A política de combate à obesidade na China foi ditada pela Coca-Cola

A Coca-Cola exerceu forte influência sobre a forma como o governo chinês abordou o crescente problema de obesidade no país, segundo um estudo recentemente publicado.

A China está a braços com uma epidemia de obesidade. No meio desta tensão, a Coca-Cola conseguiu influenciar as políticas de saúde do país, de modo a evitar o estabelecimento de um imposto de 20% sobre as bebidas açucaradas e outras medidas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esta é a conclusão de uma investigação recente da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos.

A China é já o terceiro maior mercado global de Coca-Cola. No que diz respeito à obesidade, em 2011, 42% dos adultos chineses estavam acima do peso, mais do dobro de que o registado duas décadas antes, revelam os dados oficiais.

Susan Greenhalgh, autora do estudo, chama a atenção para uma “complexa rede de contactos institucionais, financeiros e pessoais” através dos quais a empresa norte-americana conseguiu obter “uma posição de poder nos bastidores que garante que a luta do governo chinês contra a crescente epidemia de obesidade não prejudica os seus interesses”.

A investigadora aponta diretamente o Instituto Internacional de Ciências da Vida (ILSI), uma organização criada em 1978 que pretende ser um “fórum altamente confiável para gerar, recolher e discutir dados científicos sobre questões de impacto na saúde pública”.

O ILSI – além de ter sido fundado pelo vice-presidente da Coca-Cola, Alex Malaspina – é financiado por dezenas de empresas da indústria de alimentos, como a Coca-Cola, o McDonald’s, a Nestlé e a PepsiCo.

Na sua investigação, publicada recentemente na revista BMJ, a investigadora argumenta que a Coca-Cola usou o ILSI para influenciar as políticas de saúde do país.

Também em 1978, a Coca-Cola foi a primeira empresa internacional a receber permissão para se estabelecer na China após 30 anos de isolamento impostos por Mao Zedong. Nesse mesmo ano, Alex Malaspina visitou o país para iniciar relações com cientistas locais. “Rapidamente conheceu Chen Chunming, uma poderosa nutricionista conhecida por ter contactos de alto nível no governo.”

Chen Chunming foi a fundadora dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) da China, uma agência governamental. Em 1993, a nutricionista foi contratada pelo ILSI para dirigir a sua filial chinesa. Atualmente, os órgãos públicos e privados compartilham a sede. “O pessoal do ILSI-China, financiado pela indústria, tem acesso sem precedentes a autoridades do governo”, critica Greenhalgh.

Como consequência dessa influência, destaca o El País, as políticas chinesas estão alinhadas com as estratégias comerciais da Coca-Cola.

Depois de ter recusado responder às questões de Greenhalgh, o ILSI emitiu um comunicado no qual nega ter influenciado as políticas chinesas e em que afirma que sua missão é “fornecer ciência que melhore a saúde humana”.

A investigação de Susan Greenhalgh centrou-se no processo opaco da formulação de políticas baseadas na ciência na China. A investigadora concentrou-se nos esforços do governo para lidar com a crescente crise de obesidade no país.

Ao longo dos anos, a investigação de Greenhalgh destacou as complexas conexões pessoais, institucionais e financeiras que a Coca-Cola cultivava para alinhar a ciência e a política chinesas com o interesse em construir o seu próprio mercado na China.

Em resposta ao estudo de Greenhalgh, a empresa divulgou um comunicado no qual reconhece que “muito açúcar não é bom para ninguém”, enfatizando um movimento em direção a mais transparência no financiamento de pesquisa, além de uma promessa de não ser a principal fonte de financiamento para qualquer estudo.

Apesar desta mudança, a marca da Coca-Cola na política de obesidade chinesa permanece palpável. Greenhalgh analisou documentos de políticas públicas relacionadas à Healthy China 2030, uma iniciativa chinesa revelada em 2016 para abordar doenças crónicas, e descobriu que a maioria dos alvos específicos da iniciativa está relacionada com o aumento da atividade física e que as metas relacionadas à nutrição estão restritas a limitar o consumo de sal.

Em suma, o estudo denuncia o uso de organizações como o ILSI para “promover campanhas educativas ineficazes em vez de medidas legais sobre o preço, disponibilidade e comercialização dos seus produtos”.

Liliana Malainho LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Grande carruagem cerimonial descoberta quase intacta em Pompeia

Uma grande carruagem cerimonial de quatro rodas, com elementos de ferro, decorações de bronze e estanho, restos de madeira mineralizada e vestígios de elementos orgânicos, como cordas, foi encontrada quase intacta na área arqueológica de …

FC Porto 0-0 Sporting | Nulo com sabor a vitória para o "leão"

O “clássico” do Dragão, entre FC Porto e Sporting, terminou sem golos, sem grande futebol, e com um “leão” cada vez mais perto do título, apesar de ainda faltar muito campeonato.  A igualdade permite à formação …

Adolesceste entusiasta por pirotecnia construiu o seu próprio simulador profissional de fogos de artifício

O FWsim foi lançado pela primeira vez em 2010 como um software de planeamento de fogos de artifício, voltado para profissionais de pirotecnia e entusiastas de fogos de artifício. Em 2006, conta o Vice, Lukas Trötzmüller …

Pela primeira vez em 45 anos, uma casa vitoriana "flutuou" pelas ruas de San Francisco

A manhã de 21 de fevereiro em San Francisco, nos Estados Unidos, foi um pouco diferente do normal: uma casa vitoriana passou a "flutuar" pelas ruas da cidade. De acordo com o BuzzFeed News, uma equipa …

Nação Cherokee pede à Jeep que deixe de usar o nome da tribo nos seus carros

"É hora de a Jeep reconsiderar chamar os seus SUVs Cherokee e Grand Cherokee". Pela primeira vez, a tribo norte-americana Nação Cherokee pediu diretamente à Jeep para parar de usar o seu nome nos seus …

PCP quer apoios a 100% para pais "imediatamente e com efeitos retroativos"

O secretário-geral do PCP pediu ao Governo, este sábado, apoios a 100% para os trabalhadores que estão em casa com os filhos, pagos "imediatamente e com efeitos retroativos", e defendeu um plano de desconfinamento "setor …

Naufrágio grego que levava partes do Partenon está a revelar os seus segredos

A última expedição de mergulhadores ao navio grego Mentor, que naufragou perto da ilha Citera em 1802, recuperou várias peças do cordame, moedas, a sola de couro de um sapato, uma fivela de metal, uma …

Chega vai reagir "muito veementemente" na rua à tentativa de ilegalização

O líder do Chega disse, este sábado, que o partido vai responder "muito veementemente" e com "presença na rua", já em março, à tentativa de ilegalização da estrutura promovida por Ana Gomes. "Quero deixar claro aqui, …

Procura-se candidato para dormir. Site oferece 1650 euros e uma noite num resort

Este pode ser, literalmente, um emprego de sonho: fazer dinheiro enquanto se dorme, incluindo uma noite num resort de 5 estrelas. O site Sleep Standards, que se dedica a dar informação sobre pesquisas e produtos relacionados …

Catarina Martins faz apelo a Costa. "Moratórias têm de ser estendidas já"

A coordenadora do Bloco de Esquerda fez um apelo direto ao primeiro-ministro, este sábado, para que não espere que "seja tarde demais" e decida já estender as moratórias, evitando assim uma vaga de despejos e …