Políticos da Coreia do Sul estão a rapar o cabelo (e já se sabe porquê)

Políticos da oposição na Coreia do Sul estão a rapar o cabelo em protesto contra a nomeação de um ministro da Justiça cuja família está a ser investigada por suspeita de irregularidade.

O vice-presidente do parlamento, Lee Ju-young, do Partido da Liberdade, de direita, tornou-se o oitavo político a cortar todo o cabelo com a escolha de Cho Kuk, que assumiu o cargo de chefe do Ministério da Justiça na semana passada.

 

O grupo que protestava contra a nomeação de Cho pelo presidente Moon Jae-in também inclui o líder do Partido da Liberdade, Hwang Kyo-ahn, que “sentou-se em frente ao palácio presidencial de Seul na segunda-feira à noite enquanto apoiantes e jornalistas observavam enquanto um membro do seu partido cortava o cabelo”, de acordo com a Fox News.

Com os crescentes pedidos de Cho para renunciar, o vice-presidente Lee disse aos repórteres que o novo chefe de justiça “não pode ser o líder da reforma”, acrescentando: “A ordem severa do povo é que renuncie imediatamente e seja investigado“.

Segundo o The Japan Times, a nomeação também “manchou” a “imagem reformista” do Presidente Moon e “causou uma queda nos índices de aprovação”.

 

Cho, de 54 anos, é um antigo professor de Direito, tendo servido anteriormente como secretário sénior do presidente de assuntos civis no gabinete de Moon. A Sky News descreve Cho como um “aliado político próximo” do popular líder de esquerda, que assumiu o poder após o impeachment histórico e a prisão do seu antecessor de direita, Park Geun-hye. A agência Reuters acrescenta ainda que Cho desenvolveu uma “reputação de progressista”.

Moon já se tinha referido a Cho como a pessoa ideal para realizar reformas no Ministério da Justiça e no sistema de acusação. Mas a família de Cho tem sido vinculada a uma investigação pelo promotor sul-coreano por várias denúncias de fraude.

De acordo com o The Week, no sábado, os promotores estaduais solicitaram um mandado de prisão formal de Cho Beom-dong, primo do novo ministro da Justiça, por suspeita de manipulação de preços de ações e peculato. Cho Beom-dong é suspeito de administrar uma empresa, a Co-Link Private Equity, sem se registar como executivo-chefe, além de “tentar pressionar testemunhas a fazer declarações falsas” nas audiências de confirmação parlamentar de seu primo.

Acredita-se que Cho Beom-dong seja o proprietário de fato da Co-Link, que administrava o fundo de private equity Blue Core Value-Up. A esposa de Cho Kuk, Chung Kyung-shim, os seus dois filhos e outros membros da família investiram 1,4 mil milhões de won (1.070 mil euros) em Blue Core Value-Up. Chung também deve ser convocado pelos promotores devido às alegações de que deu ao irmão dinheiro para investir no Blue Core Value-Up e depois comprou ações no valor de 500 milhões de won (38 mil euros) na Co-Link.

Além disso, Cho Beom-dong é acusado de tentar destruir provas relacionadas com as suas conexões com a Co-Link.

Ainda mais preocupante para muitos sul-coreanos é o suposto uso da influência política de Cho Kuk para levar a sua filha para uma universidade em Seul. A controvérsia concentra-se em relatos dos media de que a sua filha recebeu uma bolsa de estudos e outras vantagens académicas que não refletiam o seu desempenho académico.

Os promotores também indiciaram a esposa de Cho por suspeita de falsificar um prémio concedido à filha pela universidade onde trabalha como professora, na cidade de Yeongju, no sul.

Republic of Korea / Flickr

Cho Kuk, ministro da Justiça da Coreia do Sul

Na sua audiência de confirmação na sexta-feira passada, Cho expressou as suas “mais profundas desculpas à geração mais jovem” pelas alegadas vantagens que a sua filha recebeu.

Segundo a BBC, a Coreia do Sul tem uma “longa tradição de cortar os cabelos como forma de protesto” – um processo originado no ensino tradicional confucionista. A emissora diz que o ato “tem sido historicamente visto como uma forma de demonstrar compromisso com uma causa” e que durante a ditadura militar do país nas décadas de 1960 e 1970, “dissidentes costumavam rapar a cabeça como sinal de resistência”.

