Polícia australiana investiga alegados pagamentos no julgamento do cardeal George Pell pelo Vaticano

Ettore Ferrari / EPA

Neve em Roma

A Polícia australiana revelou esta quarta-feira que recebeu informações do órgão de controlo de crimes financeiros sobre alegadas transferências de fundos do Vaticano durante o julgamento contra o cardeal George Pell, condenado por abuso sexual de menores e depois absolvido.

“É uma questão rotineira de troca de informação financeira entre a AUSTRAC (Australian Transaction Analysis and Reporting Centre) e a AFP (a Polícia Federal Australiana)”, disseram as autoridades à agência espanhola Efe, que reconhecem estar a investigar “informações relevantes”.

A Polícia Australiana também destacou que trabalha neste assunto em conjunto com a Comissão Independente Anticorrupção do Estado de Vitoria, onde Pell foi julgado.

Segundo a imprensa italiana, o cardeal italiano Angelo Becciu enviou 700 mil euros para uma conta bancária na Austrália, dinheiro que teria sido usado para subornar a testemunha que ajudou a condenar o cardeal George Pell, outrora considerado o número três no Vaticano.

Os advogados de Becciu, que em setembro foi forçado pelo Papa Francisco a renunciar ao cargo de prefeito da Congregação para as Causas dos Santos assim como aos Direitos como Cardeal, sustentam a inocência do seu cliente.

O cardeal italiano também é suspeito de peculato por enviar fundos do Vaticano para a cooperativa do seu irmão.

George Pell foi absolvido em abril da acusação de vários crimes de pedofilia pelo Supremo Tribunal depois de passar 13 meses na prisão.

No final de setembro, Pell viajou ao Vaticano pela primeira vez após o processo judicial e em 12 de outubro encontrou-se com o Papa Francisco.

O prelado deixou o Vaticano em julho de 2017 para enfrentar as acusações de pedofilia de que era alvo na Austrália. Na altura, o Papa concedeu ao cardeal “um período de licença para se defender contra as acusações”.

George Pell foi formalmente acusado do crime de abuso sexual de menores em 2017. A acusação remetia a 1996 e 1997, período em que o cardeal desempenhou a função de arcebispo de Melbourne.

O cardeal foi considerado culpado na primeira instância pelo Tribunal de Melbourne, em dezembro de 2018, e sentenciado a seis anos de prisão efetiva.

Pell foi transferido para um estabelecimento prisional em fevereiro do ano seguinte.

O prelado declarou-se inocente e considerou o crime de que foi acusado como “hediondo e intolerável”.

Em agosto de 2019, o Tribunal de Recursos do Estado de Vitoria confirmou a condenação e apenas um juiz, Mark Weinberg, discordou da decisão.

Em março deste ano, o caso chegou ao Supremo Tribunal da Austrália e os juízes admitiram o recurso de Pell com base nas motivações para a oposição do magistrado Mark Weinberg, que, segundo a mesma nota, baseou-se no “princípio de que uma pessoa não pode ser condenada se as provas não demonstrarem a sua culpa além de qualquer dúvida razoável”.

O cardeal australiano acabou absolvido de todas as acusações, por unanimidade, pelo coletivo de sete juízes.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E a saga da pedofilia continua, na Europa, nos EUA e no mundo – o Papa (que no fundo é o “monarca” reinante nada faz, nada condena, paga, afasta cardeais e ninguém vai a tribunal e paga pelos crimes cometidos.)

    Sou católico, não preciso é de um homem a fazer de “monarca”, que nada faz em relação à pedofilia – por exemplo; existem outras areas, claro.

    Até que ponto é que acaba com os segredos? Vamos ver. Só acredito quando vir a rede “pedófila” de cardeais e afins ser punida pelos crimes cometidos.

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …