Países democráticos são dos que menos acreditam na democracia (e Portugal é o terceiro da lista)

Miguel A. Lopes / Lusa

Um estudo da fundação dinamarquesa Aliança de Democracias revelou que os portugueses são dos que menos acreditam que a sua voz interessa na política, num panorama em que os cidadãos de todo o mundo se mostram cada vez mais descontentes com a democracia.

Segundo informou o Público na terça-feira, Portugal é o terceiro país do mundo que menos se sente representado pelo seu Governo e onde os cidadãos menos sentem que a sua voz faz diferença em termos políticos.

Esta é uma das conclusões de um estudo da Fundação Aliança de Democracias (Rasmussen Global) e do centro de sondagens alemão Dalia Research feito a 50 países, que confirma: aos olhos dos cidadãos, os governos de todo o mundo estão a falhar e a desconfiança nas democracias é maior nos países democráticos do que nos que não são.

Neste Índex de Percepções Democráticas 2018, que se intitula o maior estudo do mundo sobre a confiança nos governos, confirmou-se a tendência de que “as democracias estão a perder os corações e as cabeças dos seus cidadãos”.

“A maioria das pessoas que vive em democracias está desiludida com a ideia de que o seu Governo é formado pelo povo e trabalha para o povo”, lê-se na introdução do estudo, que ouviu 125 mil pessoas de 50 países de todo o mundo, democráticos e não democráticos, numa amostra representativa de 75% da população e da economia mundiais.

“Neste momento, o maior risco para as democracias é que o público não as considera mais democráticas”, comentou no estudo o diretor executivo da Dalia Research, Nico Jaspers, referindo-se a um dos dados, segundo o qual 64% das pessoas estão insatisfeitas com a própria democracia em que vivem, porque consideram que o seu Governo “raramente” ou “nunca” age de acordo com o interesse público.

José Coelho / Lusa

António Costa e o seu Governo

A pesquisa baseia-se em duas perguntas centrais: os cidadãos sentem que o seu Governo age em representação do interesse público? E consideram que a sua voz conta em política?

São as pessoas que vivem em regimes não-democráticos que mais consideram que os seus Governos agem em função do seu interesse: 41% comparado com os 64% de insatisfação nas democracias. O país onde a insatisfação é mais baixa é na Arábia Saudita, onde apenas 15% pensa que o seu Governo “nunca” ou “raramente” age no seu interesse.

Nas respostas, Portugal é um dos países onde os cidadãos dizem que o Governo “raramente” ou “nunca” age em função dos seus interesses. O país que lidera a lista, com 80% de respostas nesse sentido, é o Quénia, que não é democrático, tal como a Nigéria, que surge com 68% de insatisfação na representação.

Mas a maioria dos povos mais insatisfeitos vive em democracias e, neste campo, à frente de Portugal, onde 71% dos inquiridos considera que o Governo nunca ou raramente age em função dos interesses das pessoas, surge apenas a Áustria (73%). Seguem-se a Suécia (70%), a Polónia (68%), a Dinamarca (69%), a Bélgica, o Japão, a Irlanda, a Itália e o Canadá (todos com 67%).

Quanto à segunda questão, são os japoneses os que menos consideram que a voz do povo conta (74%), seguidos pelos polacos (63%). Portugal tem os mesmos 62% de respostas que a França e a Áustria no sentido de “raramente” ou “nunca” ser levada em conta a sua voz​, ficando, portanto, em terceiro lugar nos dois rankings.

Os países nórdicos e do Norte da Europa, habitualmente considerados os mais democráticos, vêm logo a seguir. Na Noruega, Alemanha e Holanda, 60% dos cidadãos não acreditam que a sua voz conte, o que acontece com apenas metade dos britânicos e 49% dos norte-americanos.

O impacto da banca nas democracias europeias

A maioria dos europeus acha que os bancos e o setor financeiro tiveram um impacto negativo sobre a democracia nos seus países, sendo a Grécia a mais crítica, uma década depois de uma crise da dívida que levou muitos gregos à pobreza. Globalmente, 52% dos inquiridos afirmaram não sentir que o seu país esteja preparado para outra crise financeira.

Na Europa, os mesmos 52% acham que a União Europeia (UE) não age no interesse da maioria dos europeus, sendo as maiores críticas oriundas da Itália, França e Grécia. Na Itália, onde partidos eurocépticos venceram as eleições do ano passado e agora estão no Governo, 69% acham que as decisões da UE não representam os interesses da população.

