Portugal pode perder 300 milhões de euros em exportações com Brexit

SXC

-

A empresa de seguros de crédito Euler Hermes fez um estudo sobre o efeito da eventual saída do Reino Unido da União Europeia, revelando que, no caso de Portugal, poderá falar-se num “impacto significativo”.

A saída do Reino Unido da União Europeia deverá penalizar o PIB de Portugal em 0,3 pontos percentuais entre 2017 e 2019 e fazer o país perder 300 milhões de euros em exportações, segundo um estudo da Euler Hermes.

Os britânicos decidem a 23 de junho, num referendo, se “deve o Reino Unido permanecer como membro da União Europeia ou deve sair da União Europeia”, como refere a pergunta a que terão de responder.

Caso a resposta seja pelo fim da pertença ao projeto europeu – o designado ‘Brexit’ (junção de ‘British’ e ‘exit’ em inglês, saída britânica em português) – as consequências serão de muitas ordens, mas também económicas, pois o Reino Unido é um importante parceiro comercial e investidor em muitos países.

A empresa de seguros de crédito Euler Hermes fez um estudo sobre o efeito nos Estados-membros da União Europeia e, no caso de Portugal, concluiu que, apesar de não ser dos mais afetados, poderá falar-se num “impacto significativo”.

Os autores do estudo simularam o impacto em dois cenários: ‘Brexit’ mas com acordo de livre comércio, ou ‘Brexit’ sem qualquer acordo para a troca de bens e serviços entre Reino Unido e UE.

Assim, com acordo comercial, é estimado um impacto negativo no PIB português de 0,2 pontos percentuais no acumulado entre 2017 e 2019.

Já caso não seja firmado qualquer acordo, o impacto será maior, estimando-se que o crescimento do PIB fique 0,3 pontos percentuais abaixo do que seria esperado por efeito do ‘Brexit’.

“Em Portugal, os setores mais atingidos seriam o automóvel, os têxteis, o químico e o agroalimentar”, disse à Lusa Daniela Ordonez, economista da Euler Hermes que trabalhou os dados sobre o país.

Por rubricas, Portugal pode perder até 300 milhões de euros nas exportações, sendo 200 milhões de euros nas vendas de bens e 100 milhões de euros em serviços. Já a perda no Investimento Direto Estrangeiro (IDE) é estimada em 100 milhões de euros.

O estudo analisa ainda o impacto nas insolvências de empresas, estimando que estas podem aumentar em Portugal em um ponto percentual até 2019.

A par de Portugal, com “impacto significativo” de um ‘Brexit’, o estudo coloca Alemanha, França e Espanha.

Os países mais penalizados, que sentirão “alto impacto”, serão a Holanda (com -1,5 pontos percentuais no PIB), a Irlanda (-0,9 pontos no PIB) e a Bélgica (-0,7 pontos no PIB).

Estes Estados-membros da UE têm relações comerciais muito próximas com a economia britânica. Os setores mais afetados serão o financeiro, o automóvel, maquinaria e equipamento, o químico e o agroalimentar.

Já no total da zona euro, o PIB total pode ser penalizado em 0,4 pontos percentuais com o eventual acordo de livre comércio e 0,6 pontos sem esse acordo.

No cenário com acordo comercial as perdas com exportações de bens e serviços podem chegar a 17,4 mil milhões de euros até 2019 e o IDE ser penalizado em 18,2 mil milhões de euros, além de um aumento de um ponto percentual das falências empresariais.

Estas perdas agravam-se, como é de esperar, caso não haja o tal acordo comercial que permita menorizar os efeitos negativos nas trocas comerciais de um ‘Brexit’.

O maior impacto estimado é, contudo, no próprio Reino Unido, com uma penalização do PIB de 4,3 pontos percentuais, quebra de 23,5 mil milhões de euros nas exportações e 29,7 mil milhões no IDE e aumento 1,5 pontos percentuais do crescimento das insolvências de empresas.

Aliás, a economia britânica já tem vindo a sofrer nos últimos seis meses alguma deterioração fruto da incerteza em torno de um ‘Brexit’.

O estudo da Euler Hermes, a que a Lusa teve acesso, analisa também efeito do ‘Brexit’ em economias fora da Europa, esperando um “impacto significativo” nos Estados Unidos, enquanto na China deverá ser “baixo”.

Além dos efeitos económicos, um eventual ‘Brexit’ teria impactos em muito mais áreas, como refere também o estudo.

