/

Depois da queda da Aurora Dourada, um novo partido de extrema-direita ganha força no Chipre

Iakovos Hatzistavrou / AFP

Uma nova sombra paira sobre a política cipriota. Não se sabe muito sobre a extrema-direita do país, mas os recentes avanços da Elam nas eleições de maio de 2021 colocaram o partido no mapa para sempre.

A Elam começou originalmente em 2008 como uma subdivisão do partido grego neonazi Aurora Dourada, mas acabou separando-se e mudando o seu nome para Frente Popular Nacional (ELAM), aparentemente por razões legais.

Embora o contexto cipriota seja diferente, as duas partes usaram a mesma receita política. Como a Aurora Dourada, a identidade da Elam é extremista e populista. A liderança do partido tem-se concentrado no etnocentrismo para fazer avançar a narrativa de que os migrantes privam os cipriotas gregos de acesso básico a empregos e recursos.

Elam favorece o chauvinismo do bem-estar: afirma claramente que os benefícios devem ser restritos apenas aos cipriotas gregos. A Elam opõe-se ao islamismo, ao multiculturalismo e à migração.

Também se opõe à presença turca no Chipre. Durante o auge da crise de refugiados na Europa, há alguns anos, o partido assumiu uma posição extremista.

Depois de os principais políticos da Aurora Dourada terem sido presos em 2013, a Elam e a sua liderança protestaram fora da embaixada grega no Chipre contra o que eles chamaram de procedimentos “injustos e inconstitucionais”.

No entanto, os líderes da Aurora Dourada foram recentemente condenados e presos e o partido foi completamente banido da política grega, resultando no fim abrupto da parceria entre os dois partidos irmãos. O líder da Elam, Christos Antoniou, disse que o partido está a seguir o seu próprio caminho e não pode ser responsabilizado pelas ações de outros partidos em diferentes países.

Grécia, Turquia e Chipre

Existe uma estreita relação entre as crises económicas e políticas e o surgimento de grupos de extrema direita. E no Chipre, a crise política excecionalmente longa aprofundou-se na última década como resultado de desacordos sobre a gestão da economia.

A crise financeira que se seguiu ao crash de 2008 e aos fluxos de migração na última década também pode ter favorecido a ascensão da Elam. A sua primeira corrida nas eleições de 2011 não teve sucesso, mas conquistou dois assentos no parlamento cipriota em 2016. Mais recentemente, a Elam obteve 6,8% dos votos cipriotas nas eleições de maio de 2021.

A Elam também chegou muito mais perto do que a Aurora Dourada de formar um Governo. Após as eleições de maio de 2021, Nicos Anastasiades, presidente do Chipre, propôs um Governo de coligação com o partido Aliança Democrática e pediu a participação da Elam.

Antoniou rejeitou a oferta. Não está claro por que um partido de extrema-direita estava a ser considerado um partido viável pelo presidente, mas o facto de que abordou a Elam para desempenhar um papel ativo sugere que o parlamento cipriota agora reconhece a Elam como uma força considerável na política.

Desde o início da pandemia, a Elam promoveu uma agenda altamente xenófoba. Quando Anastasiades anunciou a sua decisão de fechar totalmente a Linha Verde (também conhecida como Zona Tampão das Nações Unidas) para impedir a entrada de refugiados no Chipre, a Elam apoiou a moção. O partido pediu medidas ainda mais duras contra a migração.

A Elam também tem alarmado há meses que o expansionismo turco está a acelerar durante a pandemia. As longas negociações entre Chipre e Turquia para a reunificação da ilha têm sido difíceis e, embora as resoluções da ONU tenham apelado aos dois lados para formar uma federação bizonal e bicomunal, as autoridades turcas rejeitaram o processo da ONU.

Portanto, Antoniou exortou Anastasiades e o parlamento cipriota a suspender todas as conversações e negociações e a assumir uma postura mais agressiva contra o Governo turco.

Reescrever a História

Nos últimos anos, a Elam fez questão de se distanciar da Aurora Dourada. Se tentar, não encontrará nenhuma foto antiga dos seus membros a posar ao lado de membros do agora ilegal partido grego ou a saudar nazis em eventos compartilhados.

E a abordagem certamente funcionou. Os sucessos nas eleições de 2021 foram traduzidos em quatro assentos no parlamento.

É evidente que a Elam está em processo de se tornar uma versão mais leve e menos agressiva da Aurora Dourada. Antoniou parece estar a imitar a abordagem adotada pelos políticos de extrema-direita Matteo Salvini, em Itália, e Marine Le Pen, em França — focando-se na migração e anticorrupção para ampliar o apoio.

O partido também começou a trabalhar cooperativamente no parlamento, votando recentemente em apoio às propostas orçamentais do Governo e fornecendo um apoio fundamental na votação para um Presidente, ajudando o Governo a evitar uma nova votação se o seu candidato não for aprovado.

Esta é uma linha difícil para a Elam trilhar. Partidos deste tipo prosperam na retórica anti-elitista. Menos anti-elitismo e comunicação mais amigável com partidos políticos rivais fazem da Elam uma entidade sistémica na política cipriota.

Mas a Elam aprendeu claramente com os erros da Aurora Dourada e pretende tornar-se uma versão mais madura do seu antigo partido irmão. A sua recente dissociação da Aurora Dourada pode ser o primeiro passo para moldar um novo futuro político. A política de extrema-direita pode ter sofrido um golpe na Grécia, mas está numa trajetória diferente no Chipre.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP // The Conversation

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.