OMS retoma ensaios clínicos com hidroxicloroquina. Estudo que os suspendeu tem “inconsistências alarmantes”

unisgeneva / Flickr

Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS)

Os ensaios clínicos, suspensos há mais de uma semana por preocupações com a segurança da hidroxicloroquina, vão agora ser retomados.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou, esta quarta-feira, que vai retomar os ensaios clínicos com hidroxicloroquina para doentes com covid-19, suspensos há mais de uma semana por preocupações com a segurança do medicamento.

Tedros Ghebreyesus, director-geral da OMS, anunciou que o painel que analisa a segurança de medicamentos concluiu que “não há razão para alterar o protocolo dos ensaios clínicos solidários e recomendou que continuem em todas as vertentes”.

Os ensaios clínicos com hidroxicloroquina vão continuar no grupo de mais de 3.500 pacientes voluntários de 35 países.

Ghebreysus afirmou ainda que a OMS vai continuar a “controlar a segurança” do uso do medicamento em doentes com covid-19.

A OMS anunciou a suspensão temporária dos ensaios clínicos com hidroxicloroquina no dia 25 de maio, por causa de estudos científicos que associam maior mortalidade ao uso daquele medicamento. Na altura, o responsável afirmou que a decisão do Comité Executivo da organização surgiu depois de revista científica The Lancet ter divulgado um estudo em que se observou mortalidade acrescida em doentes tratados com aquele medicamento.

Especialistas denunciam “inconsistências alarmantes”

Mas, entretanto, a The Lancet já veio demarcar-se desse estudo, emitindo uma “expressão de preocupação” com as conclusões divulgadas. Trata-se de uma postura muito rara no campo científico e que costuma “preceder, muitas vezes, a retirada definitiva do artigo em questão”, como aponta o jornal francês Le Monde.

“Importantes questões científicas foram levantadas no que concerne aos dados reportados”, avança a revista britânica em comunicado, anunciando que já foi pedida uma auditoria independente ao estudo.

Embora os resultados dessa auditoria ainda não sejam conhecidos, a publicação aponta a sua “inquietação”, notando que teve acesso a “informações mais amplas” depois da divulgação do estudo.

Mais de 100 especialistas estão também a questionar a pesquisa, falando em “inconsistências alarmantes”, como refere o responsável pelo programa de malária da OMS, Pedro Alonso, citado pelo El País.

“Há enormes dúvidas sobre a qualidade desse trabalho e tanto os seus autores como a revista que o publicou vão ter de prestar contas”, aponta Alonso no jornal espanhol.

Sobre a hidroxicloroquina, o responsável da OMS destaca que ainda não sabemos se funciona ou não contra a covid-19, “mas a solução não é interromper os ensaios”. Alonso defende que devem continuar a investigar “para saber se oferece algum benefício, principalmente para a segunda onda da doença“.

Um grupo de 120 médicos, especialistas de estatísticas e de bio-medicina enviaram uma carta aberta à direcção da The Lancet a questionar o tratamento dos dados do estudo.

A investigação foi assinada por Mandeep Mehra, do Hospital Brigham de Mulheres de Boston, nos EUA,, Frank Ruschitzka, do Hospital Universitário de Zurique, na Suíça, Amit Patel, do Departamento de Bio-Engenharia da Universidade de Utah, nos EUA, e Sapan Desai, da empresa Surgisphere que contribuiu com os dados anónimos dos 96 mil pacientes do estudo.

Os especialistas que o contestam referem, nomeadamente, o facto de não incluir informações detalhadas sobre os hospitais de onde procedem os dados analisados. Também frisam que a pesquisa utiliza doses de cloroquina e de hidroxicloroquina que são superiores às recomendadas pela Agência do Medicamento dos EUA.

O investigador principal do estudo, o cardiologista Mandeep Mehra, defende que “os resultados e conclusões do trabalho continuam a ser os mesmos”, conforme declarações ao El País, apesar de assumir que está a decorrer uma “revisão independente dos dados”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cidade japonesa acaba de proibir a utilização de telemóveis enquanto se caminha

A cidade japonesa de Yamato acaba de aprovar uma proposta de lei que proíbe as pessoas de utilizarem telemóveis enquanto caminham. A cidade, localizada num subúrbio de Tóquio, entende que os telemóveis são um risco …

MIT apagou base de dados popular que ensinou IA a ser racista e sexista

O Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, viu-se obrigado apagar uma base de dados de treinamento de Inteligência Artifical (IA) depois de esta ensinar vários algoritmos a usar insultos racistas e sexistas. …

Escola Básica e fábrica de Paços de Ferreira encerradas, com nove casos positivos

A Escola Básica n.º 2 e a Fábrica de Lacados Abrelac, em Paços de Ferreira, Porto, foram encerradas após diagnosticados nove casos de covid-19 para “prevenção” e para “interromper as cadeias de transmissão”, disseram hoje …

Mais nove mortes e 328 casos confirmados em Portugal

Portugal regista hoje mais nove óbitos por covid-19, em relação a sábado, e mais 328 casos de infeção confirmados, dos quais 254 na região de Lisboa e Vale do Tejo, segundo os dados da Direção-Geral …

Cientistas criam miniatura de ondas de choque de supernovas (e quase desvendam um mistério)

Esta versão em miniatura das ondas de choque das supernovas pode ter ajudado os cientistas a chegar muito perto da resolução de um antigo mistério cósmico. Uma equipa de investigadores do Departamento de Energia do Centro …

Na Indonésia, são os recém-licenciados quem mais vai sofrer com o impacto económico da covid-19

A covid-19 continua a desacelerar a economia na Indonésia e pode causar graves impactos nos recém-licenciados que entram no mercado de trabalho pela primeira vez. Na Indonésia, o crescimento económico diminuiu para 2,97% durante o primeiro …

Mudanças climáticas ameaçam 60% das espécies de peixes do mundo

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha, sugere que as mudanças climáticas podem destruir mais espécies de peixes do que se pensavam anteriormente. Se as temperaturas globais subirem …

Engenheiros desenvolvem célula de combustível duas vezes mais eficiente do que a de hidrogénio

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, desenvolveu um novo processo para uma célula de combustível que funciona com o dobro da tensão das células a combustível tradicionais de hidrogénio. O novo …

Preços das bebidas concertados durante anos. Seis supermercados sob suspeita de cartel

Seis grupos de distribuição alimentar e dois fornecedores de sumos, vinhos e outras bebidas, foram acusados pela Autoridade da Concorrência de concertarem preços durante vários anos em prejuízo do consumidor. "Após investigação, a Autoridade da Concorrência, …

Sindicato denuncia mobilização forçada de médicos para tratar surto de Reguengos de Monsaraz

O Sindicado dos Médicos da Zona Sul (SMZS) denunciou hoje o que diz ser uma “mobilização forçada de médicos” pela Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo para o combate ao surto de covid-19 de …