Políticos da Coreia do Sul estão a rapar o cabelo (e já se sabe porquê)

Políticos da oposição na Coreia do Sul estão a rapar o cabelo em protesto contra a nomeação de um ministro da Justiça cuja família está a ser investigada por suspeita de irregularidade.

O vice-presidente do parlamento, Lee Ju-young, do Partido da Liberdade, de direita, tornou-se o oitavo político a cortar todo o cabelo com a escolha de Cho Kuk, que assumiu o cargo de chefe do Ministério da Justiça na semana passada.

 

O grupo que protestava contra a nomeação de Cho pelo presidente Moon Jae-in também inclui o líder do Partido da Liberdade, Hwang Kyo-ahn, que “sentou-se em frente ao palácio presidencial de Seul na segunda-feira à noite enquanto apoiantes e jornalistas observavam enquanto um membro do seu partido cortava o cabelo”, de acordo com a Fox News.

Com os crescentes pedidos de Cho para renunciar, o vice-presidente Lee disse aos repórteres que o novo chefe de justiça “não pode ser o líder da reforma”, acrescentando: “A ordem severa do povo é que renuncie imediatamente e seja investigado“.

Segundo o The Japan Times, a nomeação também “manchou” a “imagem reformista” do Presidente Moon e “causou uma queda nos índices de aprovação”.

 

Cho, de 54 anos, é um antigo professor de Direito, tendo servido anteriormente como secretário sénior do presidente de assuntos civis no gabinete de Moon. A Sky News descreve Cho como um “aliado político próximo” do popular líder de esquerda, que assumiu o poder após o impeachment histórico e a prisão do seu antecessor de direita, Park Geun-hye. A agência Reuters acrescenta ainda que Cho desenvolveu uma “reputação de progressista”.

Moon já se tinha referido a Cho como a pessoa ideal para realizar reformas no Ministério da Justiça e no sistema de acusação. Mas a família de Cho tem sido vinculada a uma investigação pelo promotor sul-coreano por várias denúncias de fraude.

De acordo com o The Week, no sábado, os promotores estaduais solicitaram um mandado de prisão formal de Cho Beom-dong, primo do novo ministro da Justiça, por suspeita de manipulação de preços de ações e peculato. Cho Beom-dong é suspeito de administrar uma empresa, a Co-Link Private Equity, sem se registar como executivo-chefe, além de “tentar pressionar testemunhas a fazer declarações falsas” nas audiências de confirmação parlamentar de seu primo.

Acredita-se que Cho Beom-dong seja o proprietário de fato da Co-Link, que administrava o fundo de private equity Blue Core Value-Up. A esposa de Cho Kuk, Chung Kyung-shim, os seus dois filhos e outros membros da família investiram 1,4 mil milhões de won (1.070 mil euros) em Blue Core Value-Up. Chung também deve ser convocado pelos promotores devido às alegações de que deu ao irmão dinheiro para investir no Blue Core Value-Up e depois comprou ações no valor de 500 milhões de won (38 mil euros) na Co-Link.

Além disso, Cho Beom-dong é acusado de tentar destruir provas relacionadas com as suas conexões com a Co-Link.

Ainda mais preocupante para muitos sul-coreanos é o suposto uso da influência política de Cho Kuk para levar a sua filha para uma universidade em Seul. A controvérsia concentra-se em relatos dos media de que a sua filha recebeu uma bolsa de estudos e outras vantagens académicas que não refletiam o seu desempenho académico.

Os promotores também indiciaram a esposa de Cho por suspeita de falsificar um prémio concedido à filha pela universidade onde trabalha como professora, na cidade de Yeongju, no sul.

Republic of Korea / Flickr

Cho Kuk, ministro da Justiça da Coreia do Sul

Na sua audiência de confirmação na sexta-feira passada, Cho expressou as suas “mais profundas desculpas à geração mais jovem” pelas alegadas vantagens que a sua filha recebeu.

Segundo a BBC, a Coreia do Sul tem uma “longa tradição de cortar os cabelos como forma de protesto” – um processo originado no ensino tradicional confucionista. A emissora diz que o ato “tem sido historicamente visto como uma forma de demonstrar compromisso com uma causa” e que durante a ditadura militar do país nas décadas de 1960 e 1970, “dissidentes costumavam rapar a cabeça como sinal de resistência”.

