OMS retoma ensaios clínicos com hidroxicloroquina. Estudo que os suspendeu tem “inconsistências alarmantes”

unisgeneva / Flickr

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS)

Os ensaios clínicos, suspensos há mais de uma semana por preocupações com a segurança da hidroxicloroquina, vão agora ser retomados.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou, esta quarta-feira, que vai retomar os ensaios clínicos com hidroxicloroquina para doentes com covid-19, suspensos há mais de uma semana por preocupações com a segurança do medicamento.

Tedros Ghebreyesus, director-geral da OMS, anunciou que o painel que analisa a segurança de medicamentos concluiu que “não há razão para alterar o protocolo dos ensaios clínicos solidários e recomendou que continuem em todas as vertentes”.

Os ensaios clínicos com hidroxicloroquina vão continuar no grupo de mais de 3.500 pacientes voluntários de 35 países.

Ghebreysus afirmou ainda que a OMS vai continuar a “controlar a segurança” do uso do medicamento em doentes com covid-19.

A OMS anunciou a suspensão temporária dos ensaios clínicos com hidroxicloroquina no dia 25 de maio, por causa de estudos científicos que associam maior mortalidade ao uso daquele medicamento. Na altura, o responsável afirmou que a decisão do Comité Executivo da organização surgiu depois de revista científica The Lancet ter divulgado um estudo em que se observou mortalidade acrescida em doentes tratados com aquele medicamento.

Especialistas denunciam “inconsistências alarmantes”

Mas, entretanto, a The Lancet já veio demarcar-se desse estudo, emitindo uma “expressão de preocupação” com as conclusões divulgadas. Trata-se de uma postura muito rara no campo científico e que costuma “preceder, muitas vezes, a retirada definitiva do artigo em questão”, como aponta o jornal francês Le Monde.

“Importantes questões científicas foram levantadas no que concerne aos dados reportados”, avança a revista britânica em comunicado, anunciando que já foi pedida uma auditoria independente ao estudo.

Embora os resultados dessa auditoria ainda não sejam conhecidos, a publicação aponta a sua “inquietação”, notando que teve acesso a “informações mais amplas” depois da divulgação do estudo.

Mais de 100 especialistas estão também a questionar a pesquisa, falando em “inconsistências alarmantes”, como refere o responsável pelo programa de malária da OMS, Pedro Alonso, citado pelo El País.

“Há enormes dúvidas sobre a qualidade desse trabalho e tanto os seus autores como a revista que o publicou vão ter de prestar contas”, aponta Alonso no jornal espanhol.

Sobre a hidroxicloroquina, o responsável da OMS destaca que ainda não sabemos se funciona ou não contra a covid-19, “mas a solução não é interromper os ensaios”. Alonso defende que devem continuar a investigar “para saber se oferece algum benefício, principalmente para a segunda onda da doença“.

Um grupo de 120 médicos, especialistas de estatísticas e de bio-medicina enviaram uma carta aberta à direcção da The Lancet a questionar o tratamento dos dados do estudo.

A investigação foi assinada por Mandeep Mehra, do Hospital Brigham de Mulheres de Boston, nos EUA,, Frank Ruschitzka, do Hospital Universitário de Zurique, na Suíça, Amit Patel, do Departamento de Bio-Engenharia da Universidade de Utah, nos EUA, e Sapan Desai, da empresa Surgisphere que contribuiu com os dados anónimos dos 96 mil pacientes do estudo.

Os especialistas que o contestam referem, nomeadamente, o facto de não incluir informações detalhadas sobre os hospitais de onde procedem os dados analisados. Também frisam que a pesquisa utiliza doses de cloroquina e de hidroxicloroquina que são superiores às recomendadas pela Agência do Medicamento dos EUA.

O investigador principal do estudo, o cardiologista Mandeep Mehra, defende que “os resultados e conclusões do trabalho continuam a ser os mesmos”, conforme declarações ao El País, apesar de assumir que está a decorrer uma “revisão independente dos dados”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …