Portugal continua a importar milhares de toneladas de amianto

Edgar Poe / Flickr

O amianto é um material cancerígeno que continua presente em muitas infraestruturas públicas e privadas em Portugal. Apesar disso, o país continua a importar milhares de toneladas.

O alerta parte da plataforma SOS-Amianto, criada pela Quercus, que refere que só em 2016 e 2017, foram importadas 53 mil toneladas de matérias perigosas — entre as quais o amianto. De acordo com o Público, neste mesmo período, 727 toneladas de resíduos com amianto foram enviadas para aterros.

“Muitas são as histórias para contar que demonstram que esta fibra afetou e continua a afetar muitas pessoas em Portugal”, escreveu a SOS-Amianto, num comunicado enviado à imprensa. Desde a sua criação, há um ano, a plataforma recebeu mais de 200 queixas a denunciar a presença de amianto em várias infraestruturas públicas e privadas.

“Não há um dia em que alguém não nos questione ou denuncie esta problemática”, lê-se no comunicado. Ainda há pelo menos 3730 edifícios públicos com este material cancerígeno por remover.

Fábricas abandonadas, coberturas de edifícios particulares, edifícios de escritórios, escolas, hospitais, teatros, bibliotecas, universidades e edifícios militares são algumas das infraestruturas cujo material ainda é utilizado, apesar dos constantes alertas para os problemas de saúde que provoca. Cancro do pulmão, cancro do ovário, cancro da laringe e cancro do estômago são as patologias mais comuns.

“A diversidade da presença de amianto em Portugal é uma certeza que temos que admitir de uma vez por todas”, realça Carmen Lima, coordenadora da plataforma SOS-Amianto. “Urge uma intervenção responsável e coordenada por parte de todos os intervenientes”.

A plataforma criada pela Quercus já se reuniu com todos os grupos com assento parlamentar de forma a tentar “sensibilizar para esta temática e alertar para a necessidade de regular o setor através da criação de um alvará para as empresas de remoção de amianto e uma certificação para os técnicos que identificam estes materiais”.

“Analisámos os custos do amianto e concluímos que tratar os doentes de cancro provocado por este carcinogénico pode ser 50 vezes mais caro que remover uma cobertura em fibrocimento”, conclui Carmen Lima.

  ZAP //

PARTILHAR

8 COMENTÁRIOS

  1. desconhecimento e alarmismos levam a estas coisas. O amianto só acarrecta problemas ser forem inaladas micro particulas.. não é por estar um telhado de “lusalite” num edificio que as pessoas vão apanhar cancro. Só se andarem a partir as telhas e a inalar as poeiras libertadas. Até mesmo nos USA em que isto é levado muito a sério, se, por exemplo, um chão tiver amianto e for aplicado outro por cima sem danificar o de baixo, passa na vistoria.
    estes materiais devem ser removidos/substituidos por uns sem amianto, quando já não cumprirem a sua função.
    Um caso mais sério do que as coberturas e revestimentos, são as canalizações públicas de água potável que nalgumas zonas ainda são em manilhas de lusalite.. isto sim é grave e deve ser substituido.. agora os telhados, deixem-se disso.
    claro que isto não justifica o facto de importarem e aplicarem estes produtos, isto sim não tem cabimento

RESPONDER

Cientistas estão a plantar mesas de xadrez de corais para restaurar recifes - e contam com a ajuda de garrafas de Coca-Cola

Nas últimas três décadas, os recifes de coral têm sofrido uma grande tensão e consequente destruição, devido ao impacto das alterações climáticas. Agora, os cientistas querem minimizar os danos e já encontraram uma solução. O objetivo …

Belenenses 0-4 Sporting | Melhor o resultado que a lesão

O Sporting, da I Liga, venceu hoje o Belenenses, do Campeonato de Portugal, por 4-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, garantindo o apuramento para a próxima fase da competição. No …

Sintrense 0-5 FC Porto | Dragões goleiam e seguem em frente na Taça

O FC Porto, da I Liga, venceu hoje o Sintrense, do Campeonato de Portugal, por 5-0, em jogo da terceira eliminatória da Taça de Portugal de futebol, e segue em frente na competição. A jogar em …

Nova tecnologia usa calor dos estacionamentos subterrâneos para aquecer apartamentos

A startup Enerdrape, que funciona dentro da Escola Politécnica de Lausanne (EPFL), na Suíça, desenvolveu uma tecnologia que aproveita o calor emanado pelo solo no aquecimento de apartamentos. Quase 60% do aquecimento utilizado nos edifícios residenciais …

Pela primeira vez, um drone transportou os pulmões de um dador em segurança. Voo demorou seis minutos

Pela primeira vez na história da medicina, um drone aéreo transportou os pulmões de um dador com rapidez e segurança entre dois hospitais. O voo, que durou apenas seis minutos, ocorreu no passado dia 25 de …

Grupo de hackers clonou a voz de empresário para roubar 35 milhões de dólares do banco

Um grupo de hackers clonou a voz do diretor de uma empresa, conseguindo assim roubar mais de 35 milhões de dólares de um banco nos Emirados Árabes Unidos. No início do ano passado, o gerente de …

Portugueses comem duas vezes mais do que o recomendando

Os portugueses consumiram, em média, duas vezes mais calorias do que o recomendando para um adulto entre 2016 e 2020, ano em que a pandemia provocou uma redução do consumo de alimentos diário, mas ainda …

Aos 95 anos, a rainha Isabel II terá de abdicar da sua bebida favorita

A monarca foi aconselhada pelos médicos a abdicar do seu habitual martini de fim de dia, em antecipação a uma fase de agenda especialmente preenchida. Com 95 anos, a rainha Isabel II tem tido uma semana …

Médicos vão avaliar estado mental do atacante da Noruega

A investigação ao ataque com arco e flecha que na quarta-feira fez cinco mortos na Noruega reforçou, até agora, a tese de um ato devido a doença, anunciou hoje a polícia norueguesa. “A hipótese que foi …

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a força da princesa Ka'iulani não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …