Hackers russos que interferiram nas presidenciais de 2016 dos EUA voltam a atacar

O mesmo serviço militar de informações russo que pirateou os democratas em 2016 renovou os ataques vigorosos a alvos relacionados com as próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos, declarou um dirigente da Microsoft na quinta-feira.

As tentativas de pirataria incidiram sobre mais de 200 organizações, incluindo as relacionadas com as campanhas políticas e seus consultores. As tentativas de intrusão mostram melhorias nos esforços de infiltrar as principais forças políticas dos Estados Unidos.

“O que temos visto é consistente com padrões de ataques anteriores, que visam não apenas candidatos e membros das suas campanhas, mas também quem é consultado em questões-chave”, escreveu Tom Burt, vice-presidente da Microsoft num blogue.

Grupos políticos britânicos e europeus também têm sido atacados, acrescentou.

Muitas das tentativas de pirataria, feitas por agentes russos, chineses e iranianos, foram anuladas pelos programas informáticos de segurança da Microsoft e os alvos dos ataques avisados, avançou Burt.

A Microsoft não esclareceu se os hackers tiveram sucesso com alguns dos seus ataques nem o impacto das ações.

Apesar de agentes dos serviços de informações dos Estados Unidos terem adiantado no mês passado que os russos favorecem Donald Trump e os chineses Joe Biden, a Microsoft revelou que hackers chineses ligados a Pequim atacaram “pessoas de alto nível envolvidas na eleição”, incluindo algumas envolvidas na campanha de Biden.

A Microsoft não avaliou qual o país estrangeiro que constitui o maior perigo para a integridade da eleição presidencial de novembro.

O consenso entre analistas de cibersegurança é o de que a maior ameaça vem dos piratas russos. “Este é o mesmo ator de 2016, que está a ter um comportamento business as usual”, afirmou John Hultquist, diretor de análise de informações na empresa de cibersegurança FireEye. “Acreditamos que os serviços de informações militares russos continuam a representar a maior ameaça para o processo democrático“, especificou.

O post da Microsoft mostra que as informações militares russas continuam a seguir alvos relacionados com as eleições, indiferentes às acusações, sanções e outras contramedidas dos Estados Unidos, acentuou Hultquist.

Os russos interferiram na eleição presidencial de 2016, para procurarem beneficiar a campanha de Donald Trump, com ataques aos computadores da Comissão Nacional Democrata e o correio eletrónico de John Podesta, o diretor de campanha da então candidata democrata, Hillary Clinton, e a divulgação de material comprometedor na internet, concluiram investigações do Congresso e da política federal (FBI, na sigla em Inglês).

A mesma unidade daqueles serviços de informações russos (GRU, na sigla em Russo), conhecida como Fancy Bear (Urso Imaginário), que a Microsoft identificou como o autor da atual atividade de pirataria, é a mesma que também interferiu nas bases de dados do registo de eleitores em pelo menos três Estados, em 2016.

No ano passado, a Microsoft revelou que tinha observado tentativas do Fancy Bear de piratear as contas de pessoas envolvidas nas eleições norte-americanas, incluindo consultores de republicanos e democratas, e organizações partidárias a nível nacional e estadual, que totalizavam mais de 200.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Eles pensam que uma mentira dita muitas vezes torna-se verdade… “serviço militar de informações russo” = Seth Rick (democrata) + Wikileaks

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …