/

OMS prevê um aumento do número de mortes em outubro e novembro na Europa

Giuseppe Lami / EPA

A Organização Mundial da Saúde espera um aumento no número de mortes por covid-19 na Europa durante os meses de outubro e novembro, que serão “mais duros” por causa da pandemia, revelou o diretor regional da organização para a Europa.

Em entrevista à Agência France Presse, Haréns Kluge –  alto funcionário da ONU –  admitiu que “vai ficar mais difícil. Em outubro e novembro veremos uma mortalidade maior“, diz numa altura em que o número de casos registados disparou no velho continente, mas com um número de mortos diário quase estável.

Segundo a OMS, o aumento do número de mortes diários deve-se ao crescimento dos casos em função da retomada da epidemia na Europa. “Estamos numa altura em que os países não querem ouvir este tipo de más notícias, e eu compreendo”, disse o diretor regional da OMS para a Europa, que, no entanto, quis enviar “a mensagem positiva” de que a pandemia “vai parar, num momento ou noutro”.

A OMS Europa reúne hoje e na terça-feira os seus cinquenta Estados-membros para discutir a resposta à pandemia e acordar uma estratégia de cinco anos.

Kluge avisou ainda os que acreditam que o fim da epidemia coincidirá com o desenvolvimento de uma vacina, ainda em andamento: “Eu ouço o tempo todo: ‘a vacina vai acabar com a epidemia’. Claro que não!”.

Não sabemos nem se a vacina será eficaz em todas as camadas da população. Alguns sinais que estamos a receber é que será eficaz para uns, mas não para outros”, sublinhou o médico belga, acrescentando que “se de repente tivermos que desenvolver vacinas diferentes, vai ser pesadelo logístico”.

O número de casos na Europa tem aumentado de forma acentuada há várias semanas, especialmente em Espanha e em França. Na sexta-feira, mais de 51 mil novos casos foram notificados nos 55 países da OMS Europa, mais do que os picos registados em abril, segundo dados da organização.

Ao mesmo tempo, o número de óbitos diários mantém-se, por enquanto, no nível observado desde o início de junho, cerca de 400 a 500 óbitos relacionados com a covid-19, segundo a mesma fonte.

“O fim desta pandemia será quando, como comunidade, aprendermos a conviver com ela. E isso depende de nós. É uma mensagem muito positiva”, rematou Kluge.

  ZAP // Lusa

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.