Portugal é dos poucos países da Europa onde a segunda vaga está a matar mais

Marco Ottico / EPA

Na primeira onda de covid-19, que ocorreu entre março e maio, Portugal foi um dos países que registou um menor número de óbitos. Agora, e perante a chegada da segunda vaga, a situação inverteu-se e o país encontra-se numa situação bastante negra, sobretudo quando comparada com outros países europeus.

Durante a primavera, Portugal foi dado como um caso de sucesso, sendo que alguns países até falavam no “milagre português” devido ao baixo número de mortes.

No entanto, o cenário atual não é tão favorável. Perante a segunda vaga da doença, e com o governo a sublinhar que não tem intenções de repetir um confinamento total, os números começam a assustar a população.

Portugal regista agora uma incidência maior de fatalidades do que o verificado na primeira vaga. De acordo com os dados reportados pelos vários países ao Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças, o mesmo não acontece em Espanha, França, Itália, Alemanha, Bélgica ou Suécia – apesar de nestes países haver um grande número de infetados diários.

Segundo os critérios das autoridades de saúde portuguesas, até ao dia 11 de novembro, o país tinha 3103 mortes confirmadas por covid-19. Tendo em conta a dimensão da população, o número médio de fatalidades registadas num período de 14 dias é maior em Portugal do que na Grécia, na Alemanha ou na Suécia. Mas é bastante inferior aos valores de Itália, França, Espanha ou Bélgica.

Em território nacional, a média dos últimos 14 dias aponta para mais de 4 mortes por cada milhão de habitantes – bem acima da média de menos de dois em cada milhão de habitantes registada na Grécia, pouco mais de um na Alemanha, e menos de uma pessoa por cada milhão de habitantes na Suécia.

Os números mostram que em Portugal a segunda vaga está a ter maior impacto em termos de mortalidade, do que a primeira. Contudo, é preciso ter em conta com que há também muitos mais casos identificados, e o número de testes realizados também subiu. Desta forma, e como realça o Jornal de Negócios, é difícil tirar conclusões sobre a taxa de letalidade da doença.

De acordo com o Negócios, entre os oito países analisados, apenas a Grécia apresenta também uma incidência maior de mortes na segunda vaga, do que aquela que tinha sido registada na primeira. Esta situação só é comum nos países de Leste.

Esta quarta-feira, o país registou o maior número de mortes por covid-19 desde o início da pandemia, uma vez que em apenas 24 horas foram reportados 82 óbitos.

ZAP //

PARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Se calhar é porque na primeira vaga foi dos países da Europa onde matou menos, não? Dado em todo o lado como exemplo…

    É evidente que se na primeira vaga fomos dos países em que o Covid matou menos, então é fácil sermos dos poucos países onde a segunda vaga mate mais que a primeira… Não porque a segunda vaga mate mais em Portugal do que nos outros países, mas porque na primeira vaga matou muito pouco.

    • E os seis mil mortos a mais durante esse período face à média dos últimos 5 anos?!!!! É que os outros países atribuíram esses diferenciais à COVID (direta ou indiretamente foram resultado da COVID, mais não seja por incapacidade de resposta dos serviços de saúde).
      Devia procurar compreender o que o rodeia antes de vir para aqui mandar bitaites.

  2. Se calhar foi a primeira que matou menos do que efetivamente matou. Afinal há quase 6 mil mortos nesse período a mais face à média dos últimos anos.

  3. Pois uma vez que o Covid mata sobretudo “jovens” acima dos 70 anos, os que não foram contaminados na 1.ª vaga ao serem agora acabam por falecer. Talvez no fim fazendo todas as contas o numeros acabem por ser muito parecidos em todo o lado, com medidas , sem medidas … acho que no fim de contas bastava ter protegido a população mais idosa e o resto do pessoal poderia levar uma vida quase normal. O tal milagre que todos se gabavam onde está agora ?

  4. Nesta notícia – baseada em estudo do JN – surge um novo indicador: taxa de incidência. Até aqui o que importava era a taxa de letalidade ou de mortalidade. Mas convinha introduzir um indicador mais favorável ao processo de intenção do seu autor. A taxa de letalidade nesta 2ª vaga é muito inferior à da 1ª vaga e compara bem com o resto da Europa (com informação fiável).

RESPONDER

Meteorito atinge casa de homem indonésio e transforma-o em milionário

O caso insólito aconteceu em Kolang, na Sumatra do Norte, Indonésia. Um fabricante de caixões de 33 anos encontrou um meteorito no seu jardim, depois deste atingir o telhado da sua casa em agosto. O protagonista …

Há 20 anos que ninguém sabe do paradeiro de dois cadernos de Charles Darwin

Dois dos cadernos do naturalista Charles Darwin, um dos quais com o rascunho da “Árvore da Vida” (1837), estão desaparecidos há cerca de 20 anos e terão sido muito provavelmente roubados, anunciou esta terça-feira a …

Cientistas reconstruiram explosão de Beirute através das redes sociais

Cientistas forenses recorreram a imagens partilhadas nas redes sociais para reconstruirem a explosão de Beirute, em agosto, que matou 191 pessoas. A 4 de agosto, uma série de explosões causadas por 2.750 toneladas de nitrato de …

Professor alemão do ensino básico é suspeito de canibalismo e homicídio

Depois de uma pilha de ossos ter sido encontrada por transeuntes no parque de Berlim, as autoridades alemãs descobriram que se tratava de uma vítima de canibalismo. As pistas conduziram-nas, mais tarde, à casa do …

Marselha 0-2 FC Porto | Dragão vence e abre porta dos "oitavos"

Basta apenas um ponto para que o FC Porto carimbe uma vaga nos oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Na noite desta quarta-feira, os “dragões” venceram o Marseille por 2-0 – com os contributos de Zaidu …

Mais de 100 mil crianças morreram com VIH e 320 mil ficaram infetadas. A pandemia pode piorar o cenário

De acordo com um relatório da UNICEF, a cada 100 segundos uma criança ou jovem com menos de 20 anos foi infetado pelo VIH no ano passado. Com os novos dados, o número total de …

Animação mostra como foram construídas as pontes do século XIV

Construir uma ponte sobre a água parece uma tarefa complicada e a verdade é que, apesar dos inúmeros avanços tecnológicos, os fundamentos pouco alteraram desde os tempos medievais. A Ponte Carlos tem 618 anos, mas não …

Médicos sem Fronteiras deixam hospital da Venezuela devido a restrições

A Médicos sem Fronteiras (MSF) vai se retirar de uma colaboração com um hospital venezuelano que visa tratar pacientes com covid-19 devido a restrições na entrada de especialistas no país, informou a organização na terça-feira. A …

O novo amplificador de guitarra tem maior capacidade de encaixe (e é mais poderoso)

Em 2016, o engenheiro eletrónico Chris Prendergast lançou um projeto Kickstarter para o amplificador de guitarra portátil JamStack. Este encaixava-se num pino de correia e emitia sons gerados por um smartphone. Agora foi lançada a …

Etiópia. Comissão de direitos humanos denuncia massacre de 600 civis na região de Tigré

A organização independente que investiga acusações de violência contra civis na Etiópia corroborou o relatório da Amnistia Internacional que denunciou a chacina de pelo menos 600 pessoas na região de Tigré, no Norte do país. Segundo …