Testemunhas de Pedrógão Grande confirmam reconstrução de casas desabitadas após incêndio

Paulo Novais / Lusa

Duas testemunhas confirmaram nesta segunda-feira em tribunal, no julgamento das alegadas irregularidades no processo de reconstrução das casas após o incêndio de Pedrógão Grande, que casas desabitadas, algumas em ruínas, foram reconstruídas após o fogo.

Na Batalha, onde prossegue o julgamento do Tribunal Judicial de Leiria, a testemunha Deonile Feteira, de Vila Facaia, concelho de Pedrógão Grande, declarou ter havido casas onde não morava ninguém antes do incêndio que foram reconstruídas depois do fogo.

Num dos casos, ao ser questionada pela procuradora da República, Deonilde Feteira, antiga padeira que fazia a distribuição porta a porta, explicou que quando morreu a mãe de uma arguida deste processo “ninguém ficou a viver” na habitação da progenitora.

“Passava lá todas as semanas e não via ninguém”, assegurou a testemunha, também ela vítima do incêndio de Pedrógão Grande, tendo registado prejuízos num barracão e em oliveiras.

Segundo a testemunha, esta casa, que “estava toda velha e caída para o chão”, ardeu no incêndio, tendo sido depois reconstruída.

Ao colectivo de juízes, Deonilde Feteira sustentou outras situações elencadas no despacho de acusação, como a de uma habitação na freguesia de Graça, também concelho de Pedrógão Grande, na qual “as silvas já saíam dos telhados”.

No âmbito desta casa, propriedade da então sogra do presidente da Junta de Freguesia da Graça, Pedro Pereira, ambos estão acusados de um crime de burla qualificada na forma tentada e um crime de falsificação de documento.

Segundo o Ministério Público, os dois “fizeram assinalar” num formulário para candidatura a apoios que o imóvel era a habitação permanente e própria da mulher, quando se tratava de “uma casa devoluta e em ruínas”.

Sobre esta casa, outra testemunha, Joaquim Martins, igualmente vítima do incêndio, com vários bens destruídos, explicou que em Junho de 2017, quando ocorreu o incêndio, “com toda a certeza”, a mulher não morava lá, sendo que a casa que ardeu estava abandonada e “já nem tinha telhado nem nada”.

“Eu sei que passados dois meses, três meses após o incêndio, começou a construção”, disse, esclarecendo que depois “a casa parou” e “só tem a segunda placa”.

“O povo começou a dar bocas”, referiu, confessando-se revoltado por, no caso dele, ter apenas sido compensado por parte dos prejuízos de que foi vítima.

Já depois de ser questionado sobre outra alegada reconstrução irregular, a procuradora da República pediu a extracção de certidão, por eventual crime de falsidade de depoimento, dado que o depoimento prestado por esta testemunha em sede de inquérito será diferente do prestado no julgamento.

Nesta segunda-feira de manhã foi ouvida mais uma testemunha, com o julgamento a prosseguir durante a tarde.

O julgamento das alegadas irregularidades no processo de reconstrução das casas que arderam no incêndio de Junho de 2017 no concelho de Pedrógão Grande e que alastrou a municípios vizinhos tem 28 arguidos.

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande, Valdemar Alves, e o ex-vereador deste município Bruno Gomes estão entre os arguidos. Estão pronunciados por 20 crimes de prevaricação de titular de cargo político, 20 crimes de falsificação de documento e 20 crimes de burla qualificada, os mesmos do despacho de acusação.

Este incêndio provocou 66 mortos e 253 feridos, tendo destruído cerca de 500 casas, 261 das quais habitações permanentes, e 50 empresas.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

A polícia holandesa achava que tinha em mãos o mafioso mais procurado da Europa. Afinal, era só um fã de F1

Um homem de Liverpool de 54 anos pensava que o grande evento da sua viagem aos Países Baixos seria assistir ao Grande Prémio de Fórmula 1, mas acabou detido numa prisão de alta segurança por …

Cobertura global de corais caiu para metade desde 1950, revela relatório

A cobertura global de recifes de coral caiu para metade desde 1950, cenário originado pelo aquecimento global, pesca excessiva, poluição e destruição de habitats naturais, revelou uma análise divulgada esta sexta-feira. Desde a Grande Barreira de …

O sonho de Christo concretizou-se, 60 anos depois. O Arco do Triunfo foi embrulhado como um presente

Já desde o início dos anos 60 que Christo imaginava como seria cobrir o Arco do Triunfo em tecido. A sua visão foi finalmente concretizada e pode ser visitada entre 18 de Setembro e 3 …

Holanda. Ministra da Defesa renuncia devido à crise de evacuação do Afeganistão

Após a ministra das Relações Externas holandesa, Sigrid Kaag, renunciar devido ao desastre da evacuação do Afeganistão, esta sexta-feira foi a vez da ministra da Defesa, Ank Bijleveld. Segundo relatou o Guardian, acredita-se que os ministros …

Tribunal da África do Sul recusa anular pena de prisão do ex-Presidente Jacob Zuma

O mais alto tribunal da África do Sul rejeitou o pedido do ex-Presidente Jacob Zuma para anular a sua sentença de 15 meses de prisão por não comparecer a uma sessão de inquérito por corrupção. Em …

EUA. Advogado planeou o próprio assassinato para o filho receber seguro. Foi detido por fraude

Um influente advogado norte-americano, cuja esposa e um dos filhos foram assassinados, foi acusado de fraude contra uma empresa de seguros e falso testemunho por organizar o seu próprio assassinato. Segundo avançou a agência France-Presse, …

Norberto Mourão conquista bronze nos Mundiais de canoagem adaptada

Norberto Mourão já tinha conquistado o bronze nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e junta agora mais uma medalha à colecção, desta vez nos Mundiais de canoagem adaptada. O atleta de canoagem adaptada Norberto Mourão conquistou hoje …

Caso George Floyd. Polícia condenado a 22 anos de prisão pode ver a sentença revertida

A intervenção do Supremo Tribunal do Minnesota num outro caso de violência policial para reduzir a pena de um agente pode abrir um precedente para que haja alterações na sentença de Derek Chauvin. Segundo avança a …

Futebol português contra Campeonato do Mundo de dois em dois anos

O futebol português está contra a intenção da FIFA de aumentar a periodicidade do Campeonato do Mundo, passando de quatro para de dois em dois anos, refere um comunicado conjunto divulgado hoje. O documento, assinado pela …

Governo quer proibir empresas de recorrer ao 'outsourcing' após despedimento coletivo

O Governo quer proibir as empresas que façam despedimentos coletivos de recorrerem ao 'outsourcing' (contratação externa) durante os 12 meses seguintes, disse hoje a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. No final …