Oposição interna do BE critica direção e “perda de influência política” (e prepara moção)

Tiago Petinga / Lusa

O Movimento Convergência, uma fação informal do Bloco de Esquerda, está a preparar uma moção para levar a debate na XII Convenção Nacional do partido. 

Em causa estão, de acordo com o jornal Público, a insatisfação com a estratégia de Catarina Martins nos últimos dois anos, a “desvalorização das estruturas” da base bloquista, a “perda de influência política” e os resultados eleitorais das eleições legislativas e presidenciais.

Em 14 páginas, o Movimento Convergência, uma fação informal do Bloco de Esquerda, destaca os tópicos que espera ver espelhados na estratégia a assumir pelo partido nos próximos dois anos, critica a falta de oposição do BE com base numa “agenda autónoma” e sublinha que há muito se impunha “um novo conjunto de propostas”.

O grupo bloquista considera que a direção não soube confrontar politicamente o PS antes das eleições legislativas, o que deu aos socialistas a possibilidade de “capitalizar a mensagem da estabilidade”.

Além disso, os bloquistas não ficaram convencidos com o voto contra no último Orçamento do Estado (OE2021), que “manteve a ambiguidade que vinha de trás” e arrastou “até ao limite” a decisão de votar contra.

Para o Movimento Convergência, o Bloco de Esquerda falhou no compromisso traçado na última convenção de “ser força de Governo, com uma nova relação de forças”, e para “reajustar” a estratégia propõe dois pilares: “enfrentar o empobrecimento; polarizar à esquerda”.

Com cerca de 500 apoiantes, o documento menciona uma inexistência de um diálogo com as bases do partido e defende que o reforço do partido só é possível “incentivando uma militância crítica nas grandes campanhas políticas, e não apenas mera executora de tarefas ou angariadora de nomes quando há eleições ou em processo de Convenção”.

João Madeira, um dos autores da moção, disse, em declarações ao matutino, que é preciso “um balanço rigoroso”, com “capacidade de estabelecer diálogo” e que resulte em mais iniciativa política, “que o BE tem vindo a perder”.

Debate dos eixos programáticos lança autárquicas

O BE vai debater, no sábado, seis eixos programáticos para as autárquicas, às quais concorrerá com listas próprias e abertas a independentes, rejeitando coligações com a direita e o PS.

Na conferência autárquica online, o BE, que considera a política local “a primeira linha na resposta à crise”, lança o debate sobre estas eleições no partido liderado por Catarina Martins, que no mesmo dia fará um comício virtual para assinalar o aniversário do Bloco, cuja assembleia de fundação decorreu em 28 de fevereiro de 1999.

O documento a que a agência Lusa teve acesso, proposto pelo Grupo Autárquico e pela Comissão Política do BE, vai ser debatido e votado na conferência de sábado.

Responder à crise social e económica criada pela pandemia, garantir o direito à habitação, lutar pelo clima e mudar a mobilidade, combater as desigualdades sociais e reforçar os serviços públicos, defender a igualdade plena e democracia, transparência e combate à corrupção são as seis principais linhas pelas quais se vai reger o programa dos bloquistas para estas eleições.

Na introdução do documento, com quase 30 páginas, é recuperada a ideia já defendida nos tópicos da moção que a atual liderança bloquista vai levar à Convenção Nacional de maio, deixando claro que o partido se apresenta “em todo o país com listas próprias, abertas à participação de independentes e ponderará a renovação de coligações ou o apoio a movimentos de cidadãos com balanço positivo”.

O BE não realizará coligações pré-eleitorais com os partidos de direita e com o PS. Em cada executivo estará disponível para assumir todas as responsabilidades e contribuirá para a formação de maiorias que, excluindo os partidos de direita, assentem em compromissos sobre medidas fundamentais”, assegura.

Na perspetiva dos bloquistas, a crise pandémica evidenciou “a solidariedade e empenho das populações”. “A política local é a primeira linha na resposta à crise e não deixamos ninguém para trás”, promete.

O BE recusa ainda o “continuísmo que nada fez para travar o aumento das desigualdades” e “a política do ódio, que se alimenta do desespero e só acrescenta crise à crise”.

Entre as propostas para responder à crise provocada pela pandemia, além do aumento dos apoios sociais, garantia de segurança alimentar ou apoio ao comércio local, está a criação ou reativação das Comissões Sociais de Freguesia para “uma maior proximidade com as populações”.

O combate à precariedade nas autarquias, uma regionalização democrática que promova a coesão social e territorial e a reverter aquilo que apelidam de “Lei Relvas”, que em 2013 reduziu as freguesias, respeitando a vontade popular são alguns dos compromissos assumidos.

