Portugal começa a pagar dívida à UE cinco anos antes do previsto

Portugal tem luz verde do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) para pagar o que resta do empréstimo do Fundo Monetário Internacional (FMI). Portugal vai também começar a pagar os empréstimos europeus antes das datas previstas.

Para amortizar antecipadamente o FMI, Portugal teve de pedir uma isenção ao Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF), o atual MEE. O empréstimo concedido durante o resgate por esta entidade tinha como condição que se houvesse pagamentos antes do prazo ao FMI teria de ser feito também um abate equivalente na dívida ao FEEF. Para tal não acontecer, teria de existir autorização das entidades europeias.

O MEE tinha já dado aval para o reembolso da maior parte das parcelas do empréstimo do FMI. Mas desta vez a luz verde chegou com o compromisso de Portugal começar também a pagar os empréstimos do FEEF antes da data que tinha sido acordada.

Estes reembolsos deverão começar a ser feitos, de acordo com o DN, entre três a cinco anos antes do previsto, uma vez que Portugal deveria começar apenas em 2025, altura em que o país teria de desembolsar 3,5 mil milhões de euros.

No entanto, segundo a entidade europeia que tem como missão apoiar países em dificuldades financeiras, “Portugal comprometeu-se também a pagar antecipadamente ao FEEF até dois mil milhões de euros no período entre 2020 e 2023, após o reembolso total dos empréstimos do FMI”. Ainda assim, esse compromisso está dependente “das condições do mercado” e do impacto na “sustentabilidade da dívida”.

Contrariamente aos empréstimos do FMI, o financiamento obtido junto do FEEF tem juros mais baixos do que as atuais taxas das obrigações portuguesas, apesar de estas se situarem perto de mínimos. O mecanismo europeu cobra 1,8% por dívida que tem ainda uma maturidade média de 14,5 anos. A entidade emprestou 26 mil milhões de euros dos 50 mil milhões desembolsados por instituições europeias a Portugal.

No mercado secundário, os investidores exigem 2,33% por dívida a 15 anos. Isto indicia que o Tesouro poderá ter de assumir maiores custos com juros para começar a pagar ao FEEF.

No caso do FMI, os reembolsos antecipados permitiram poupar na fatura com juros, já que os financiamentos da entidade custavam 4,4%. Segundo o governo, nesta legislatura, a substituição da dívida do fundo permitiu poupar mais de 800 milhões em juros.

Além da poupança com juros, os reembolsos ao FMI ajudam também a gerir os prazos em que vence dívida do Estado. A parcela que vai ser paga até final do ano tinha 2021 e 2022 como maturidade original.

Nesses anos, Portugal enfrenta os chamados “muros” de refinanciamento, uma vez que terá mais dívida a vencer, o que exige maior esforço de refinanciamento. Em 2021, Portugal tem de devolver aos credores quase 19 mil milhões de euros. No ano seguinte são mais 16,5 mil milhões. Nos últimos tempos, o Tesouro tem tentado entrar em cada ano com menos de dez mil milhões para refinanciar em dívida de médio e longo prazo.

Para evitar montantes elevados para pagar em 2021 e 2022, o Tesouro tenta jogar na antecipação. Além de pagar já ao FMI, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública está também a propor aos investidores que aceitem trocar obrigações que chegam à maturidade em 2020 e 2021 por novos títulos com vencimento em 2023 e 2027.

Já os reembolsos antecipados ao MEE poderão ajudar a diminuir o esforço de refinanciamento de 2025, ano em que Portugal tem também um calendário de reembolsos pesados: tem de devolver aos credores mais de 17 mil milhões de euros.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

China proíbe a venda de vários modelos de iPhone (e as ações da Apple caem)

As ações da gigante norte-americana Apple sentiram uma queda de 1,7% na bolsa de Nova Iorque depois de o Tribunal de Fuzhou, na China, ter proibido a venda de alguns modelos de iPhone no país. …

Suspeito da morte de Maëlys admite ter filmado agressões sexuais a crianças

O principal suspeito da morte da jovem lusodescendente Maëlys de Araújo admitiu ter filmado agressões sexuais contra a afilhada e a prima, de quatro e seis anos de idade, respetivamente, antes de, alegadamente, matar a …

Preço do bilhete para visitar o Taj Mahal sobe 400% (para os indianos)

Os especialistas alertam que o fluxo de pessoas está a causar danos irreversíveis ao monumento emblemático mais importante da Índia. O preço do bilhete para os visitantes indianos do Taj Mahal foi aumentado em 400%, na …

Morreu Gérman, o último habitante das ilhas Ciés

Germán Luaces Freijeiro, de 54 anos, instalou-se no arquipélago de Cíes, localizado na foz do estuário de Vigo, em meados dos anos 90 e nunca mais se voltou a mudar. Vivia sozinho naquelas ilhas onde acolhia …

Atentado no Mercado de Natal de Estrasburgo faz quatro mortos e nove feridos

Um tiroteio que ocorreu esta terça-feira na cidade francesa de Estrasburgo, no local onde ocorre o Mercado de Natal, fez pelo menos quatro mortos e nove feridos, anunciou a autarquia local. A Câmara Municipal de Estrasturgo …

Galatasaray vs Porto | Eficácia dá vitória e record de pontos

O FC Porto não abranda e somou a 12ª vitória consecutiva em todas as competições. Na deslocação ao terreno do Galatasaray, em jogo da sexta jornada do Grupo D da Liga dos Campeões, os “dragões” tiveram …

"O luxo do século XXI vai ser o interior de Portugal"

O Turismo está "a cumprir bem" o seu papel no combate ao despovoamento, considera o presidente da Turismo Centro, Pedro Machado, que vaticina que "o luxo do século XXI vai ser o Interior de Portugal". O …

Mãe tenta vender virgindade da filha na Internet por 21 mil euros

Uma mãe pôs à venda a virgindade da filha de 13 anos na Internet por 21.200 euros. A mulher chegou a enviar fotografias de carácter sexual da filha ao comprador, mas não esperava o desfecho …

Há polícias a dormir no carro devido aos preços dos quartos

Sem dinheiro para arrendar quartos, face aos preços praticados, "há polícias a dormir dentro de carros", denuncia o Sindicato dos Profissionais de Polícia (SPP). Acabados de formar na Escola Prática de Polícia, em Torres Novas, os …

António Lobo Antunes lamenta que Portugal e Espanha não sejam o mesmo país

O escritor António Lobo Antunes lamentou que portugueses e espanhóis não sejam cidadãos do mesmo país, numa entrevista dada ao jornal catalão La Vanguardia no âmbito da Feira Internacional do Livro de Guadalajara e publicada …