Os japoneses não estão a fazer sexo e ninguém sabe porquê

No final de fevereiro de 2016, a Agência de Recenseamento do Japão anunciou que a população sofreu um declínio líquido, a registar mais mortes do que nascimentos, pela primeira vez desde 1920.

Os japoneses estão a fazer menos sexo do que nunca. Alguns autores ocidentais estão tão surpreendidos com este facto que chegam mesmo a perguntar por que motivo os jovens japoneses pararam de fazer sexo.

Em 2011, o Instituto Nacional de População e Pesquisa da Segurança Social do Japão publicou os seguintes dados: 61% dos homens solteiros e 49% de mulheres entre os 18 e os 34 anos não mantêm relações íntimas. O grande número de virgens no Japão deixou as autoridades do país muito preocupadas.

Afinal, os japoneses fazem sexo com que frequência? Mais sexo poderia ajudar a melhorar a taxa de natalidade do país?

É oficial: população está em declínio

Em primeiro lugar, consideremos o declínio da população japonesa. Nos últimos cinco anos (o Japão realiza um censo completo a cada 10 anos e uma contagem parcial a cada cinco anos), a população do país diminuiu cerca de 0,7% (em torno de 950.00 pessoas) passando a 127,1 milhões.

Em 2015, quase um terço da população japonesa tinha mais de 65 anos. A projeção para 2050 é que aproximadamente 40% dos japoneses terão mais de 65 anos.

Para piorar o futuro populacional do Japão, a taxa de fecundidade do país tem sido cerca de 1,41 nascimento por mulher, abaixo da “taxa de substituição da população”, que é de aproximadamente 2,1 – o número médio de filhos por mulher para substituir a população durante quase quarenta anos, desde a década de 1970.

Na verdade, o anúncio feito este mês pela agência de recenseamento sobre o declínio líquido da população já havia sido previsto há algum tempo.

O Japão não é o único país do mundo a experimentar este fenómeno. Na Alemanha, a fertilidade permanece abaixo de 1,5 criança por mulher desde 1975, enquanto o Banco Mundial aponta que a região Ásia-Pacífico está a envelhecer mais rapidamente que qualquer outro lugar.

Ou seja, o envelhecimento populacional é um desafio global que não é exclusivo do Japão. O governo Abe pretende “estabilizar” a população do Japão em 100 milhões,  incentivando as mulheres a ter mais filhos e a melhorar a taxa de crescimento populacional.

O principal problema do Japã o(está provado, diz a sabedoria popular) é que os japoneses não estão interessados em fazer sexo.

A “síndrome do celibato” existe ou é invenção?

A imagem do país está frequentemente ligada à ideia de que os japoneses não estão a fazer sexo. Afinal, a “síndrome do celibato” do Japão existe mesmo ou é invenção dos meios de comunicação estrangeiros?

No Japão, há até um nome para apelidar este fenómeno: “síndrome do celibato” (セックスしない症候群). Curiosamente, o verbete da Wikipédia para esta expressão cita um artigo de 2013, do The Guardian, como a principal fonte do termo.

Um artigo em japonês sobre a “síndrome do celibato” começa com uma referência a um documentário de 2013, da BBC, intitulado “Nada de sexo, por favor, somos japoneses”.

A maioria dos resultados de busca para “セックスしない症候群” parecem ter ocorrido ao longo de 2013, e os artigos em língua estrangeira, por exemplo, no Huffington Post e no China’s People’s Daily Online, superam os resultados em língua japonesa.

Pesquisa da Durex ainda tem peso

A ideia pode ter origem no método de referência utilizado numa pesquisa sobre sexo, “Sexual Wellbeing Global Survey”, realizada pela fabricante de preservativos Durex, em 2006 e 2007.

Esta pesquisa, que já tem quase uma década, contou com 26.000 participantes, com 16 anos ou mais, em 26 países, e avaliou os hábitos sexuais de cada um. Apesar de ter mais de 10 anos, os resultados da pesquisa continuam a ser reutilizados ano após ano pelos meios de comunicação, tanto ocidentais como japoneses.

Por exemplo, num artigo de 2014, da edição on-line da revista Toyo Kezai, Sechiyama Kaku, um professor na Universidade de Tóquio, cita o estudo da Durex de 2006/07 para argumentar que “o Japão tem a mais baixa frequência sexual do mundo”.

No estudo da Durex, os japoneses responderam que faziam sexo 45 vezes por ano, o número mais baixo entre todos os 41 países que participaram na pesquisa.

Dito isto, um relatório japonês mais recente, e ainda pouco conhecido, parece confirmar as conclusões da Durex sobre a libido do Japão. Na verdade, a Sagami, empresa líder no mercado de preservativos no Japão, realizou a sua própria pesquisa sobre sexo em 2013.

O autor de um blogue, Yuta Aoki, resumiu os resultados da sondagem da Sagami. Aoki aponta que a pesquisa mais recente parece confirmar a conclusão da Durex: os japoneses não fazem mesmo muito sexo.

“Casamentos assexuados” japoneses

Aoki salienta que a sondagem da Sagami indica que as pessoas que estão em relacionamentos sérios no Japão (Durex examinou pessoas sexualmente ativas) podem estar a fazer sexo bem menos do que 45 vezes por ano. Um estudo de 2006, feito pela Bayer, mostrou que os casais japoneses, em média, fizeram sexo apenas 17 vezes por ano.

Além disso, o estudo da Sagami descobriu que 55,2% dos casais se consideravam assexuados. Nos últimos anos, o “casamento assexuado” transformou-se num tema muito debatido no Japão.

Um levantamento feito pela Associação Japonesa de Planeamento Familiar revelou que a maioria dos homens casados estavam muito ocupados ou cansados do trabalho para fazer sexo. As mulheres relataram que o sexo era uma atividade “muito enfadonha”.

No entanto, o interessante sobre o estudo da Sagami, relata Aoki, é que, em geral, as pessoas no Japão não têm aversão ao sexo: 58% das mulheres e 83% dos homens solteiros entre 20 e 30 anos dizem que querem fazer sexo.

Mesmo havendo uma variedade de razões pelas quais algumas pessoas no Japão vivem sem sexo, a aversão não é uma delas.

Fazem sexo, mas não com as suas parceiras

É importante salientar que no contexto do levantamento da Sagami, casais que relataram estar num casamento “sem sexo” estavam a referir-se apenas aos parceiros daquele relacionamento. No país, pouco se fala sobre sexo extraconjugal ou sexo pago.

De acordo com várias pesquisas, entre 10 e 20% dos homens e metade desse percentual de mulheres admitiram ter tido sexo extraconjugal (不倫, furin). Isto significa que, mesmo que os japoneses estejam em relacionamentos sem sexo, não é correto dizer que não fazem sexo.

Além disso, muitos homens casados no Japão fazem uso da milionária indústria do sexo do país de 5 mil milhões de dólares (5兆6,884億 円). Certamente, no Japão, uma significativa parcela de homens heterossexuais casados está a pagar para ter sexo.

Pagar por sexo

Uma significativa minoria dos homens japoneses heterossexuais casados pode estar a pagar por sexo. De acordo com a Agência Nacional de Polícia do Japão, APN, em 2011, houve mais de 29.000 negócios ligados à indústria do sexo no país (性風俗関連特殊営業, seifuzokukanrentokushueigyo), 10.000 a mais que em 2007.

O comércio do sexo no Japão consiste numa variedade de estabelecimentos e empresas, incluindo bordeis, casas de massagem, agências de acompanhantes e serviços de encontros pagos.

Numa sonfagem conduzida pela MiW, uma comunidade que fornece apoio a pessoas cujos parceiros tem sexo extraconjugal, 23% dos homens casados entrevistados em Tóquio disseram que tinham pago por sexo. Um outro levantamento feito pelo Centro Nacional de Educação Feminina do Japão chegou à conclusão de que 40% dos homens japoneses pagam por sexo.

Assim, embora a “síndrome do celibato” no Japão possa existir, talvez ocorra apenas entre casais heterossexuais em relacionamentos duradouros.

Impacto no declínio da taxa de natalidade

Uma nova política do Governo Abe está a fazer com que as mulheres japonesas enfrentem duplos ou triplos dilemas: as mulheres estão a ser incentivadas a ter mais filhos para aumentar a taxa de natalidade do país e reduzir o lento declínio populacional.

Espera-se ainda que essas mesmas mulheres cuidem dos filhos e dos familiares idosos. Dessa forma, mesmo que mais sexo signifique uma taxa de natalidade mais elevada, para as mulheres japonesas poderia significar apenas mais trabalho e até menos tempo livre do que têm agora.

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Quando passam a vida a dizer que as imagens do sexo da mulher e homem são grotescos e nojentos décadas pode acontecer isto.

  2. Não sabe?
    Basta olhar para a cultura deles para perceber!…
    Os japoneses são meios apalermados (parecem robots, com pouca interacção social), e preferem desenhos animados, pokemon’s ou tamagochi’s ao sexo!…
    Nada de novo…

  3. Os japoneses não estão a fazer menos sexo, estão a ter menos filhos, isto é diferente, basta uma relação para fazer um filho e no caso de ejaculação fora de uma relação pode se gerar vários filhos, o problema é que o Japão não é o paraíso que aparece nas propagandas e os japoneses sabem bem disto e não querem transmitir aos filhos a miséria da existência deles.