Em relação à habitação está o aumento substancial “do peso da habitação pública e torná-la mais justa e acessível utilizando em cada município o previsto no Programa Primeiro Direito e na Lei de Bases da Habitação”, para além de defender os inquilinos e travar despejos.

Nas questões climáticas, os bloquistas entendem como essencial que as autarquias contribuam para a redução da emissão de gases com efeitos de estufa, desde logo garantindo que os seus edifícios atingem a neutralidade climática em 2030.

Em matéria de transportes, é defendido que se continue a redução tarifária para chegar à gratuitidade e, para garantir a segurança das populações, o BE quer que sejam constituídos corpos municipais de bombeiros em todo o território municipal e a cobertura nacional das equipas de intervenção permanente 24 horas por dia.

Os autarcas do BE comprometem-se com a suspensão imediata das ações de despejo para reformados e pensionistas, independentemente dos anos em que tenha residido na habitação e a criação de gabinetes de apoio aos seniores.

Nas autárquicas de 2017, o BE teve um aumento expressivo de votos, conseguiu recuperar um vereador em Lisboa e eleger mandatos para autarquias inéditas, mas falhou a conquista de uma câmara, objetivo que havia sido traçado por Catarina Martins, ficando-se pelos 3,29% dos votos na contagem para as câmaras municipais.

Maria Campos Maria Campos, ZAP // Lusa

 

PARTILHAR

RESPONDER

Fim dos apoios às empresas acelera vaga de despedimentos

A pressão para pagar subsídios de férias e o fim da proibição de reduzir pessoal nos setores que tiveram ajudas vai potenciar uma vaga de despedimentos. O Jornal de Notícias ouviu advogados e associações sindicais que …

Camisola poveira

Vendas da camisola poveira disparam a nível mundial (e já há “uma Amazon” para a comprar)

A camisola poveira, peça de artesanato da Póvoa de Varzim, nunca se vendeu tanto como agora. As vendas dispararam à boleia da polémica apropriação do modelo pela estilista norte-americana Tory Burch que o comercializou como …

Xanana Gusmão dorme à frente de centro de isolamento em protesto (e é filmado a esbofetear pessoas)

Xanana Gusmão quer que o corpo de um homem vítima de covid-19 seja entregue à família para que faça as cerimónias fúnebres. O comportamento do líder histórico timorense, que se encontra em protesto, está a …

SEF oficialmente extinto. Serviço de Estrangeiros e Asilo entra em funções esta quinta-feira

O processo de reestruturação do SEF foi publicado em Diário da República, esta quarta-feira, entrando em vigor no dia seguinte, ou seja, esta quinta-feira. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) foi oficialmente extinto esta quarta-feira, …

União Europeia não vai renovar contrato com AstraZeneca e Johnson & Johnson

A União Europeia não vai renovar os contratos da vacina contra a covid-19 com empresas como Astrazeneca e Johnson & Johnson no próximo ano. A notícia da decisão de não renovação dos contratos da vacina contra …

Entre um Porto "dominante" e "ineficaz", a bicicleta de Taremi foi um "inútil golo de bandeira"

A imprensa internacional realça a boa prestação do FC Porto e o golo de bandeira de Taremi, que acabou por revelar-se insuficiente para dar continuidade às aspirações portistas. O FC Porto está fora da Liga dos …

Eventual criação do indicador "incidência vizinha" pode influenciar planos do Governo

Esta terça-feira, na reunião no Infarmed, o matemático Óscar Felgueiras defendeu a criação de um novo indicador, "incidência vizinha", que teria como vantagens sinalizar risco associado à proximidade de zonas mais críticas e evitar a …

Relatório secreto de Costa Pinto defende que Banco de Portugal podia ter feito mais no BES

O "Relatório Costa Pinto" argumenta que o Banco de Portugal tinha conhecimento dos problemas do BES e tinha poderes para fazer mais, melhor e mais cedo. O "Relatório Costa Pinto" tem vindo a ser negado ao …

Lopetegui viu Corona em Sevilha e pode avançar com proposta

Julen Lopetegui, treinador do Sevilha, está atento a Tecatito Corona. O extremo portista mostrou-se em bom plano frente ao Chelsea. O antigo treinador dos 'dragões' Julen Lopetegui, atualmente no comando técnico do Sevilha, esteve esta terça-feira …

Especialistas aconselham Governo a não avançar no desconfinamento

Manuel Carmo Gomes, o epidemiologista que deixou de participar nas reuniões no Infarmed, aconselhou o Governo a não avançar para a terceira fase de desconfinamento. E não é o único a defender a suspensão. De acordo …