“De acordo com o confucionismo, que enfatiza a piedade filial, danificar qualquer parte do corpo, incluindo os cabelos oferecidos pelos nossos pais, é um desrespeito imperdoável”, disse o crítico cultural Kim Sung-soo ao Korea Herald. “Portanto, rapar o cabelo implicaria a determinação de alguém num assunto quase que vale a pena arriscar a vida.”

Todos os oito membros do parlamento que raparam a cabeça até agora são membros do Partido da Liberdade ou independentes que apoiam o partido.

Apesar do furor em torno da nomeação de Cho, o Presidente Moon enfatizou que não houve confirmação de ação ilegal e disse que seria “um mau precedente” despedir um ministro com base em alegações não comprovadas. No entanto, Moon poderia pagar o preço pela sua nomeação nas eleições do próximo ano.

O presidente também “enfrenta pressão sobre um mercado de trabalho em decadência, um conflito histórico e comercial com o Japão e uma diplomacia frágil com a Coreia do Norte, com armas nucleares, que começa a mostrar sinais de desmoronamento”. Numa nação onde a liderança anterior foi derrubada por um conflito de corrupção, há quem acredite que Moon se pode arrepender de apoiar Cho.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

PJ faz buscas na Madeira e em Lisboa por fraude na obtenção de fundos europeus

Cerca de duas dezenas de buscas foram efetuadas, esta terça-feira, na Madeira e na Grande Lisboa no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público (MP) que investiga crimes de fraude na obtenção de fundos …

França em choque com ação da polícia em acampamento de migrantes

A atuação da polícia durante o desmantelamento de um acampamento improvisado de migrantes no centro de Paris, na noite de segunda-feira, está a gerar críticas e indignação. Na noite desta segunda-feira, a polícia francesa dispersou algumas …

Centro Europeu de Controlo de Doenças alerta: países que retirem medidas para o Natal terão aumento de internamentos

O Centro Europeu de Controlo de Doenças estima que se os países que em outubro e novembro tomaram novas medidas para controlar a pandemia as levantassem a 21 de dezembro, os internamentos hospitalares aumentariam na …

Pensilvânia certifica vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais

As autoridades da Pensilvânia certificaram, esta terça-feira, a vitória do democrata naquele estado nas eleições presidenciais norte-americanas. Na sua conta do Twitter, o governador local, o democrata Tom Wolf, escreveu que o Departamento de Estado da Pensilvânia …

Nos Países Baixos, há drive-ins para as crianças poderem visitar o Pai Natal em tempo de pandemia

Muito se tem falado de como será o Natal neste ano atípico. Contudo, há países que já começam a arranjar alternativas para a época festiva. Nos Países Baixos, os drive-ins estão a ser usados para …

Vereador da Educação de Lisboa ameaça autarca com “um par de murros”

O vereador da Educação da Câmara de Lisboa afirmou, num comentário no Facebook, em resposta a uma publicação de um vogal da Junta de Freguesia do Areeiro, estar disponível para lhe dar "um par de …

Papa Francisco critica negacionistas da covid-19 e fala da morte de George Floyd

O papa Francisco, num livro esta segunda-feira publicado, criticou os opositores ao uso de máscaras ou outras restrições impostas para conter a pandemia de covid-19, sublinhando que nunca se manifestariam contra a morte do afro-americano …

Fenprof reconhece abertura da tutela do Ensino Superior para negociar apesar de divergências

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) reconheceu esta segunda-feira a abertura do Governo para negociar algumas questões do Ensino Superior, depois de uma reunião em que a tutela e a organização sindical nem sempre estiveram …

Bombeiros vão receber verba adicional de três milhões de euros

As associações humanitárias de bombeiros vão receber uma verba adicional de três milhões de euros em 2021 para fazer face aos constrangimentos financeiros devido à pandemia de covid-19, segundo uma proposta do PS hoje aprovado. Este …

Media Capital desafia ERC e elege Mário Ferreira como presidente

Os acionistas da Media Capital elegeram, esta terça-feira, o empresário Mário Ferreira presidente da dona da TVI. A assembleia-geral esteve inicialmente convocada para 28 de outubro, tendo sido suspensa, retomando hoje os trabalhos e com uma …