Hackers russos que interferiram nas presidenciais de 2016 dos EUA voltam a atacar

O mesmo serviço militar de informações russo que pirateou os democratas em 2016 renovou os ataques vigorosos a alvos relacionados com as próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos, declarou um dirigente da Microsoft na quinta-feira.

As tentativas de pirataria incidiram sobre mais de 200 organizações, incluindo as relacionadas com as campanhas políticas e seus consultores. As tentativas de intrusão mostram melhorias nos esforços de infiltrar as principais forças políticas dos Estados Unidos.

“O que temos visto é consistente com padrões de ataques anteriores, que visam não apenas candidatos e membros das suas campanhas, mas também quem é consultado em questões-chave”, escreveu Tom Burt, vice-presidente da Microsoft num blogue.

Grupos políticos britânicos e europeus também têm sido atacados, acrescentou.

Muitas das tentativas de pirataria, feitas por agentes russos, chineses e iranianos, foram anuladas pelos programas informáticos de segurança da Microsoft e os alvos dos ataques avisados, avançou Burt.

A Microsoft não esclareceu se os hackers tiveram sucesso com alguns dos seus ataques nem o impacto das ações.

Apesar de agentes dos serviços de informações dos Estados Unidos terem adiantado no mês passado que os russos favorecem Donald Trump e os chineses Joe Biden, a Microsoft revelou que hackers chineses ligados a Pequim atacaram “pessoas de alto nível envolvidas na eleição”, incluindo algumas envolvidas na campanha de Biden.

A Microsoft não avaliou qual o país estrangeiro que constitui o maior perigo para a integridade da eleição presidencial de novembro.

O consenso entre analistas de cibersegurança é o de que a maior ameaça vem dos piratas russos. “Este é o mesmo ator de 2016, que está a ter um comportamento business as usual”, afirmou John Hultquist, diretor de análise de informações na empresa de cibersegurança FireEye. “Acreditamos que os serviços de informações militares russos continuam a representar a maior ameaça para o processo democrático“, especificou.

O post da Microsoft mostra que as informações militares russas continuam a seguir alvos relacionados com as eleições, indiferentes às acusações, sanções e outras contramedidas dos Estados Unidos, acentuou Hultquist.

Os russos interferiram na eleição presidencial de 2016, para procurarem beneficiar a campanha de Donald Trump, com ataques aos computadores da Comissão Nacional Democrata e o correio eletrónico de John Podesta, o diretor de campanha da então candidata democrata, Hillary Clinton, e a divulgação de material comprometedor na internet, concluiram investigações do Congresso e da política federal (FBI, na sigla em Inglês).

A mesma unidade daqueles serviços de informações russos (GRU, na sigla em Russo), conhecida como Fancy Bear (Urso Imaginário), que a Microsoft identificou como o autor da atual atividade de pirataria, é a mesma que também interferiu nas bases de dados do registo de eleitores em pelo menos três Estados, em 2016.

No ano passado, a Microsoft revelou que tinha observado tentativas do Fancy Bear de piratear as contas de pessoas envolvidas nas eleições norte-americanas, incluindo consultores de republicanos e democratas, e organizações partidárias a nível nacional e estadual, que totalizavam mais de 200.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Eles pensam que uma mentira dita muitas vezes torna-se verdade… “serviço militar de informações russo” = Seth Rick (democrata) + Wikileaks

RESPONDER

Grupos negativos com "reservas muito em baixo". Federação apela para dádiva de sangue antes das férias

Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue (FEPODABES) apelou esta terça-feira à dádiva de sangue antes de férias e sublinhou a necessidade de sangue dos grupos O-, A- e B -, que têm as reservas …

Multas nas praias. Falta de máscaras e ajuntamentos são as ações mais observadas pela polícia

A época balnear voltou a iniciar-se de uma forma diferente dos outro anos, com regras para os banhistas e donos de concessões. Quem não cumprir está sujeito a multas - o que tem sido uma …

EUA. Pelo menos dois feridos em tiroteio junto ao Pentágono. Edifício está encerrado

Um tiroteio esta terça-feira numa paragem de autocarros e metro junto ao Pentágono, em Arlington, Virgínia, nos Estados Unidos (EUA), causou pelo menos dois feridos. Segundo avançou o Correio da Manhã, imagens do local mostram os …

Ibiza planeia ter "detetives" estrangeiros infiltrados em festas ilegais

Medida tem como objetivo controlar as festas ilegais, promovidas com frequência nas redes sociais e que atraem locais, turistas e trabalhadores sazonais. Perante o número de casos crescente — a incidência está acima dos 1.800 casos …

Jogos Olímpicos: "Não temos naturalizados, não somos o Qatar"

Selecionador da seleção de andebol do Bahrein, que afastou Portugal dos quartos-de-final, lembra que muitos dos jogadores apurados são amadores. Portugal com dois pontos, Bahrein com dois pontos, Japão com dois pontos. Na diferença entre golos …

"Não acredito neste tempo! Não pode ser! Não pode ser!" - recorde mundial incrível em Tóquio

Adam Gemili protagonizou o momento mais dramático da manhã em Tóquio, mas o destaque vai para o incrível recorde mundial nos 400 metros barreiras. "Bem, não acredito neste tempo! Não é possível! 45.94! Não pode ser! …

PR promulga alterações à Lei da Defesa Nacional e Lei de Bases das Forças Armadas

O Presidente da República promulgou esta terça-feira os diplomas que alteram as leis da Defesa Nacional e da Orgânica de Bases da Organização das Forças Armadas, destacando que a versão final atenuou "uma ou outra …

Comprar casa. Guarda é a cidade onde os preços de venda são mais em conta

De acordo com dados divulgados pelo portal imobiliário Idealista, Lisboa é o município onde é mais caro comprar casa. Guarda é a cidade onde o preço por metro quadrado é mais baixo. Nos últimos anos, os …

Novo Presidente do Irão promete tentar levantar as sanções económicas

O ultraconservador iraniano Ebrahium Raissi, que tomou posse hoje como Presidente, disse que vai tentar o levantamento das sanções impostas pelos Estados Unidos, mas não espera o apoio "dos estrangeiros" para melhorar a situação económica …

DGS encurta intervalo entre doses da vacina da Pfizer

O intervalo recomendado entre as duas doses da vacina Comirnaty, da farmacêutica Pfizer/BioNtech, contra a covid-19 passa a ser de 21 a 28 dias, segundo uma norma da Direção-Geral da Saúde publicada esta terça-feira. A norma …