Quanto mais pequena é a casa, mais ecológico é o estilo de vida da pessoa

O interesse em casas pequenas aumenta a cada dia que passa – habitações que normalmente medem menos de 37 metros quadrados. Esse interesse é impulsionado pelos meios de comunicação, que afirmam que morar em casas pequenas é benéfico para o planeta.

Pode parecer óbvio que viver numa casa mais pequena reduz o nosso impacto ambiental, mas a verdade é que ainda não foram realizados estudos suficiente para medir de que forma os comportamentos ambientais das pessoas mudam quando elas alteram drasticamente o tamanho do seu lar.

Maria Saxton, investigadora da Virginia Tech, nos Estados Unidos, procurou colmatar essa falha e decidiu desenvolver um estudo que pudesse fornecer evidências mensuráveis sobre de que forma passar a viver numa casa pequena (downsizing) influencia os impactos ambientais.

A investigadora analisou as pegadas ecológicas de 80 downsizers, pessoas que viveram durante um ano ou mais em casas pequenas, de forma a compará-las com as suas pegas ecológicas em casas anteriores.

As pegadas desses downsizers, todos norte-americanos, reduziram, em média, 45%. Surpreendentemente, esta prática pode ingluenciar o estilo de vida de uma pessoa e reduzir os impactos no meio ambiente de formas muito inesperadas, afirma a cientista ao The Conversation.

O conceito de vida minimalista existe há séculos, mas o movimento moderno de pequenas casas tornou-se uma tendência apenas no início dos anos 2000. As casas minúsculas são uma abordagem de habitação inovadora que pode reduzir o desperdício de material de construção e o consumo excessivo. Apesar de não haver uma descrição universal para este tipo de casas, são habitações que dão primazia à qualidade, em detrimento da quantidade.

As pessoas optam por viver em lares mais pequenos por vários motivos. Entre eles podem incluir-se o estilo de vida mais ecológico e a liberdade financeira.

Neste estudo, Maria Saxton examinou os impactos ambientais destes pequenos lares medindo as suas pegadas ecológicas individuais. A investigadora calculou as pegadas em termos de hectares globais, considerando a habitação, o transporte, alimentação, bens e serviços. Um hectare global equivale a cerca de 2,5 acres ou, aproximadamente, o tamanho de um campo de futebol.

Entre os 80 downsizers, a pegada ecológica média é de 3,87 hectares globais, cerca de 9,5 acres. Isto significa que seriam necessários 9,5 acres para sustentar o estilo de vida dessa pessoa durante um ano. Por comparação, antes de se mudarem para estas casas minúsculas, a pegada média dos participantes era de 7,01 hectares globais (17,3 acres).

No entanto, o que surpreendeu Saxton foi descobrir que a casa não foi o único componente das pegadas ecológicas que se alterou – todos os outros componentes do estilo de vida dos downsizers (alimentação, consumo, transportes, bens e serviços) foram positivamente influenciados.

Depois de se mudarem para estas casas, os downsizers passaram a ser mais propensos a ingerir alimentos menos intensivos em termos de energia, e a adotar hábitos alimentares ambientalmente mais conscientes – como cultivar mais alimentos, por exemplo. Além disso, a cientista verificou que os participantes viajavam menos de carro, autocarro, comboio ou avião, e conduziam mais carros com consumo eficiente de combustível.

Em jeito de conclusão, Maria Saxton identificou mais de 100 componentes que alteraram após o downsizing, e aproximadamente 86% tiveram um impacto positivo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Igreja perdeu 50 milhões de euros com a pandemia (e há dioceses em lay-off)

Ao cabo de dois meses de paragem por causa da pandemia de covid-19, as missas regressam, neste sábado, mas com regras novas para evitar a propagação do coronavírus. Uma paragem que resultou num "prejuízo" de …

Reabertura de ATL adiada para 15 de junho. Creches arrancam segunda-feira (sem apoios para os pais)

As Atividades de Tempos Livres (ATL) não integradas em estabelecimentos escolares só poderão voltar a funcionar a partir de 15 de junho, duas semanas depois daquilo que estava inicialmente previsto. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, …

Governo britânico vai continuar a pagar 80% dos salários durante mais três meses

O Governo britânico vai continuar a pagar durante mais três meses 80% do salário de trabalhadores em lay-off devido à pandemia de covid-19, e reduzir gradualmente o valor até ao fim do sistema, em outubro. O …

Resgate à TAP deverá ser feito através de empréstimo obrigacionista

A ajuda do Estado à TAP deverá chegar através de um empréstimo obrigacionista convertível em ações, avança o jornal Expresso neste sábado. Este é o cenário mais provável para a TAP, apurou o semanário, que …

Lisboa pode receber a final deste ano da Liga dos Campeões

Istambul não está agradada com a ideia de receber a final da Liga dos Campeões sem adeptos no estádio. Por isso, outras hipóteses estão a ser consideradas, nomeadamente Lisboa. A final da Liga dos Campeões está …

Há mesmo algo de reconfortante quando dizemos palavrões

Um novo estudo sugere que, nas circunstâncias certas, dizer palavrões em voz alta parece fazer as pessoas sentirem menos dor. Exatamente como e porque é que o ato de dizer asneiras consegue fazer com que as …

"Paraministro" de Costa. Gestor independente chamado para negociar plano económico de retoma

O primeiro-ministro, António Costa, convidou o diretor executivo da petrolífera Partex, António Costa Silva, para estudar o plano de recuperação económica. De acordo com o semanário Expresso, que avança a notícia na sua edição deste …

Termina o dever cívico de confinamento

O Conselho de Ministros aprovou esta sexta-feira o fim do “dever cívico de recolhimento”, que entrará em vigor na próxima segunda-feira, prevê a resolução que prolongou a situação de calamidade até 14 de junho. A situação …

"Ratos" de musgo espalham-se pelos glaciares do Ártico (e intrigam cientistas)

A presença de estranhas bolas de musgos nos ecossistemas de glaciares tem atraído a atenção da comunidade científica. Estas estranhas criatura proliferam no Ártico, mas também em regiões da Islândia e América do Sul. Especialistas de …

Há 29 países que podem visitar a Grécia a partir de 15 de junho. Portugal ficou de fora

A partir de 15 de junho, cidadãos oriundos de 29 países poderão visitar a Grécia, revelou esta sexta-feira o Governo helénico, dando conta que a lista elaborada teve em conta a situação epidemiológica de cada …