A palavra “pandemia” não consta nos contratos de PPP dos hospitais. Estado pode ter de pagar

João Relvas / Lusa

Hospital de Vila Franca Xira

A palavra “pandemia” não consta nos contratos de parceria-público privada (PPP) dos hospitais de Loures, Cascais e Vila Franca de Xira. 

Especialistas em Direito Público ouvidos pelo semanário Expresso consideram que, apesar de a palavra “pandemia” não constar nos contratos dos hospitais em PPP, a situação atual é um acontecimento que se enquadra nos acontecimentos de “força maior”. Por esse motivo, o Estado pode ter que pagar mais aos privados se estes tiverem que suportar custos substanciais com o tratamento de doentes infetados com o novo coronavírus.

No caso de uma procura excecional da urgência por causa da gripe, por exemplo, o hospital tem que assumir esse risco, o que significa que o Estado não fica obrigado a pagar mais mesmo que a sociedade gestora tenha mais encargos com a operação.

Pelo contrário, no caso de um fenómeno como uma doença que assume proporções de pandemia, o enquadramento é feito numa cláusula que determina as situações de “força maior” que podem impactar de forma negativa no contrato.

Nesta cláusula é determinado que “são considerados factos de força maior os eventos imprevisíveis e irresistíveis, exteriores às entidades gestoras e independentes da sua vontade e atuação, ainda que indiretos, nomeadamente atos de guerra ou subversão, radiações atómicas, fogo, raio, inundações catastróficas, ciclones, tremores de terra e outros cataclismos naturais que, comprovadamente, impeçam ou tornem mais oneroso o cumprimentos das suas obrigações contratuais e que tenham um impacto direto negativo sobre o contrato”.

A verdade é que, face à pandemia de covid-19, estamos perante “um evento imprevisível, logo não previsto no momento em que os contratos foram celebrados, e, concomitantemente, de um evento irresistível, isto é, de um evento que não se consegue impedir, quer dizer, que é incontrolável pela entidade privada“, justifica Pedro Melo, sócio na Miranda onde atua na área de Direito Público e Regulatório.

Quanto a um eventual reequilíbrio financeiro a favor da sociedade gestora, Pedro Melo explica que se trata de uma hipótese que depende de uma análise criteriosa. O Estado só é chamado a pagar mais aos privados se os contratos registarem um “desequilíbrio substancial” – um “desequilibro marginal” não dá esse direito. Isto significa que tudo dependerá dos prejuízos que o privado seja capaz de demonstrar.

O Ministério da Saúde disse ao matutino que a questão do enquadramento de uma situação de pandemia nos contratos de PPP e eventuais custos excecionais que os privados possam vir a ter por causa do novo coronavírus “ainda não foi ainda colocada pelas partes no âmbito da execução dos contratos de gestão em parceria público-privada”.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. A forma como são redigidos estes contratos que o estado faz para as parcerias público privadas(PPP) é incontornável. Enquanto os privados se apoiam em experts, utilizando redações dúbias suscetíveis de várias interpretações, o estado assina de cruz e as consequências estão à vista. Para que servem as PPP na saúde? A quem aproveitam? Vamos investir no SNS porque esse é que nos vale em situações de “força maior” que provavelmente a partir de agora estarão mais presentes nas nossas vidas e nós estaremos cada vez mais pobres para as enfrentarmos.

  2. Há uma ideia tonta generalizada que os privados têm uma torneira que basta abrir e sai dinheiro. Pergunto eu: estão os médicos, enfermeios, administrativos e todas as pessoas que trabalham nos hospitais privados dispostos a não receber, isto é, a fazer trabalho voluntário? Os hospitais privados têm custos que obviamente terão de pagar. Os médicos, enfermeiros e restante pessoal dos hospitais privados que eu saiba também têm direito a comer! Alguém tem de pagar. Se vão ter de trabalhar mais horas, fazer turnos em cima de turnos, estão à espera que o façam de graça quando os do público não o fazem?!!!
    Se os hospitais privados prestam um serviço ao Estado por que raio de razão é que não deveriam cobrar por isso?! Até estranharia se o náo fizessem. Algo seria no mínimo estranho.
    Não se compreende esta mentalidade.

RESPONDER

Marcelo pede que não se passe do "8 para o 80" e alerta para imagem do país

O Presidente da República reiterou hoje o apelo à população para que não se passe “do 8 para o 80” nas medidas de prevenção da covid-19, alertando para os riscos da imagem do país “cá …

Só metade das crianças deverá voltar ao pré-escolar esta segunda-feira

As crianças em idade pré-escolar regressam esta segunda-feira aos jardins de infância, que voltam a funcionar com novas regras, depois de encerradas durante mais de dois meses, devido à pandemia da covid-19. Apesar do regresso, que …

Dois astronautas (e um dinossauro de peluche) chegaram à EEI à boleia da SpaceX

Para além dos astronautas Doug Hurley e Bob Behnken, seguia a bordo da Crew Dragon um dinossauro de peluche com lantejoulas. E há uma explicação para isso. Este sábado, o foguetão Falcon 9, da SpaceX, fez …

Pescadores já podem capturar sardinha, mas recuo no consumo é uma preocupação

Os pescadores voltam a poder capturar sardinha, a partir desta segunda-feira, e até 31 de julho, com limites diários e semanais, segundo um despacho publicado em Diário da República. De acordo com o diploma, assinado pelo …

Madeirense contesta quarentena obrigatória em Tribunal (e há uma sentença que lhe dá razão)

Uma cidadã madeirense que chegou no domingo à Madeira e recusa cumprir quarentena num hotel entregou um pedido de ‘habeas corpus’ no Juízo de Instrução Criminal do Tribunal do Funchal. A acompanhar o pedido está …

Idade é o maior factor de risco para se ser internado ou morrer de covid-19

As pessoas com idades entre os 70 e os 79 anos infetadas pelo novo coronavírus têm uma probabilidade de ser internadas em cuidados intensivos 10,4 vezes superior à de uma pessoa até aos 50 anos. Os …

Turismo de Portugal tem 10 milhões para apoiar campanhas de empresas que promovam o país

O Turismo de Portugal tem dez milhões de euros, que vão servir para financiar iniciativas “de valorização, inovação e promoção do destino Portugal” até 2025. A dotação de dez milhões de euros, aprovada por despacho de …

"Perdi quase tudo no casino." Daniel Kenedy explica adeus ao futebol com o vício

O ex-futebolista Daniel Kenedy, que passou por clubes como Benfica, FC Porto, Marítimo e Sporting de Braga, revela que perdeu "quase tudo" no casino por causa do vício do jogo, apontando este problema como uma …

Bolsonaro apela a "intervenção militar" e deixa ameaça de golpe de Estado

Jair Bolsonaro e o seu filho Eduardo atacam a separação de poderes em reação às investigações da Justiça. O Presidente brasileiro aludiu a uma "intervenção militar pontual". A cena política no Brasil está cada vez mais …

Uso de máscara obrigatório durante os exames nacionais, que podem durar mais de duas horas

Os alunos do ensino secundário que este ano realizem exames nacionais terão de estar durante toda a prova com a máscara de proteção pessoal. O uso de máscara, que se tornou obrigatório no regresso às …