A palavra “pandemia” não consta nos contratos de PPP dos hospitais. Estado pode ter de pagar

João Relvas / Lusa

Hospital de Vila Franca Xira

A palavra “pandemia” não consta nos contratos de parceria-público privada (PPP) dos hospitais de Loures, Cascais e Vila Franca de Xira. 

Especialistas em Direito Público ouvidos pelo semanário Expresso consideram que, apesar de a palavra “pandemia” não constar nos contratos dos hospitais em PPP, a situação atual é um acontecimento que se enquadra nos acontecimentos de “força maior”. Por esse motivo, o Estado pode ter que pagar mais aos privados se estes tiverem que suportar custos substanciais com o tratamento de doentes infetados com o novo coronavírus.

No caso de uma procura excecional da urgência por causa da gripe, por exemplo, o hospital tem que assumir esse risco, o que significa que o Estado não fica obrigado a pagar mais mesmo que a sociedade gestora tenha mais encargos com a operação.

Pelo contrário, no caso de um fenómeno como uma doença que assume proporções de pandemia, o enquadramento é feito numa cláusula que determina as situações de “força maior” que podem impactar de forma negativa no contrato.

Nesta cláusula é determinado que “são considerados factos de força maior os eventos imprevisíveis e irresistíveis, exteriores às entidades gestoras e independentes da sua vontade e atuação, ainda que indiretos, nomeadamente atos de guerra ou subversão, radiações atómicas, fogo, raio, inundações catastróficas, ciclones, tremores de terra e outros cataclismos naturais que, comprovadamente, impeçam ou tornem mais oneroso o cumprimentos das suas obrigações contratuais e que tenham um impacto direto negativo sobre o contrato”.

A verdade é que, face à pandemia de covid-19, estamos perante “um evento imprevisível, logo não previsto no momento em que os contratos foram celebrados, e, concomitantemente, de um evento irresistível, isto é, de um evento que não se consegue impedir, quer dizer, que é incontrolável pela entidade privada“, justifica Pedro Melo, sócio na Miranda onde atua na área de Direito Público e Regulatório.

Quanto a um eventual reequilíbrio financeiro a favor da sociedade gestora, Pedro Melo explica que se trata de uma hipótese que depende de uma análise criteriosa. O Estado só é chamado a pagar mais aos privados se os contratos registarem um “desequilíbrio substancial” – um “desequilibro marginal” não dá esse direito. Isto significa que tudo dependerá dos prejuízos que o privado seja capaz de demonstrar.

O Ministério da Saúde disse ao matutino que a questão do enquadramento de uma situação de pandemia nos contratos de PPP e eventuais custos excecionais que os privados possam vir a ter por causa do novo coronavírus “ainda não foi ainda colocada pelas partes no âmbito da execução dos contratos de gestão em parceria público-privada”.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. A forma como são redigidos estes contratos que o estado faz para as parcerias público privadas(PPP) é incontornável. Enquanto os privados se apoiam em experts, utilizando redações dúbias suscetíveis de várias interpretações, o estado assina de cruz e as consequências estão à vista. Para que servem as PPP na saúde? A quem aproveitam? Vamos investir no SNS porque esse é que nos vale em situações de “força maior” que provavelmente a partir de agora estarão mais presentes nas nossas vidas e nós estaremos cada vez mais pobres para as enfrentarmos.

  2. Há uma ideia tonta generalizada que os privados têm uma torneira que basta abrir e sai dinheiro. Pergunto eu: estão os médicos, enfermeios, administrativos e todas as pessoas que trabalham nos hospitais privados dispostos a não receber, isto é, a fazer trabalho voluntário? Os hospitais privados têm custos que obviamente terão de pagar. Os médicos, enfermeiros e restante pessoal dos hospitais privados que eu saiba também têm direito a comer! Alguém tem de pagar. Se vão ter de trabalhar mais horas, fazer turnos em cima de turnos, estão à espera que o façam de graça quando os do público não o fazem?!!!
    Se os hospitais privados prestam um serviço ao Estado por que raio de razão é que não deveriam cobrar por isso?! Até estranharia se o náo fizessem. Algo seria no mínimo estranho.
    Não se compreende esta mentalidade.

RESPONDER

O RRS David Attenborough, navio virgem dos reinos polares, já saiu do estaleiro

O navio RRS Sir David Attenborough saiu finalmente do seu estaleiro. O já lendário navio vai agora ser sujeito a alguns testes antes de ser oficialmente entregue ao serviço, em novembro deste ano. A construção do …

Vulcões ativos produzem 30 a 50% da atmosfera de Io

Novas imagens rádio obtidas pelo ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array) mostram, pela primeira vez, o efeito direto da atividade vulcânica na atmosfera da lua de Júpiter, Io. Io é a lua mais vulcanicamente ativa do nosso …

Descobertas pegadas fossilizadas com mais de 10 mil anos. São a trilha pré-histórica de uma mãe com um bebé ao colo

Uma equipa de investigadores internacional descobriu o trilho pré-histórico mais comprido do mundo no Novo México, nos Estados Unidos. O novo estudo conta a historia de uma mulher que carregou um bebé nos braços durante …

Pure Skies. Empresa desenha cabines dos aviões do pós-pandemia

Desde o início da pandemia, os especialistas têm testado diferentes maneiras de alcançar o distanciamento social em aviões, embora com pouco sucesso. Agora, há uma empresa que está a levar esta ideia até ao próximo …

OE2021. Bloco de Esquerda vota contra na generalidade

O Bloco de Esquerda vai votar contra a proposta do Orçamento do Estado para 2021 na generalidade, anunciou a coordenadora do partido, Catarina Martins. Em declarações aos jornalistas, a bloquista confirmou este domingo que o …

PS ganha eleições nos Açores sem garantia de maioria absoluta

O PS voltou a ganhar as eleições regionais dos Açores, obtendo entre 37% e 41%, o que não garante a maioria absoluta, segundo a projeção à boca das urnas realizada este domingo pela Universidade Católica …

Extinção da fauna em Madagáscar pode dever-se à presença humana (e a mudanças climáticas)

Grande parte da fauna de Madagáscar e das ilhas Mascarenhas foi eliminada durante o último milénio. Neste sentido, uma equipa de cientistas analisou um registo do clima nos últimos 8000 anos nas ilhas. O resultado …

PAN vai abster-se na generalidade. OE mais próximo da aprovação

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) vai abster-se na votação na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE2021) na próxima quarta-feira, anunciou a líder parlamentar do partido, Inês Sousa Real. Com a abstenção dos três …

O passado tóxico fica para trás. Asbestos, a cidade "amianto", mudou de nome

A cidade canadiana Asbestos (que significa amianto) ganhou um novo nome, quase 11 meses após o anúncio da votação. Wuase metade dos cerca de 6 mil residentes da cidade canadiana marcaram presença numa votação organizada num …

Menino de 12 anos encontra fóssil de dinossauro com 69 milhões de anos

Nathan Hrushkin, aspirante a paleontólogo de 12 anos, encontrou o fóssil de um dinossauro enquanto passeava com o pai em Alberta, no Canadá. Depois de enviarem uma fotografia ao Museu Royal Tyrrell, ficaram a saber …