Poderia alterar o modo como o projeto europeu está a ser construído, dando força a Estados-membros como os escandinavos, a Polónia ou a Áustria, que defendem menos integração política, ou, pelo contrário, poderia reforçar o caminho para o federalismo.

Sendo o Reino Unido fundamental na investigação científica europeia, a saída deste país da UE significaria que a I&D (Investigação e Desenvolvimento) seria muito afetada.

As universidades britânicas coordenam um terço de todos os projetos financiados pelos 80 mil milhões de euros do Programa Horizonte 2020, refere a Euler Hermes.

Por fim, há que referir que em 2015 havia 1,2 milhões de estrangeiros a trabalharem no Reino Unido, muitos de países da UE, os quais deverão perder direitos e benefícios caso se concretize o ‘Brexit’.

/Lusa

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Que saiam nunca pertençeram a U.E. pois nem a moeda mudaram já que são uma ilha que fiquem por lá e deem Liberdade de Escolha aos Escoceses e Irlandeses

  2. Pode ser uma boa oportunidade para Portugal, o facto dos ingleses sairem da UE. Pois com certeza muitas empresas vao sair da ilha, perdendo as vantagens de pertencer ao mercado único vao deslocalizar. Agora é Portugal aproveitar e captar esse investimento.

RESPONDER

Autoridades da Austrália querem proibir uso de roupas casuais (no escritório e em teletrabalho)

Em fevereiro, um dos maiores departamentos governamentais da Austrália listou botas Ugg, chinelos e roupas desportivas, como camisolas de futebol, entre as peças de roupa consideradas demasiado casuais para o trabalho. As regras do Departamento de …

Cavaco cita o seu próprio livro para responder à comissão de inquérito ao Novo Banco

O ex-Presidente da República respondeu à comissão de inquérito ao Novo Banco recorrendo a transcrições do seu livro "Quinta-feira e Outros Dias". Nas respostas "ao grupo de questões relacionadas com a crise do BES", a que …

"Um dia histórico". Governo aprova Estatuto dos Profissionais da Cultura

A ministra da Cultura confirmou, esta quinta-feira, que foi aprovado o Estatuto dos Profissionais da Cultura, que vai seguir agora para consulta pública, lembrando que ainda "existe espaço para melhorias". Na conferência de imprensa depois do …

Biden prepara-se para reconhecer massacre arménio como genocídio

O Presidente dos Estados Unidos (EUA), Joe Biden, está a preparar-se para reconhecer formalmente os massacres arménios do início do século 20 como genocídio, cumprindo assim uma promessa que fez durante a sua campanha, decisão …

Football Leaks. Consultor de cibersegurança aponta para ataque único à Doyen

A intrusão no sistema informático da Doyen terá resultado de um único ataque conduzido por uma pessoa e não várias, defendeu na quarta-feira o consultor inglês de cibersegurança contratado pelo fundo de investimento, no julgamento …

Cavaco Silva volta a estar ausente das cerimónias do 25 de Abril

O ex-Presidente da República já informou que não vai marcar presença na cerimónia comemorativa dos 47 anos do 25 de Abril, este domingo, no Parlamento, por continuar "a respeitar as regras sanitárias". Fonte oficial do gabinete …

No dia da Terra, os líderes mundiais juntaram-se para "passar à ação"

A Casa Branca organizou uma Cimeira de Líderes sobre o Clima, que decorre de forma virtual e durante dois dias. Começou esta quinta-feira, dia em que se comemora o Dia da Terra, e junta cerca …

Detido em Itália homem que terá fornecido arma ao autor do atentado de Nice em 2016

Um homem que teria fornecido uma arma ao autor do atentado com um caminhão na cidade francesa de Nice, em 14 de julho de 2016, foi detido na Itália, anunciaram na quarta-feira vários veículos de …

"Invisibilidade" do LGBTI nos Censos é alvo de críticas

A Associação ILGA Portugal - Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo e o Bloco de Esquerda estão a criticar os Censos 2021 devido à ausência de perguntas relacionadas com identidade de género, o que …

Rússia vai dar início à retirada de tropas perto da fronteira com a Ucrânia

A Rússia anunciou que vai iniciar, esta sexta-feira, a retirada das suas tropas concentradas perto da fronteira com a Ucrânia e na Crimeia anexada, referindo que os exercícios foram concluídos. "As tropas demonstraram a sua capacidade …