Às vezes, as pessoas ativas ganham mais peso (e já sabemos porquê)

Somos bombardeados constantemente com dois conselhos saudáveis: fazer mais exercício e comer menos. No entanto, esta combinação representa um problema óbvio, uma vez que ser mais ativo nos torna mais famintos.

Os nutricionistas sonham com o dia em que serão capazes de criar uma dieta para que as pessoas sejam mais ativas e, em simultâneo, não sintam fome durante o processo. No entanto, este objetivo é mais complicado do que parece, já que os cientistas estão ainda em busca do mecanismo que gere a energia que gastamos e como ela se traduz no nosso nível de apetite.

Num cenário ideal, o corpo humano teria a capacidade de detetar imediatamente as mudanças na quantidade de energia que usamos e, de seguida, dar-nos o apetite para comer a quantidade certa de alimentos de forma a equilibrar essa equação. Contudo, não é isto que acontece. Todos nós ficamos com fome duas ou três vezes por dia, independentemente da quantidade de exercício que façamos.

O efeito do aumento da atividade do ser humano continua a representar um verdadeiro mistério no que toca ao apetite. A maioria de nós queima diferentes quantidades de calorias em dias diferentes. Há dias em que somos mais ativos de que outros e até os que frequentam o ginásio têm dias de repouso.

Estudos anteriores não encontraram qualquer relação entre as variações de atividade e quantidade de comida que uma pessoa consome no dia em questão.

Segundo o Inverse, a maioria dos estudos concentrou-se em pessoas que praticavam exercícios aeróbicos. Neste caso, os cientistas descobriram que enquanto algumas pessoas altamente treinadas e magras tendem a comer a quantidade certa para compensar as calorias extras que queimam, as pessoas acima do peso são mais propensas a comer demais.

Mas qual o mistério por trás desta diferença? Os cientistas colocaram em cima da mesa uma hipótese: os processos fisiológicos podem ser diferentes nas pessoas que praticam mais exercício físico. Um exemplo prático é que os hormónios intestinais destas pessoas podem ser libertados em diferentes concentrações quando elas comem, potencialmente com relação à quantidade de comida que precisam.

Outros trabalhos de investigação concluíram que as pessoas com excesso de peso eram mais famintas e consumiam mais calorias do que as pessoas mais magras. Como as pessoas com excesso de peso têm uma taxa metabólica de repouso mais alta – taxa segundo a qual o corpo queima energia enquanto estão em repouso – os cientistas propuseram a existência de uma correlação entre a taxa e o tamanho das refeições.

O facto de as taxas metabólicas de repouso das pessoas serem estáveis, independentemente das flutuações no exercício físico diário, pode ajudar a explicar por que motivos os níveis de exercício geralmente não influenciam a quantidade de comida que ingerimos nesse mesmo dia.

Ainda assim, isto não implica necessariamente que a taxa metabólica de repouso determine a quantidade de alimentos que ingerimos. Por esta razão, os cientistas propuseram que a quantidade de massa muscular pode ditar a taxa metabólica de uma pessoa.

Se assim for, a taxa metabólica pode estar apenas a atuar como intermediária: direciona as informações sobre a composição corporal através de redes hipotalâmicas no cérebro, que se acredita ser o responsável pelo controlo do apetite. Ainda assim, serão precisas mais pesquisas futuras para provar esta tese.

Para examinar verdadeiramente o que acontece na vida real, o mais recente estudo, publicado no National Center for Biotechnology Information, analisa o que acontece com a ingestão de calorias nos dias em que as pessoas estão mais ativas sem fazer exercício deliberadamente – por exemplo, uma simples ida ao dentista.

A equipa, liderada Alex Johnstone, analisou 242 indivíduos (114 homens e 128 mulheres) e descobriu que a quantidade de atividade física influenciou a quantidade de comida que os participantes ingeriram. No entanto, descobriram também que as suas taxas metabólicas de repouso também influenciavam o seu apetite – por outras palavras, as pessoas com excesso de peso tendiam a comer mais.

Apesar de este estudo significar mais um passo em frente na investigação, existem muitas variáveis que não foram consideradas pelos cientistas.

“Eu duvido que um dia cheguemos ao ponto em que olhamos para uma pessoa e conseguimos dizer como funciona o seu organismo. O que podemos dizer, com base no nosso estudo, é que muitas pessoas são propensas a comer mais quando se tornam mais ativas”, rematou a cientista da Universidade de Aberdeen, na Escócia.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Ainda há esperança. Corais do Atlântico reproduziram-se pela primeira vez em laboratório

Este é um avanço histórico que poderia ajudar a salvar corais em todo o mundo, incluindo o ameaçado recife da Flórida, nos Estados Unidos. O Aquário da Flórida, nos Estados Unidos, conseguiu que o coral Dendrogyra …

Cientistas descobrem a melhor maneira de ensinar uma nova língua a crianças

As pessoas muitas vezes assumem que as crianças aprendem novas línguas facilmente e sem esforço, independentemente da situação em que se encontram. Mas será verdade que as crianças absorvem linguagem como esponjas? Estudos mostraram que as …

Cientistas descobrem que as mantas gostam de socializar e de fazer amigos

Embora já tenham sido consideradas criaturas solitárias, um novo estudo descobriu que as mantas formam relações sociais e escolhem parceiros sociais. De acordo com o IFLScience, uma equipa de cientistas estudou mais de 500 grupos sociais …

Planta que não se reproduzia há 60 milhões de anos no Reino Unido revivida pelas alterações climáticas

Há 60 milhões de anos que as cicas não se reproduziam no Reino Unido. Agora, com a subida das temperaturas devido às alterações climáticas, fizeram-no pela primeira vez. As cicas são plantas lenhosas muito parecidas com …

Líderes políticos e religiosos ultraconservadores reunidos secretamente em Fátima

A reunião foi promovida pela International Catholic Legislators Network (ICLN). O encontro começou na quinta e termina este domingo. Entre muitos, conta com a participação do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán. Vários líderes políticos e religiosos ultraconservadores …

Rio alerta para "divórcio violento" e medo de Costa em perder votos para o BE

O líder do PSD, Rui Rio, disse este sábado que as críticas de António Costa ao Bloco de Esquerda refletem "ingratidão" e o "medo" que o Partido Socialista tem em "perder" votos para os bloquistas …

Trump diz que Boris é "o homem certo" e promete "grande acordo comercial"

Os dois líderes estiveram reunidos à margem da cimeira do G7. Trump elogiou Boris e garantiu que o acordo comercial com o Reino Unido será rápido depois do Brexit. Johnson diz que será "fantástico". O Presidente …

Uma impressora 3D construiu uma casa em apenas 12 horas

A impressora 3D S-Squared (SQ3D) construiu um protótipo básico de uma casa em cerca de 12 horas. A estrutura tem 46 metros quadrados e foi construída através de uma mistura de cimento em camadas. O trabalho …

Uma estrela supermassiva explodiu e aniquilou tudo à sua volta

Uma estrela renegada, que explodiu numa galáxia distante, forçou os astrónomos a colocar de lado décadas de investigação e a concentraram-se num novo tipo de supernova que pode aniquilar completamente a sua estrela-mãe - não …

G7: Macron e Trump com "elementos de convergência" sobre Amazónia, Irão e comércio

O Presidente francês, Emmanuel Macron, conversou este sábado com o Presidente norte-americano, Donald Trump, durante o almoço, que durou duas horas, sobre "elementos de convergência" relativos ao comércio, ao Irão e aos fogos na Amazónia, …