Petrolíferas ignoram sanções e negoceiam com a Rússia

chavezcandanga / Flickr

Igor Sechin, presidente da petrolífera estatal russa Rosneft

Igor Sechin, presidente da petrolífera estatal russa Rosneft

A petrolífera BP assinou este domingo um acordo para a exploração de petróleo de xisto com a companhia estatal russa Rosneft, ignorando as sanções impostas pelos Estados Unidos contra Moscovo e contra o próprio presidente da empresa.

De acordo com o Financial Times, o contrato faz parte de um conjunto de acordos assinados em São Petersburgo, no final do Fórum Internacional Económico, pelo presidente da Rosneft, Igor Sechin, que teve um sorridente Vladimir Putin como testemunha.

O presidente da Rosneft, que enfrenta sanções decretadas em abril por fazer parte do ‘círculo próximo’ de Vladimir Putin, ridicularizou o impacto das sanções, dizendo que “agora já não parecem tão ameaçadoras”.

Os Estados Unidos tinham incentivado as companhias europeias a boicotar o Fórum, encarado como o equivalente russo à reunião de Davos, tendo conseguido que vários presidentes das principais petrolíferas europeias não tenham comparecido no encontro, mas outros, como os líderes da BP, Shell, Eni e Total, foram ao encontro, mostrando que as empresas ocidentais de energia querem continuar a fazer negócios com a Rússia.

O presidente da BP, que teve uma reunião à porta fechada com o presidente da Rússia, não assinou pessoalmente o contrato de 300 milhões de dólares com o presidente da Rosneft, mas reafirmou o compromisso para com o país, que é o maior accionista da Rosneft, empresa na qual a BP tem uma participação de 19,7%.

“Penso que é importante vir, ver e ouvir”, disse, acrescentando: “Temos uma responsabilidade para com os nossos parceiros nos tempos difíceis”.

Demonstração de força

O responsável afirmou que, pessoalmente, não teve qualquer contacto com o Governo dos Estados Unidos, mas outro presidente ouvido pelo Financial Times afirmou que Washington “pressionou-nos muito” sobre a comparência na reunião.

Numa demonstração de força, o presidente da Rosneft assinou mais de uma dúzia de contratos no último dia do Fórum, incluindo um contrato de vários anos para comprar petróleo e outros produtos da Venezuela, e um negócio para comprar “uma posição significativa” na North Atlntic Drilling, uma subsidiária da norueguesa SeaDrill.

O Kremlin tem tentado compensar o declínio dos poços de petróleo mais antigos avançando com novas tecnologias e para novas áreas remotas, com o Ártico ou o leste da Sibéria.

No discurso no sábado, Vladimir Putin desafiou os empresários petrolíferos a “irem para novas áreas, muitas vezes difíceis de aceder, ou aumentar a produção nos poços antigos… e desenvolver reservas que eram tradicionalmente consideradas economicamente menos eficientes ou difíceis de aceder”.

De acordo com a revista norte-americana Forbes, a Rosneft é a quinta maior empresa petrolífera do mundo, atrás da Saudi Aramco, da russa Gazprom, a Companhia Nacional do Petróleo do Irão e da ExxonMobil.

A Rússia é um dos três maiores produtores de petróleo no mundo, produzindo mais de 10 milhões de barris por dia, um pouco menos que os Estados Unidos e a Arábia Saudita, que lidera a lista com sensivelmente 12 milhões de barris diários.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Presidente promulga lei que lança app Stayaway Covid

O Presidente da República promulgou, esta terça-feira, o diploma que estabelece o responsável pelo tratamento dos dados e regula a intervenção do médico no sistema 'Stayaway Covid'. À margem de uma visita a Lagoa, no Algarve, …

Prémios e dados pessoais. Worten alerta clientes para falso SMS em circulação

A Worten alerta os clientes para não partilharem dados pessoais em resposta a mensagens publicitárias falsas que estão a circular por SMS em nome da retalhista, a anunciar um prémio. "Alertamos que não devem ser facultados …

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …