Políticos da Coreia do Sul estão a rapar o cabelo (e já se sabe porquê)

Políticos da oposição na Coreia do Sul estão a rapar o cabelo em protesto contra a nomeação de um ministro da Justiça cuja família está a ser investigada por suspeita de irregularidade.

O vice-presidente do parlamento, Lee Ju-young, do Partido da Liberdade, de direita, tornou-se o oitavo político a cortar todo o cabelo com a escolha de Cho Kuk, que assumiu o cargo de chefe do Ministério da Justiça na semana passada.

 

O grupo que protestava contra a nomeação de Cho pelo presidente Moon Jae-in também inclui o líder do Partido da Liberdade, Hwang Kyo-ahn, que “sentou-se em frente ao palácio presidencial de Seul na segunda-feira à noite enquanto apoiantes e jornalistas observavam enquanto um membro do seu partido cortava o cabelo”, de acordo com a Fox News.

Com os crescentes pedidos de Cho para renunciar, o vice-presidente Lee disse aos repórteres que o novo chefe de justiça “não pode ser o líder da reforma”, acrescentando: “A ordem severa do povo é que renuncie imediatamente e seja investigado“.

Segundo o The Japan Times, a nomeação também “manchou” a “imagem reformista” do Presidente Moon e “causou uma queda nos índices de aprovação”.

 

Cho, de 54 anos, é um antigo professor de Direito, tendo servido anteriormente como secretário sénior do presidente de assuntos civis no gabinete de Moon. A Sky News descreve Cho como um “aliado político próximo” do popular líder de esquerda, que assumiu o poder após o impeachment histórico e a prisão do seu antecessor de direita, Park Geun-hye. A agência Reuters acrescenta ainda que Cho desenvolveu uma “reputação de progressista”.

Moon já se tinha referido a Cho como a pessoa ideal para realizar reformas no Ministério da Justiça e no sistema de acusação. Mas a família de Cho tem sido vinculada a uma investigação pelo promotor sul-coreano por várias denúncias de fraude.

De acordo com o The Week, no sábado, os promotores estaduais solicitaram um mandado de prisão formal de Cho Beom-dong, primo do novo ministro da Justiça, por suspeita de manipulação de preços de ações e peculato. Cho Beom-dong é suspeito de administrar uma empresa, a Co-Link Private Equity, sem se registar como executivo-chefe, além de “tentar pressionar testemunhas a fazer declarações falsas” nas audiências de confirmação parlamentar de seu primo.

Acredita-se que Cho Beom-dong seja o proprietário de fato da Co-Link, que administrava o fundo de private equity Blue Core Value-Up. A esposa de Cho Kuk, Chung Kyung-shim, os seus dois filhos e outros membros da família investiram 1,4 mil milhões de won (1.070 mil euros) em Blue Core Value-Up. Chung também deve ser convocado pelos promotores devido às alegações de que deu ao irmão dinheiro para investir no Blue Core Value-Up e depois comprou ações no valor de 500 milhões de won (38 mil euros) na Co-Link.

Além disso, Cho Beom-dong é acusado de tentar destruir provas relacionadas com as suas conexões com a Co-Link.

Ainda mais preocupante para muitos sul-coreanos é o suposto uso da influência política de Cho Kuk para levar a sua filha para uma universidade em Seul. A controvérsia concentra-se em relatos dos media de que a sua filha recebeu uma bolsa de estudos e outras vantagens académicas que não refletiam o seu desempenho académico.

Os promotores também indiciaram a esposa de Cho por suspeita de falsificar um prémio concedido à filha pela universidade onde trabalha como professora, na cidade de Yeongju, no sul.

Republic of Korea / Flickr

Cho Kuk, ministro da Justiça da Coreia do Sul

Na sua audiência de confirmação na sexta-feira passada, Cho expressou as suas “mais profundas desculpas à geração mais jovem” pelas alegadas vantagens que a sua filha recebeu.

Segundo a BBC, a Coreia do Sul tem uma “longa tradição de cortar os cabelos como forma de protesto” – um processo originado no ensino tradicional confucionista. A emissora diz que o ato “tem sido historicamente visto como uma forma de demonstrar compromisso com uma causa” e que durante a ditadura militar do país nas décadas de 1960 e 1970, “dissidentes costumavam rapar a cabeça como sinal de resistência”.

“De acordo com o confucionismo, que enfatiza a piedade filial, danificar qualquer parte do corpo, incluindo os cabelos oferecidos pelos nossos pais, é um desrespeito imperdoável”, disse o crítico cultural Kim Sung-soo ao Korea Herald. “Portanto, rapar o cabelo implicaria a determinação de alguém num assunto quase que vale a pena arriscar a vida.”

Todos os oito membros do parlamento que raparam a cabeça até agora são membros do Partido da Liberdade ou independentes que apoiam o partido.

Apesar do furor em torno da nomeação de Cho, o Presidente Moon enfatizou que não houve confirmação de ação ilegal e disse que seria “um mau precedente” despedir um ministro com base em alegações não comprovadas. No entanto, Moon poderia pagar o preço pela sua nomeação nas eleições do próximo ano.

O presidente também “enfrenta pressão sobre um mercado de trabalho em decadência, um conflito histórico e comercial com o Japão e uma diplomacia frágil com a Coreia do Norte, com armas nucleares, que começa a mostrar sinais de desmoronamento”. Numa nação onde a liderança anterior foi derrubada por um conflito de corrupção, há quem acredite que Moon se pode arrepender de apoiar Cho.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Bloco apoia travão ao desconfinamento na região de Lisboa

O Bloco de Esquerda apoiou o adiamento do levantamento de restrições impostas pela pandemia na região de Lisboa e Vale do Tejo, destacando que é importante aumentar a vigilância nas empresas de construção e trabalho …

Descoberto "cemitério" de mamutes nos arredores da Cidade do México

Investigadores descobriram um "cemitério" com cerca de 60 mamutes nos arredores da Cidade do México, avança o Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) do país. De acordo com o site Live Science, a descoberta aconteceu, …

David Luiz confirma rumores. Regresso "vai acontecer se o presidente permitir e os adeptos quiserem"

David Luiz confirmou este sábado os rumores que davam conta que o Benfica e o jogador estavam a negociar um eventual regresso do brasileiro à Luz. Em entrevista ao desportivo Record, David Luiz confirmou a …

Cães treinados para proteger animais selvagens salvam 45 rinocerontes

Há inúmeras razões que explicam o motivo pelo qual os cães são conhecidos como o melhor amigo do Homem. Além de leais e inteligentes, dão sempre o corpo às balas, mesmo nos piores momentos. Quarenta e …

Fez-se história. Foguetão da SpaceX lançado com sucesso rumo à EEI

O primeiro foguetão concebido e construído por uma empresa privada, a SpaceX, de Elon Musk, levando a bordo dois astronautas foi lançado este sábado na presença do Presidente do Estados Unidos, Donald Trump. O lançamento decorreu …

"A Rússia não permitirá a privatização da Lua", avisa Roscosmos

A Rússia não permitirá a privatização da Lua, independentemente de quem avance a iniciativa, avisou o chefe da agência espacial russa (Roscosmos), Dmitri Rogozin, em entrevista ao jornal Komsomólskaya Pravda. "Não permitiremos que ninguém privatize a …

Plataforma flutuante extrai energia das ondas, do vento e do Sol

A empresa alemã Sinn Power criou uma plataforma marítima flutuante capaz de gerar energia renovável a partir de ondas, vento e energia solar. A plataforma híbrida combina turbinas eólicas, painéis solares e coletores de energia das …

Balneários proibidos e 3 metros de distância. As regras da DGS para a prática de exercício físico

A Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda uma distância mínima de três metros entre pessoas que pratiquem exercício físico, no âmbito das medidas de prevenção da pandemia de covid-19. A orientação, intitulada “Procedimentos de Prevenção e Controlo …

Astronautas da NASA já se preparam para voo histórico a bordo do foguetão da Space X

Dois astronautas da NASA já estão a equipar-se para o lançamento histórico de um foguetão concebido e construído pela empresa SpaceX, de Elon Musk, apesar de as previsões meteorológicas indicarem mais tempestades. Com o voo já …

Há dez anos, Portugal adotou a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo

Portugal adotou há 10 anos a lei que permitiu o casamento entre pessoas do mesmo sexo, após um debate fraturante que remeteu para mais tarde a adoção de crianças por estes casais, possível apenas desde …