceiro dia consecutivo, os bombeiros revistaram os andares do prédio, enquanto aumentam as críticas sobre a segurança em outros edifícios similares no Reino Unido.

As autoridades são criticadas pelo estado em que se encontrava o edifício depois de alguns residentes terem denunciado que os alarmes de incêndio não dispararam, e também pelo material usado no revestimento do imóvel, composto por polietileno, que explicaria a rapidez com que se propagaram as chamas.

Não está ainda esclarecida a origem do incêndio e a primeira-ministra britânica, Theresa May, já ordenou uma investigação oficial sobre a tragédia.

May é também criticada pelos media locais por não ter falado com os sobreviventes do incêndio quando visitou o bairro norte de Kensington, onde está o imóvel e onde falou com agentes da polícia e bombeiros que trabalharam para conter o fogo e resgatar os residentes.

Também o líder do principal partido da oposição, Jeremy Corbyn, visitou o local e disse que a verdade sobre o incêndio tem de ser conhecida.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Os primeiros bebés podem nascer no Espaço daqui a 12 anos

A empresa SpaceBorn United pretende realizar missões espaciais entre 24 e 36 horas para que algumas mulheres dêem à luz em órbita dentro de 12 anos. A notícia é avançada pelo fundador e CEO da empresa, …

Japão importou cinco vírus mortais, incluindo Ebola, por causa de Tóquio 2020

Com os Jogos Olímpicos à porta, um laboratório japonês decidiu importar cinco vírus mortais, nomeadamente Ebola, para fazer frente a um eventual surto durante a competição que vai levar ao país mais de 600 mil …

Empresa anónima quer os direitos do seu rosto para construir robôs (e paga 115 mil euros)

Uma empresa privada anónima está a oferecer 115 mil euros pelos direitos de usar o seu rosto numa nova linha de robôs humanóides. A empresa quer usar a imagem para dar uma cara a um robô …

Empresa está a vender vinho (com flocos de ouro) para celebrar o Brexit

Quando o Reino Unido abandonar a União Europeia, uma saída programada para 31 de outubro, é provável que as pessoas celebrem com um vinho especial com flocos de ouro. Para aqueles que querem celebrar a saída …

Neandertais ocuparam ilhas do Mediterrâneo dezenas de milhares de anos antes do que se pensava

Cientistas descobriram provas de que a ilha de Naxos, na Grécia, já era habitada por neandertais há 200.000 anos, dezenas de milhares de anos antes do que se pensava até agora. Um estudo publicado esta quinta-feira …

Testes "bárbaros" em macacos levam ativistas a pedir encerramento de laboratório alemão

Durante meses, um ativista pelos direitos dos animais trabalhou no Laboratório de Farmacologia e Toxicologia (LPT, na sigla inglesa), em Hamburgo, na Alemanha, onde testemunhou situações de violência contra os animais utilizados em testes e …

Próxima cimeira do G7 vai ser num resort de Donald Trump

A próxima cimeira do G7 será realizada num dos clubes de golfe do Presidente norte-americano, Donald Trump, na Florida, e o clima não constará da agenda de trabalhos, disse esta quinta-feira o chefe de gabinete …

Russos e ucranianos estão em guerra por causa de sopa

A sopa de beterraba é russa ou ucraniana? Um tweet do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa veio falar em prato nacional e a reação na Ucrânia não tardou a chegar. O tweet é de …

Alex Ferguson acusado de receber relógio após viciar jogo da Juventus

Alex Ferguson, antigo treinador do Manchester United durante quase três décadas entre 1986 e 2013 que venceu um total de 38 títulos pelo clube depois de se ter destacado nos escoceses do Aberdeen, foi acusado …

UNESCO aprova Dia Mundial da Língua Portuguesa

O Dia Mundial da Língua Portuguesa vai ser comemorado anualmente a 5 de maio, como já acontece na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, e António Sampaio da Nóvoa aponta o “momento muito importante” para …