  4. Fazem bem, também ter filhos para serem escravos, passando a vida a trabalhar, insatisfeitos com contas e dívidas para pagar, nem vale a pena.

  5. cá para mim é enviar uma ou duas ( não é preciso mais ) escursões de tugas ( portugueses) até ao japão que eles vão vêr , quantas vão ficar pranhas em pouco tempo, dá cá a mão até eu ia…

    • Como se a taxa de natalidade de Portugal fosse altíssima. Ahahahahaha.
      Vcs estão sendo substituídos por africanos, chineses e indianos.

  6. Incrível como um povo que, no passado, era detentor de uma riquíssima cultura erótica, chegou a este ponto confrangedor. O que vale é que no Japão não há cá “invasões islâmicas”, senão estavam tramados. Deve ser um conjunto de vários factores, entre os quais a aculturação ocidental pós-1945, e a crescente alienação causada pelo trabalho compulsivo e pela era digital.

  7. Se muitos não fazem de graça mas pagam para fazer é porque querem fazer “coisas” que as esposas não aceitam, penso eu de que. A China tem controlo de natalidade, o Japão poderá vir a ter, mas na forma inversa. A minha esposa engravidou após 3 meses e ficou dentro da média. Para recuperar a natalidade os japoneses vão ter que sofrer muito, lol.

  8. Sexo e natalidade são coisas bem diferentes…
    Nao sei se já reparou, mas nos países civilizados as pessoas normalmente usam vários métodos contraceptivos para fazer sexo sem haver gravidez.
    .
    E o maior numero de estrangeiros em Portugal não são africanos, chineses ou indianos – são, de longe, os brasileiros!

RESPONDER

Não há qualquer hipótese de resgatar os corpos dos 44 tripulantes do ARA San Juan

O ministro de Defesa da Argentina, Oscar Aguad, afirmou este domingo que não há tecnologia capaz de resgatar do mundo do mar o submarino ARA San Juan, localizado este sábado a 900 metros de profundidade …

Talvez os neandertais não fossem tão brutos como se pensava

Apesar de vários esqueletos de neandertais terem sido encontrados com ferimentos graves na cabeça e no pescoço, um novo estudo sugerem que não fossem tão violentos como se pensava. Na verdade, os níveis de lesões cranianas …

A galáxia mais brilhante do Universo é "canibal"

A galáxia mais brilhante já descoberta no Sistema Solar, a W2246-0526, localizada na constelação Aquarius, devorou não duas mas três das suas galáxias-satélites, o que pode explicar a sua forte luminosidade. De acordo com um novo …

Picasso roubado há 6 anos na Holanda terá sido encontrado sob uma árvore na Roménia

Procuradores romenos estão a investigar se um quadro que apareceu este sábado na Roménia é o mesmo que há seis anos foi roubado de um museu da Holanda, noticiou a agência de notícias Associated Press. A …

O colossal drone solar da Boeing vai voar em 2019

A Aurora Flight Sciences, subsidiária da Boeing, vai lançar em 2019 o seu drone solar Odysseus, que terá a capacidade voar durante meses de forma autónoma e o objectivo de dar acesso Internet a todo …

Justiça brasileira proíbe TV de divulgar inquérito sobre morte de Marielle Franco

A decisão judicial de proibir a emissão de reportagens sobre a investigação do assassinato da vereadora carioca responde a um pedido da polícia do Rio de Janeiro e do Ministério Público. A emissora afirma que …

Relatório revela 71 locais com elevado risco de inundações em Portugal

Portugal tem 71 zonas com elevado risco de inundação, de acordo com um relatório da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) que analisou fenómenos extremos ocorridos, fazendo previsões para o futuro. O relatório "Avaliação Preliminar do Risco …

Cinco pessoas mortas por intoxicação de CO em Vila Real

Cinco pessoas da mesma família morreram este domingo, devido a uma intoxicação, no concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real, adiantou à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Vila Real. A …

O discurso de ódio já está em Portugal

O diretor da Amnistia Internacional Portugal, Pedro Neto, alertou, em entrevista à agência Lusa, para a presença do discurso de ódio em Portugal, apontando o combate à discriminação como o maior desafio atual dos direitos …

Menino francês suicida-se após castigo por usar telemóvel na escola

Um menino de 11 anos suicidou-se na cidade de Beausoleil, perto do Mónaco, no sul da França, depois de ter recebido um castigo no colégio por ter usado o telemóvel na sala de aula. A criança, …