Este estudo surge numa altura em que os 28 líderes da UE decidem sobre os principais cargos das instituições europeias, num processo criticado por alguns por não ser suficientemente democrático e transparente.

Andy Rain / Epa

Nos Estados Unidos (EUA), onde as eleições presidenciais de 2020 estão em crescendo, 46% dos entrevistados disseram que o seu país é democrático e 40% disseram que não é democrático o suficiente.

Mais da metade dos americanos entrevistados disseram que os EUA tiveram um impacto positivo sobre a democracia em todo o mundo, embora a maioria dos países ocidentais, como o Canadá e a maior parte da Europa, tenha sentido que o impacto foi negativo.

Mais de 40% das pessoas entrevistadas nos EUA, no Canadá e na Áustria, entre outros países, consideram que as redes sociais, como Facebook e Twitter, tiveram um impacto negativo na democracia.

TP, ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Ver os nórdicos insatisfeitos com a democracia/governos e os da Arábia Saudita muito satisfeitos, é mesmo muito interessante…

  2. … este tipo de Democracia usada na UE e Portugal claro é uma Democracia com cheiro a podre, Democracia Neofascista que só serve aos senhores que dizem que a UE é democrática, até os cães comem políticos deste gabarito em estado de decomposição tipo abutres.

RESPONDER

Crianças inspiram Lego a livrar-se de todas as embalagens de plástico

As peças da Lego podem acabar no oceano durante mais de mil anos, mas os fabricantes dinamarqueses estão a tentar tornar a empresa ecologicamente correta. Na sua última promessa, a Lego vai começar a usar sacos …

Uma cidade chamada "amianto" está a tentar mudar o nome (e a discussão tornou-se tóxica)

Há uma cidade no Canadá chamada Asbesto - um material de construção altamente tóxico. Os habitantes da cidade não estão felizes com este nome, mas a sua mudança também não está a ser fácil. De acordo …

FC Porto 3-1 Braga | Entrada de “dragão”

O FC Porto iniciou a defesa do título nacional com uma vitória importante sobre o Sporting de Braga por 3-1. Os minhotos marcaram primeiro no Dragão, por um ex-portista, mas os descontos do primeiro tempo foram …

Barco navega em forma de coração para agradecer aos habitantes da Nova Escócia

A escuna Bluenose II navegou de forma bastante original no último dia da temporada de 2020. A rota seguida criou a forma de um coração no porto de Lunenburg, na Nova Escócia. De acordo com o …

França bate recorde com 13.498 novos casos. Espanha não vai confinar

A França registou este sábado um recorde diário de casos de covid-19, com 13.498 novos infetados nas últimas 24 horas, anunciou a Agência Nacional de Saúde, acrescentando que, no mesmo período, morreram mais 26 pessoas. No …

Diogo Jota no Liverpool

O Liverpool oficializou hoje a contratação do futebolista internacional Diogo Jota, de 23 anos, num contrato “de longa duração”, sem especificar a duração. A imprensa inglesa tem adiantado que o jogador vai assinar por cinco épocas, …

Companhia aérea australiana oferece voos de 7 horas (para lugar nenhum)

A companhia aérea australiana Qantas anunciou recentemente planos para um voo panorâmico de sete horas que fará um loop gigante em Queensland e Gold Coast, New South Wales e os remotos centros do interior do …

Barack Obama vai publicar um livro de memórias (mas só depois da eleições de novembro)

O livro de memórias do antigo Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, só vai ser publicado depois das eleições presidenciais de novembro. Uma enxurrada de livros políticos chegou às prateleiras nas últimas semanas, no final da …

Confrontos em Londres entre polícia e opositores das restrições devido à pandemia

A polícia de Londres, Inglaterra, entrou hoje em confronto com manifestantes que protestavam contra as restrições que visam conter a disseminação do novo coronavírus. De acordo com a agência Associated Press (AP), os confrontos ocorreram quando …

Milhares infetados por bactéria após fuga em fábrica farmacêutica chinesa

Milhares de pessoas no noroeste da China contraíram uma doença bacteriana depois de uma fuga que causou um surto numa biofarmacêutica no ano passado. De acordo com a CNN, que cita relatos dos media locais, mais …