Novo método permite que painéis solares produzam mil vezes mais energia

Um novo método permite que os painéis solares produzam mais energia do que é habitual. A técnica passa pelo uso de cristais ferroelétricos, em vez de silício.

Os investigadores da Martin Luther University Halle-Wittenberg (MLU) descobriram que, com camadas cristalinas de titanato de bário, titanato de estrôncio e titanato de cálcio, colocadas alternadamente, é possível aumentar a eficiência dos painéis solares.

A produção de energia dos cristais ferroelétricos em painéis solares pode ser aumentada graças a uma inovação que envolve a monitorização de camadas finas dos materiais, revela a MLU em comunicado.

A maioria dos painéis solares é feita de silício devido ao seu baixo custo, porém, os limites da eficiência geral do material levaram os especialistas a fazer experiências com novos materiais, incluindo cristais ferroelétricos.

Um dos benefícios destes cristais é que estes não requerem uma Junção PN, escreve o Interesting Engineering.

No entanto, por exemplo, o titanato de bário puro, um dos cristais ferroelétricos testados pelos cientistas da MLU, absorve pouca luz solar – o que é uma clara desvantagem.

Porém, o problema pode ser resolvido. Ao fazer experiências com diferentes combinações de materiais, os cientistas descobriram que podiam juntar camadas extremamente finas de diferentes materiais para aumentar significativamente a produção de energia solar.

“O importante é que um material ferroelétrico é alternado com um material paraelétrico. Embora este último não tenha cargas separadas, pode tornar-se ferroelétrico sob certas condições, por exemplo, em baixas temperaturas ou quando a sua estrutura química é ligeiramente modificada”, refere Akash Bhatnagar, do Centro de Competência de Inovação SiLi-nano da MLU.

Bhatnagar e a sua equipa incorporaram titanato de bário entre titanato de estrôncio e titanato de cálcio, vaporizando os cristais com um laser de alta potência. Depois voltaram a colocá-los em substratos de transporte. O material resultante era composto por 500 camadas e tinha 200 nanómetros de espessura.

Os especialistas descobriram que o seu material em camadas permitia um fluxo de corrente 1.000 vezes mais forte do que o medido em titanato de bário puro de espessura equivalente.

“A interação entre as camadas da rede parece levar a uma permissividade muito maior – por outras palavras, os eletrões são capazes de fluir com muito mais facilidade devido à excitação dos fotões de luz”, explicou Bhatnagar.

A equipa também mostrou que as medições permaneceram quase constantes ao longo de um período de seis meses, o que significa que o material pode ser robusto o suficiente para aplicação comercial.

Posteriormente, a equipa irá continuar a pesquisar a causa exata do efeito fotoelétrico no material colocado em camadas. O objetivo é uma eventual implantação em massa.

O trabalho pretende fazer parte de uma potencial revolução em materiais ferroelétricos, com possíveis aplicações em memória de computadores e outros dispositivos eletrónicos.

O estudo foi publicado na revista Science Advances.

ZAP //

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Título da notícia completamente enganador.
    Uma leitura pelo corpo da notícia e os 1000 vezes mais é a proporção de uma combinação de materiais em camada, relativamente a um dos material em estudo (titanato de bário, utilizado sozinho).
    É o mesmo que eu dizer que consegui fazer uma máquina que é 1000 vezes melhor que outra máquina (que eu também fiz e que é péssima).

    Aliás é completamente impossível melhorar a eficiência dos painéis solares tradicionais nessas ordens de grandeza (1000 vezes corresponde a 100 000%).
    Os painéis comercializados actualmente têm uma eficiência de cerca de 15% (relação entre a energia solar recebida pelo painel e a energia eléctrica produzida).
    Qualquer avanço que consiga eficiências de 20 a 25% (a preços competitivos) seria revolucionário.

