Passos e Costa trocam acusações sobre retrocesso do país

José Sena Goulão / Lusa

-

O presidente do PSD e o primeiro-ministro trocaram hoje acusações sobre os resultados da anterior e da atual governação, responsabilizando-se mutuamente pelo retrocesso do país em termos de emprego e crescimento económico.

No debate quinzenal desta sexta-feira no Parlamento, Passos Coelho interrogou o primeiro-ministro sobre os resultados dos primeiros seis meses governação, alegando que “não estão de acordo com a promessa do próprio Governo” e perguntou “por que é que, no meio de tanto enleio, se fala então de sanções contra Portugal”.

António Costa acusou o ex-primeiro-ministro de ter governado com base em teses de “austeridade expansionista” e de “competitividade pelo empobrecimento” que fizeram o país recuar décadas, recomendando-lhe “um pouco mais de humildade a avaliar os seis meses deste Governo”.

Sobre eventuais sanções da União Europeia, o primeiro-ministro responsabilizou o seu antecessor: “Fala-se de sanções porque em 2015 Portugal não cumpriu a redução do défice excessivo”.

António Costa reiterou que, se vierem a ser aplicadas sanções, considera que será injusto “por aquilo que os portugueses tiveram de sofrer com as suas políticas, porque aqueles que tanto elogiaram as suas políticas não podem agora sancionar o país pelos maus resultados das suas políticas” e porque neste ano “pela primeira vez a Comissão Europeia prevê que Portugal ficará sempre abaixo do limite do défice excessivo“.

Depois, alegou que “a segunda razão por que se fala em sanções é porque há uma enorme duplicidade política em muitos partidos europeus”, e questionou a posição do presidente do PSD.

“Eu digo aqui o mesmo que digo em Bruxelas. E eu não digo aqui que não quero sanções e não estou em Bruxelas a aplaudir o líder do Partido Popular Europeu que pede a aplicação de sanções a Portugal”, afirmou António Costa.

Por sua vez, Passos Coelho colocou em causa a coerência do primeiro-ministro em matéria de austeridade, perguntando-lhe qual foi a posição oficial do Governo português em relação ao “duro programa de austeridade que o Governo grego apresentou” no Eurogrupo.

Perante a insistência do presidente do PSD, o primeiro-ministro respondeu: “O senhor deputado pergunta a resposta que conhece. É evidente que o programa foi aprovado por todos os países, a começar pela Grécia”.

“E não seríamos nós a fazer dificultar o que vossa excelência fez no passado, que é dificultar a vida à Grécia. Pelo contrário, estivemos ao lado da Grécia“, completou António Costa.

O presidente do PSD observou: “Quando o Governo socialista aprova programas de austeridade para a Grécia está a ajudar a Grécia, quando o Governo anterior aprovava programas para a Grécia estava a prejudicar a Grécia. Já percebemos o que significa duplicidade de discursos”.

/Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Assunção Cristas contra o "ditador" verde e André Silva contra a "despesista" demagoga

O debate deste sábado, transmitido pela RTP3, sentou frente-a-frente os líderes do CDS e do PAN. Assunção Cristas contou quantas vezes o programa do adversário usa a palavra "proibir" e André Silva acusou os centristas …

Poluição no rio Lis arrasta-se há mais de 20 anos

A poluição na bacia hidrográfica do rio Lis arrasta-se há mais de duas décadas, com o contributo das descargas ilegais das suiniculturas, mas a construção da estação de tratamento de efluentes suinícolas tem sido adiada …

No Quénia, há meninas a faltar às aulas por não terem acesso a tampões

No Quénia, há adolescentes que não têm dinheiro para comprar pensos higiénicos ou tampões. Por isso, faltam às aulas. O Expresso conta a história de uma menina queniana, de 14 anos, que não aguentou ser humilhada …

As sestas podem ser boas amigas do coração

Fazer uma sesta uma ou duas vezes por semana pode reduzir o risco de ataque cardíaco ou AVC. No entanto, se fizer mais sestas do que o recomendado, os benefícios desaparecem. Uma equipa de cientistas decidiu …

Qual o tamanho mínimo para que um planeta possa ser habitável? Cientistas responderam

Uma equipa de cientistas de Harvard revelou o tamanho crítico abaixo do qual um planeta nunca pode ser habitável, mesmo que esteja numa área com uma distância à sua estrela que permita a existência de …

Criatura com "cabeça de canivete suíço" deu origem aos escorpiões e às aranhas

Encontrada no Canadá, esta nova espécie de fóssil provou ser o quelicerado mais antigo, situando a origem dos escorpiões e das aranhas há 500 milhões de anos. Com o tamanho de um dedo polegar, olhos em …

Benfica 2-0 Gil Vicente | "Águia" q.b. bate minhotos aguerridos

O Benfica cumpriu frente ao Gil Vicente, no Estádio da Luz, e venceu por 2-0, com um golo a fechar a primeira parte e outro a abrir a segunda. A formação “encarnada” sentiu muitas dificuldades para …

Há cidades que, em 2050, vão ser quentes demais para se visitar

Em 2050, há cidades que vão ser vítimas do flagelo das alterações climáticas. As altas temperaturas vão impedir que os turistas explorem cada recanto destas metrópoles. Os efeitos das alterações climáticas são cada vez mais visíveis.. …

As legislativas não se ganham nas sondagens, alerta Costa

Após ter sido divulgada mais uma sondagem este sábado, António Costa afirmou que as eleições não se ganham nas sondagens e apelou para a mobilização de modo a garantir a vitória. O secretário-geral do PS, António …

Prémios IgNobel: uma máquina para mudar fraldas e uma pizza anticancro

Os vencedores da 29.ª edição dos prémios IgNobel foram anunciados na quinta-feira, na Universidade de Harvard, no Estado norte-americano do Massachusetts. Os prémios IgNobel - uma paródia dos prémios atribuídos pelas academias suecas e norueguesa - …