OMS e EUA ponderam alargar recomendação para uso de máscaras

Maxim Shipenkov / EPA

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai reavaliar as suas recomendações sobre o uso de máscaras para prevenir a contaminação com covid-19, disse esta quinta-feira o presidente do grupo de especialistas que vai discutir o assunto.

Citado pela BBC, David Heymann, que vai presidir a um grupo de especialistas que irá reavaliar quem deve usar máscaras, disse que a equipa vai analisar novos dados que estimam que o vírus possa ser projetado mais longe do que se pensava.

Um estudo norte-americano sugere que o vírus projetado pela tosse atinja seis metros e pelos espirros oito. Atualmente, a OMS considera que as máscaras só devem ser usadas pelas pessoas que já estão infetadas com covid-19 ou que cuidam dos doentes.

Também os Estados Unidos estão a ponderar mudar a sua posição, tornando obrigatório o uso de máscaras para conter a disseminação da covid-19, seguindo o exemplo de países asiáticos e europeus, admitiu o diretor do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças.

“Está provado que um grande número de pessoas infetadas permanece assintomática”, explicou Robert Redfield à rádio NPR, reconhecendo que “se usassem uma máscara, poderiam reduzir mecanicamente as transmissões até 25%”.

Também o diretor do Instituto de Doenças Infecciosas, Anthony Fauci, que se tornou o principal conselheiro do executivo dos EUA sobre o coronavírus, admitiu que o grupo de trabalho da Casa Branca tem tido “debates muito ativos” sobre o assunto.

Fauci reconheceu que a hesitação inicial em recomendar o uso generalizado não se baseou em nenhum argumento científico, mas na escassez de máscaras: os Estados Unidos, como a França e outros países, não tinham e ainda não têm máscaras suficientes para as necessidades do pessoal médico e de toda uma população.

“Mas uma vez que tenhamos máscaras suficientes, será seriamente considerada a recomendação de uso de máscaras por todos”, garantiu.

De acordo com o Washington Post, as autoridades poderão optar por recomendar máscaras artesanais à população em geral, reservando as de qualidade médica para os cuidadores de infetados. Na China, Japão, Hong Kong, Taiwan ou Singapura, ninguém sai à rua sem máscara, hábito que começa agora a notar-se também em algumas partes da Europa.

República Checa tem uso obrigatório

Na República Checa, as máscaras passaram a ser obrigatórias e o Governo deu o seu aval a um vídeo que defende que o país conseguiu diminuir os contágios graças a esse hábito.

O primeiro-ministro checo enviou mesmo uma mensagem ao Presidente dos Estados Unidos, recomendando seguir o exemplo daquele país da Europa de leste. “Senhor Presidente @realDonaldTrump, tente atacar o vírus à maneira checa”, escreveu Andrej Babis na rede social Twitter.

A experiência da República Checa já foi seguida pela Eslováquia, pela Eslovénia e pela Áustria, tornando obrigatório o uso de máscara.

No entanto, a Organização Mundial de Saúde (OMS) continua a defender que as máscaras só devem ser usadas pelas pessoas infetadas ou que cuidam dos doentes.

“As máscaras podem, na verdade, aumentar o risco de coronavírus se usadas incorretamente”, alertou o diretor executivo do programa de emergências em saúde da OMS, Mike Ryan, numa conferência de imprensa realizada na segunda-feira em Genebra.

Segundo este responsável da OMS, “não existem provas específicas que sugiram que o uso de máscaras pela população em massa tenha algum benefício potencial”.

Portugal segue diretivas da DGS

Portugal segue — através da Direção-Geral de Saúde – a posição da OMS, mas também está a rever a possibilidade de mudar as orientações.

Segundo noticiou o Diário de Notícias na quarta-feira, um grupo de especialistas que integra o Programa português de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistência Antimicrobianas está a rever a orientação e admite alargar o uso da máscara a mais segmentos da população e de atividades profissionais.

Ainda assim, refere a mesma fonte, “de modo nenhum será aceite o uso generalizado de máscara. Não faz sentido, pelo menos por agora”. A recomendação ou imposição à população em geral de usar máscara conta com argumentos a favor e contra de muitas instituições reconhecidas.

É o caso da universidade Johns Hopkins, nos EUA, que divulgou um gráfico no qual sugere que, nos países onde a máscara foi tornada obrigatória, o número de infetados começou a estabilizar cerca de um mês depois do surto (no caso, depois da contabilização de 100 casos), enquanto países como Reino Unido, França, Alemanha, Espanha e, sobretudo, Itália e Estados Unidos, continuam a ver os contágios aumentarem exponencialmente.

