Portugal é o país europeu com mais emigrantes

Um estudo do Observatório da Emigração revela que mais de 20% dos cidadãos portugueses residem no estrangeiro, com cerca de 110 mil novos emigrantes por ano. No total, são mais de dois milhões os portugueses que vivem fora de Portugal

O relatório, divulgado esta segunda-feira, revela que Portugal é, assim, o país da União Europeia com maior número de emigrantes em relação à população residente.

O documento estatístico, que analisa a tendência histórica da saída de portugueses para o estrangeiro, sublinha que a emigração portuguesa “nunca desapareceu, tendo crescido continuadamente desde a adesão de Portugal à União Europeia”, e acelerado desde que a economia nacional entrou em estagnação prolongada, no início do século.

A saída de portugueses do país tem sido uma constante desde a II Guerra Mundial, uma tendência que aumentou particularmente nos anos 60 – altura em que Paris se destacava como cidade “portuguesa” – e registou uma aceleração superior a 50% a partir de 2010.

Só nos anos de 2013 e 2014, o número de cidadãos que emigraram atingiu os 110 mil por ano, um número que não se registava desde 1973, antes do fim do Estado Novo.

O relatório nota que Portugal está “mais vulnerável aos efeitos da atual grande vaga de emigração, até porque não se vislumbra no horizonte qualquer movimento de regresso em grande escala equivalente” aos retornados de África que voltaram ao país em meados dos anos 70, depois da independência do Ultramar e das nacionalizações que se seguiram nas ex-colónias portuguesas.

O relatório do Observatório da Emigração, que apresenta pela primeira vez uma exploração dos dados dos censos sobre a emigração portuguesa nos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) realizados em 2001 e 2011, revela que Portugal é o país da União Europeia com mais emigrantes em proporção da população residente.

Reino Unido e França

O destino preferido dos portugueses nos últimos anos tem sido o Reino Unido (30 mil emigrantes em 2013, 31 mil em 2014), seguido da Suíça (20 mil em 2013), França (18 mil em 2012) e Alemanha (10 mil em 2014).

Fora da Europa, os destinos são Angola (5 mil em 2014), seguindo-se Moçambique (quatro mil no mesmo ano) e o Brasil (dois mil).

França, porém, tem-se mantido como o local onde vivem mais portugueses – 592.281 em 2011.

O Observatório aponta que continuam a predominar “os indivíduos com baixas e muito baixas qualificações”, embora seja de notar “um crescimento significativo da proporção dos mais qualificados“: a percentagem de portugueses com Ensino Superior completo que residem nos países da OCDE quase duplicou entre 2001 e 2011, passando de 6% para 11%.

No Reino Unido, por exemplo, a percentagem de emigrantes com mais de 15 anos na posse de um diploma do Ensino Superior era, em 2011, 28%. Por outro lado, em Espanha e Luxemburgo, o número de portugueses residentes com apenas o Ensino Básico rondava os 74%, no mesmo ano.

No que toca às remessas, o Observatório da Emigração conclui que estas acompanharam a evolução da emigração, “embora com menor intensidade”.

Em 2014, estas atingiram os 3.057.277 euros, ou seja, cerca de 1,8% do PIB desse ano. França e Suíça, onde vive a maior parte dos portugueses emigrados, originaram mais de metade das remessas de 2014 – 29% e 26%, respetivamente. A seguir a França e Suíça, Angola foi o país de onde veio maior parte do dinheiro (8%).

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

As pessoas que comem mais gordura láctea têm menor risco de doença cardíaca

As pessoas que fazem uma dieta com maior teor de gordura láctea têm um menor risco de desenvolver doenças cardiovasculares, revela um novo estudo. Uma equipa internacional de cientistas estudou o consumo de gordura láctea de …

Alaphilippe revalida título de campeão mundial de fundo

O francês Julian Alaphilippe revalidou neste domingo o título de campeão mundial de fundo, ao cortar isolado a meta no final da “prova rainha” dos Mundiais de ciclismo de estrada, que decorreram na região belga …

Do céu ao inferno. Adeptos do Palmeiras chamam "arrogante" a Abel Ferreira

O Palmeiras perdeu e está cada vez mais longe da liderança do Brasileirão. Os adeptos estão insatisfeitos com as exibições e chamaram "arrogante" a Abel Ferreira. O Palmeiras, treinado pelo português Abel Ferreira, perdeu na deslocação …

Mesmo depois da morte de Ihor, centro do aeroporto ainda tem videovigilância "muito limitada"

Um ano e meio após a morte de Ihor Homeniuk, o centro de instalação temporária do aeroporto de Lisboa (CIT) continua sem cobertura total de câmaras de videovigilância em zonas comuns. A situação atual distancia-se daquilo …

Liveblog Autárquicas. Afluência de 42,34% até às 16h

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Arqueólogos desenterram (acidentalmente) ossadas com 800 anos no Peru

Os restos mortais de oito pessoas, com aproximadamente 800 anos de idade e enterrados com alimentos e instrumentos musicais na mesma câmara funerária, foram encontrados ao sul de Lima, no Peru, durante a instalação de …

Marcelo apela ao voto "por memória deste ano e meio que não esqueceremos"

O Presidente da República considerou que votar nas eleições autárquicas é mais importante do que nunca para o país recomeçar a viver e a sair das crises sanitária, económica e social. Este apelo ao voto foi …

Onde e como? Um guia para votar nas eleições autárquicas

As mesas de voto das eleições autárquicas abriram hoje às 08:00 no continente e na Madeira para a escolha dos dirigentes dos municípios e das freguesias para os próximos quatro anos. Nos Açores, as urnas abrem …

Ensino Superior: 33% dos candidatos ficaram de fora. Veja se ficou entre os colocados

Mais de 49 mil novos estudantes entraram agora para o ensino superior, tendo ficado sem colocação 33% dos candidatos à primeira fase do concurso nacional de acesso, revelam dados divulgados hoje pelo Ministério do Ensino …

Pessoas mais pobres são vistas como menos suscetíveis à dor

Um novo estudo indica que os indivíduos de classe baixa são estereotipados como insensíveis à dor física, o que pode impactar os seus cuidados médicos. “As estatísticas de saúde indicam que as pessoas ricas recebem um …