/

OMS pede à Europa para não usar confinamentos no combate à pandemia

2

O responsável da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a covid-19 na Europa, David Nabarro, pediu aos governos europeus para não utilizarem o confinamento como principal método para controlar a disseminação do coronavírus.

Em entrevista ao The Spectator, o responsável da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a covid-19 na Europa, David Nabarro, pediu às autoridades dos países europeus para não utilizarem o confinamento como principal método para controlar a pandemia.

“Os confinamentos têm apenas uma consequência que nunca deve ser subestimada: tornar os pobres muito mais pobres“, afirmou Nabarro, citado pelo Diário de Notícias. “Nós, da OMS, não defendemos os confinamentos como principal meio do controlo do vírus”.

O responsável sugeriu um meio-termo que mantenha a economia e a vida social enquanto se controla o vírus, o que exige um “alto nível de organização por parte dos governos e uma notável adesão por parte das pessoas”.

Nabarro defende a combinação de várias medidas como “distanciamento físico, proteção facial, higiene, isolamento de doentes e proteção de pessoas vulneráveis”.

“A única vez em que acreditamos que um confinamento se justifica é para ganhar tempo para reorganizar, reagrupar, reequilibrar recursos e proteger os profissionais de saúde que estão exaustos, mas, em termos gerais, preferimos não o fazer”, frisou.

“Veja o que está a acontecer com os pequenos agricultores em todo o mundo. Veja o que está a acontecer com os níveis de pobreza. Parece que podemos muito bem ter uma duplicação da pobreza mundial no próximo ano. Podemos muito bem ter pelo menos o dobro da desnutrição infantil”, disse.

Estas afirmações surgem dias depois de vários especialistas em saúde de todo o mundo terem criado a Grande Declaração de Barrington, que pedia o fim dos confinamentos pelos “danos irreparáveis” que estavam a causar.

A declaração insta os legisladores a adotar uma abordagem chamada Proteção Focada, que defende a promoção da imunidade coletiva e medidas para proteger os grupos vulneráveis.

  ZAP //

2 Comments

  1. O não confinamento em caso de necessidade, a não ser aplicado, tem uma consequência que não deve ser subestimada, contrariamente ao que afirma esta criatura; …É de provocar mais mortes desnecessárias. Mas claro, para estes “artistas” ao serviço dos Financiadores, que os mais vulneráveis morram ou não pouca importância tem. Venham as chorudas contribuições para a OMS e para os seus proprios bolsos, é o principal !

  2. A OMS descobriu a pólvora, depois de fazer porcaria da grossa ao aconselhar confinamentos e destruir a economia, vem agora dizer que “não é para fazer confinamentos. É assim, uma no cravo e muitas na ferradura.
    Ainda falta a OMS dizer que não deve existir pânico no povo, que eles ajudaram a criar, que a pandemia do medo tem que ser combatida pois mata mais que o próprio vírus.
    E assim segues este mundo, sem rei nem roque.
    É a minha opinião, sei que não é consensual.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.