Argumento seguido também em Portugal pelo Conselho das Escolas Médicas. “A experiência de países como China, Macau, Taiwan, Singapura, Coreia do Sul é muito consistente”, defendeu o conselho num comunicado, sublinhando que o uso generalizado de máscara é recomendado por várias entidades internacionais.

Para o Conselho das Escolas Médicas, “o uso de máscaras pela comunidade” pode “reduzir o risco de contaminação”, sendo que “quatro em cada cinco indivíduos contaminadores desconheciam que estavam infetados no momento em que infetaram terceiros”.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Muito sinceramente não acredito que a OMS vá recomendar o uso de máscaras.

    Se o fizer está a admitir que a sua teoria estava errada que e o Mundo pagou caro esse erro.
    Digo errada porque acredito que é essa a razão!

    E o erro seria tremendo ou seja, a OMS não conseguir ver o que todas as pessoas já viram, basta olhar para os gráficos dos países que tomaram essas medidas.

    Neste caso acredito mais na teoria dos Chineses.
    Possivelmente o uso de máscaras teria evitado muitas mortes e poupava a economia Mundial.

RESPONDER

Concorrência condena MEO a pagar 84 milhões por combinar preços com a NOWO

A Autoridade da Concorrência (AdC) aplicou uma coima de 84 milhões de euros à MEO por combinar preços e repartir mercados com a operadora NOWO nos serviços de comunicações móveis e fixas. “A Autoridade da Concorrência …

PEV quer reverter privatização dos CTT. PS admite todos os cenários

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) defendeu hoje, no parlamento, a “reversão da nacionalização” dos CTT, e ouviu o PS admitir “todos os cenários”. Numa declaração política no parlamento, o deputado José Luís Ferreira afirmou que, …

Voltar à normalidade "não está longe, mas não é já", avisa Pfizer

O administrador executivo da Pfizer, Albert Bourla, apelou na quarta-feira para que os governos de todo o mundo não reabram as suas economias demasiado depressa devido ao otimismo gerado pelas vacinas de covid-19. Bourla, de 59 …

Biden quer retomar acordo nuclear com o Irão, embora reconheça que será "difícil"

O vencedor das eleições presidenciais norte-americanas, Joe Biden, pretende retomar o acordo nuclear com Irão antes mesmo de novas negociações, assumiu o democrata numa entrevista ao New York Times. Joe Biden afirmou, durante a campanha eleitoral, …

Processo de reprivaticação da Efacec atrasado devido à discussão do OE2021

Apesar de as avaliações no âmbito do processo de nacionalização e futura reprivatização da Efacec já estarem concluídas, o processo esteve condicionado pela discussão do Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). De acordo com o Jornal …

Costa sobre vacinação: “Há uma luz ao fundo do túnel, mas o túnel é muito comprido e penoso”

O primeiro-ministro, António Costa, advertiu esta quinta-feira que o processo de vacinação terá imponderabilidades externas a Portugal, sendo também complexo ao nível interno, com as dificuldades a aumentarem quanto maior for o universo de cidadãos …

Alterações climáticas podem colapsar os sistemas de saúde, alertam especialistas

O quinto relatório anual da Lancet sobre saúde e clima revelou que todos os países enfrentam ameaças à saúde humana, "que se multiplicam e se intensificam" à medida que as alterações climáticas originam novas pandemias …

Obama, Bush e Clinton vão vacinar-se publicamente para encorajar os norte-americanos

Os ex-presidentes dos EUA Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton disseram que estão prontos para serem vacinados publicamente contra a covid-19, a fim de encorajar os seus concidadãos a fazer o mesmo. Obama disse …

Retenção na fonte mensal reduzida em cerca de 2%. Salários terão um "ligeiro aumento"

As retenções na fonte em 2021 sobre salários de trabalho dependente vão reduzir-se em cerca de 2% face às praticadas este ano e irão permitir um “ligeiro aumento” do rendimento líquido mensal, segundo simulações da …

Em março já deverá haver imunização “suficientemente grande” da população

O epidemiologista Manuel do Carmo Gomes defendeu esta quinta-feira que “se tudo correr normalmente” com a vacinação contra a covid-19, no final de março haverá uma imunização “suficientemente grande” na população para evitar “grandes aumentos …