“De acordo com o confucionismo, que enfatiza a piedade filial, danificar qualquer parte do corpo, incluindo os cabelos oferecidos pelos nossos pais, é um desrespeito imperdoável”, disse o crítico cultural Kim Sung-soo ao Korea Herald. “Portanto, rapar o cabelo implicaria a determinação de alguém num assunto quase que vale a pena arriscar a vida.”

Todos os oito membros do parlamento que raparam a cabeça até agora são membros do Partido da Liberdade ou independentes que apoiam o partido.

Apesar do furor em torno da nomeação de Cho, o Presidente Moon enfatizou que não houve confirmação de ação ilegal e disse que seria “um mau precedente” despedir um ministro com base em alegações não comprovadas. No entanto, Moon poderia pagar o preço pela sua nomeação nas eleições do próximo ano.

O presidente também “enfrenta pressão sobre um mercado de trabalho em decadência, um conflito histórico e comercial com o Japão e uma diplomacia frágil com a Coreia do Norte, com armas nucleares, que começa a mostrar sinais de desmoronamento”. Numa nação onde a liderança anterior foi derrubada por um conflito de corrupção, há quem acredite que Moon se pode arrepender de apoiar Cho.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Astronauta capta o colossal "Olho do Sahara" a partir da EEI

A Agência Espacial Europeia publicou neste domingo uma fotografia da colossal estrutura de Richat, uma formação geológica enigmática no centro da Mauritânia, conhecida como o "Olho do Sahara". A estrutura, que tem cerca de 40 quilómetros …

NASA revela novos fatos espaciais que os astronautas vão levar para a Lua (e são pura ficção científica)

A NASA apresentou na terça-feira, na sua sede, em Washington, Estados Unidos, os novos fatos espaciais que os astronautas da missão Artemis vão usar em 2024, quando voltarem à Lua. Fatos feitos em modelos 3D, à …

Panama Papers. Mossack Fonseca não gostou do filme e processou Netflix por difamação

A dupla de sócios do escritório de advogados Mossack Fonseca, envolvido no caso “Panama Papers”, moveu um processo em tribunal por difamação contra a Netflix. A plataforma anuncia a estreia, para esta sexta-feira, do filme “Laundromat: …

Porsche e Boeing unem-se em projeto de táxi aéreo premium

A Porsche e a Boeing estão a unir esforços para explorar o mercado de mobilidade área urbana. Aproveitando os seus pontos fortes, as duas empresas prometem desenvolver um táxi aéreo para o futuro. Numa verdadeira fusão …

Fotografia com pombos? Na Tailândia, há "profissionais" contratados para assustá-los

A área de uma das portas da cidade, Tha Pae, parte do que resta da muralha vermelha que protegia a cidade antiga em Chiang Mai, na Tailândia, é uma das maiores atrações turísticas locais. Os turistas …

Sky News lança canal sem qualquer notícia sobre o Brexit

O canal Sky News Brexit-Free foi esta quarta-feira para o ar às 17h horas, sendo que os seus programas serão transmitidos até às 22h, de segunda a sexta-feira. O grupo de televisão britânico Sky vai lançou …

Vacina contra o cancro da mama pode estar disponível dentro de 8 anos

Investigadores da Clínica Mayo desenvolveram uma vacina contra o cancro ovário e da mama que poderá estar disponível comercialmente dentro de apenas oito anos. A ideia da vacina é estimular o próprio sistema imunológico dos pacientes …

Busca pelo avião de Amelia Earhart só encontrou chapéus, detritos de um naufrágio e uma lata de refrigerante

A mais recente busca pelos restos do avião de Amelia Earhart, a famosa aviadora americana que desapareceu sobre o Pacífico em 1937, terminou sem resultados. De acordo com o jornal norte-americano The New York Times, a investigação …

Protestos em Hong Kong. LeBron acusado de apoiar regime chinês

A super estrela do basquetebol LeBron James juntou-se à polémica entre a NBA e a China, após apelidar de “mal-informado” o treinador dos Houston Rockets, Daryl Morey, que expressou apoio aos manifestantes em Hong Kong …

Acordo para o Brexit está "prestes a ficar fechado"

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, Emmanuel Macron, disseram esta quarta-feira que um acordo para o Brexit está em finalização e poderá ser apresentado quinta-feira para aprovação no Conselho Europeu. "Quero acreditar que …