      • A notícia é sobre o estudo de novos materiais que têm potencial para serem usados em painéis fotovoltaicos.
        O “1000 vezes melhor” é em comparação com os próprios materiais em estudo.

        Não existe nenhum método novo.
        Aliás, a palavra “método” só existe no título e sub-título. No corpo da notícia não existe.
        Já a palavra “material”, ou “materiais”, é referida 12 vezes.

        • Caro leitor,
          Obrigado pelo seu comentário.
          Em resposta ao comentário “Título da notícia completamente enganador”, salientámos que o título refere “método” e não “material”.
          No corpo da notícia, naturalmente, são referidos os diversos materiais usados no método.
          Mas a única referência a uma “eficácia 1000 vezes superior” é na frase “o seu material em camadas permitia um fluxo de corrente 1.000 vezes mais forte “, ou seja, um método e não um material específico.
          E toda a notícia é focada nas combinações de materiais e tratamentos usados no processo, da qual resulta a eficácia referida.

RESPONDER

Inteligência Artificial está a "alimentar" a violação dos direitos humanos, alerta ONU

Num novo relatório, a Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os países que o uso imprudente de Inteligência Artificial (IA) pode estar a pôr em causa o respeito pelos direitos humanos. Michelle Bachelet, Alta Comissária das …

Foi viajar e não voltou. O misterioso desaparecimento de Gabby Petito (e do namorado)

Gabrielle Petito, uma jovem norte-americana de 22 anos, desapareceu misteriosamente. Gabby foi viajar com o namorado, que voltou para casa sozinho e não quis contar o que aconteceu — e agora também está desaparecido. Gabby Petito, …

Aos 101 anos, Ginny é a "Senhora Lagosta" e não planeia reformar-se

Virginia Oliver continua a trabalhar na pesca da lagosta, apesar de já ter 101 anos de idade. 'Ginny' não planeia reformar-se e já se tornou um meme na internet. Virginia 'Ginny' Oliver tem 101 anos e …

Dinamarca. Reclusos condenados a prisão perpétua proibidos de iniciar novos romances

Os reclusos que cumprem prisão perpétua na Dinamarca serão proibidos de iniciar novos relacionamentos amorosos, decisão proposta pelo governo após uma jovem de 17 anos se apaixonar por Peter Madsen, que assassinou a jornalista Kim …

Casal queria que o seu filho se chamasse Vladimir Putin. A Suécia não deixou

Na Suécia, os pais são obrigados a comunicar os nomes dos seus filhos recém-nascidos ao Skatteverket nos primeiros três meses a partir do nascimento. Um casal sueco, que vive na cidade de Laholm, foi proibido pela …

44 jogos seguidos sem ganhar. Mas o presidente não está preocupado

O Atlético Mogi não vence qualquer jogo oficial há mais de quatro anos. Perdeu em 42 desses 44 duelos. 17 de Junho de 2017 foi o último dia em que o Atlético Mogi venceu um jogo …

Autárquicas: António Costa promete que os municípios terão mais mil milhões de euros

O secretário-geral do PS, António Costa, indicou hoje, em Celorico de Basto, no distrito de Braga, que os municípios “vão passar a ter, a partir de abril, mais mil milhões de euros que acompanham a …

Mais de trinta anos após ter sido lançada ao mar no Japão, mensagem em garrafa é encontrada no Hawaii

Durante uma viagem ao Hawaii, uma jovem de apenas 9 anos encontrou uma garrafa que foi lançada ao mar há mais de trinta anos. Esta continha uma mensagem que, posteriormente, acabou por revelar uma experiência …

Mais 939 infeções, sete mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 939 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, sete mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos. De acordo com o boletim epidemiológico da …

Milionário norte-americano Robert Durst condenado por matar melhor amiga

O milionário norte-americano Robert Durst, tornado famoso por um documentário do canal HBO, foi condenado na sexta-feira num tribunal de Los Angeles, nos Estados Unidos, por matar a melhor amiga, um crime que remonta a …