Moção do Bloco avisa socialistas contra “via centrista” (e rejeita coligações com PS e direita nas autárquicas)

Nuno Fox / Lusa

Catarina Martins

O rascunho da moção bloquista, subscrita por Catarina Martins, Pedro Filipe Soares e Marisa Matias, foi enviado aos militantes. A convenção do partido está marcada para os dias 22 e 23 de maio.

No texto Sair da crise, atacar a desigualdade, o Bloco de Esquerda salienta que teve razão quando votou contra o Orçamento do Estado para 2021, numa tentativa de impedir o PS de seguir uma política de “continuismo”.

Agora, algumas das prioridades – como o reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS), da proteção social, direitos laborais -, assim como algumas questões relacionadas com o “investimento público para o emprego” e a “transição climática”, ditarão “aproximações ou distanciamentos face ao Governo”, avança o Bloco, citado pelo Expresso.

Assim, o partido avisa o PS contra a escolha de uma “via centrista“, uma “recriação de uma tática que já vimos falhar em inúmeros países”. “Procura-se uma alternância sem alternativa e excluem-se avanços sociais do diálogo à esquerda.”

As críticas do Bloco de Esquerda estenderam-se também ao Presidente da República, que à direita “conforta” o PS; e ao PCP e ao PAN, que mais à esquerda “legitimam” a política do Governo.

Perante este cenário, escrevem os bloquistas, “sobra só a chantagem da perda do poder para a direita radicalizada”. O Bloco quer então apresentar-se como a “garantia de uma alternativa à esquerda” e um defensor da antiga geringonça, “da qual o PS se afastou e que não quis reeditar”.

“Não existe qualquer fatalidade democrática que atribua à direita radicalizada um destino de poder. Pelo contrário, ela pode ser derrotada se a potência das alternativas à esquerda lograr responder à maioria e aos setores mais penalizados na crise”, lê-se no texto.

Para a “saída da crise”, apontam respostas como a aposta em “políticas públicas fortes” para resolver os problemas da habitação, controlar empresas estratégicas, garantir uma “transição justa” no combate às alterações climáticas ou modernizar setores atrasados da economia.

O processo de preparação das eleições autárquicas é também abordado no documento. O partido deixa claro que não fará coligações pré-eleitorais com PS e PSD, só com forças de esquerda.

“O Bloco apresenta listas próprias, abertas à participação de candidatos independentes e não realizará coligações com os partidos de direita e com o Partido Socialista”, lê-se no texto elaborado por Catarina Martins, Marisa Matias e Pedro Filipe Soares.

O partido admite depois participar em maiorias de esquerda nas várias autarquias, pós-eleições, que incluam garantias sobre “medidas fundamentais”.

O texto da moção foi enviado na quinta-feira aos militantes e ficará agora em discussão no trabalho preparatório até à convenção, marcada para dias 22 e 23 de maio, no Porto.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, o SEF ainda não foi extinto. Governo vai publicar decreto-lei

Afinal, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) ainda não foi extinto. Segundo o Ministério da Administração Interna, o Governo vai "aprovar por decreto-lei a orgânica do novo serviço público [SEA] e as novas competências …

Mais quatro mortes e 553 casos nas últimas 24 horas

De acordo com a Direção-Geral da Saúde, Portugal registou nas últimas 24 horas 553 novos casos de covid-19 e quatro mortes associadas à doença. Portugal regista hoje mais quatro mortes relacionadas com a covid-19, 553 novos …

Familiares das vítimas do voo MH-17 na Ucrânia vão pedir indemnizações

Uma das advogadas das vítimas do voo MH-17 da Malaysia Airlines anunciou que 290 familiares apresentaram pedido de indemnização contra os quatro suspeitos do acidente. Uma advogada das vítimas do derrube do voo da Malasya Airlines …

1.º de Maio. CGTP duplica lotação, UGT festeja online com ex-ministros socialistas

As centrais sindicais voltam a estar divididas quanto às comemorações do 1.º de Maio. A CGTP vai organizar dois desfiles e duplicar a concentração na Alameda Dom Afonso Henriques; a UGT cancelou qualquer iniciativa presencial …

"Vice" da bancada do PS contestado por pedir autocrítica do partido sobre Sócrates

Pedro Delgado Alves defendeu que o PS deveria refletir sobre a ação de José Sócrates. O deputado foi contestado por outros dirigentes do grupo parlamentar, nomeadamente Ana Catarina Mendes, que reagiu de forma dura à …

Japão responde à China e garante que derrame de Fukushima será seguro

O vice-primeiro-ministro japonês, Taro Aso, reafirmou esta sexta-feira, em resposta às críticas da China, que a descarga da central nuclear de Fukushima aprovada pelas autoridades japonesas estará dentro dos limites de segurança da água potável. "Estou …

Ninguém quer "a batata quente" do caso Sócrates. Ivo Rosa e Carlos Alexandre com nota máxima

Os juízes Ivo Rosa e Carlos Alexandre foram avaliados com a nota máxima de "Muito Bom" pelo Conselho Superior da Magistratura em inspecções realizadas entre 2013 e 2018, ou seja, abarcando o período da investigação …

João Leão afasta criação de imposto de solidariedade para pagar crise pandémica

O ministro das Finanças, João Leão, argumenta que a criação de um imposto de solidariedade para pagar a crise pandémica não ajudaria nem seria benéfica. Em entrevista ao semanário Expresso, o ministro das Finanças, João Leão, …

Isabel de Castela ficou conhecida por cheirar mal. Novos documentos põem fim aos mitos

A famosa rainha Isabel I de Castela, em Espanha, era conhecida por se lavar pouco e cheirar mal. Contudo, documentos recém-descobertos mostram que possuía uma quantidade enorme de perfumes de grande valor. Isabel I financiou a …

De Cristas aos encontros com Salgado. PS já tem 14 perguntas sobre o Novo Banco para Passos

Depois de Carlos Moedas e Cavaco Silva, o PS já tem perguntas que quer fazer ao ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho no âmbito da comissão de inquérito ao Novo Banco.  De acordo com o semanário Expresso, o …