Oito princesas árabes processadas por escravatura moderna na Bélgica

usdoj.gov

-

Oito princesas dos Emirados Árabes Unidos foram acusadas de ter trazido pelo menos 20 empregadas para a Bélgica sem visto de trabalho e por as manterem em condições desumanas – com pouca comida e sem camas. O caso pode levar a consequências significativas na luta contra a escravidão moderna.

A sheik al-Nahyan e as suas sete filhas, naturais dos Emirados Árabes Unidos, eram visitantes frequentes da Bélgica, e escolhiam sempre acomodações de luxo no centro de Bruxelas, enquanto as suas pelo menos 20 criadas, que traziam consigo, passavam o dia à espera das vontades das suas patroas.

Mas em 2008 a vida das princesas árabes mudou de modo radical após a fuga de uma de suas criadas, que procurou a ajuda da polícia, a quem se queixou de que ela e as outras criadas eram forçadas a trabalhar horas sem descanso, às vezes sem comida suficiente e sem cama para dormir, e que os seus vistos sido confiscados pelas patroas.

A polícia belga iniciou a investigação e descobriu que as criadas das princesas árabes estavam a viver em “condições desumanas”.

Passada quase uma década, a sheik al-Nahyan e as filhas ainda não foram condenadas por qualquer crime, mas todas serão levadas a julgamento brevemente – apesar de os seus advogados continuarem a afirmar que os processos contra elas são injustos e ilegais.

A família da sheik Al Nahyan, família real do Abu Dhabi e uma das seis famílias reais dos Emirados Árabes Unidos, possui assinalável influência internacional. O sheik Mansour bin Zayed al-Nahyan, meio-irmão do actual emir dos Emirados Árabes, é proprietário do Manchester City.

O advogado da família real afirmou várias vezes que a polícia belga violou os direitos das princesas ao efectuar buscas nos seus quartos de hotel. Mas o sistema de justiça belga está a avançar com o caso. As mulheres são acusadas de tráfico de pessoas e de violação da legislação laboral da Bélgica.

Se as princesas al-Nahyan vierem efectivamente a ser condenadas, o caso pode tornar-se um precedente significativo contra a escravatura moderna.

Activistas de direitos humanos acusam alguns estados do Golfo Pérsico de apoiar a escravatura moderna através do sistema de criados Kafala, que funciona nos EAU, na Arábia Saudita e no Bahrein.

O sistema permite que os empregadores se tornem guardiões legais de criados e que, por exemplo, possam puni-los fisicamente. Os criados também têm que ter autorização dos patrões antes de procurar um novo empregador.

Alguns grupos de direitos humanos europeus lamentam no entanto que o caso já tenha sido adiado por demasiado tempo e que a Kalafa continue a ser permitida.

Em entrevista ao jornal alemão Deutsche Welle, a porta-voz da organização de direitos humanos da Bélgica, Patricia LeCocq, diz que “se o tribunal decidir que há provas suficientes para continuar com o caso de tráfico de pessoas, as acusadas podem ter que pagar indemnizações aos seus empregados – ou até ser presas“.

“Mas o problema é que este caso já tem vários anos. Mesmo que as princesas sejam condenadas, a pena pode ser muito branda“, comentou.

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Esta gente tem de evoluir para o Séc. XXI . Penas pesadas para aprenderem e não esquecerem: provàvelmente no seu país crime equivalente teria a pena de morte … A Idade Média já era !

    • Olá sr,. Fernando, lamento lhe disser mas não são só naqueles países, a precariedade na Europa, com partidos que defendem o capitalismos (O OPOSTO à DITADURO mas nem melhor nem pior), estão a levar tb à escravatura moderna, relembro que em Portugal a poucos anos, foram retirados direitos, os ordenados baixaram, o fundo desemprego reduzido quer no valor quer no tempo, usando o argumento que esse dinheiro iá ser usado na criação de empregos e bolsas de trabalho e na realidade tivemos (ainda temos) grandes empresas, que com apoios do estado e do PSD, implantaram a politica escravatura moderna, que não +e nada mais nada menos que criar trabalho parae estagiários com mudanças dos mesmo de poucos em poucos meses, e na realidade nunca ter sido criado um único emprego, quando noticias se conheceram noticias que estes estagiários eram espoliados no pouco que ganhavam, ISTO É ESCRAVIDÃO, alias a pseudo crise mundial criada pelos ricos e poderosos, apenas contribuiu para o aumento, e muito, da riqueza dos mais ricos, Que bela DEMOCRACIA a nossa.

      • O que diz é – infelizmente – tudo verdade. Não sei se era o G. Orwell que dizia que as ditaduras do futuro vão ter as roupagens da democracia e vão assemelhar-se a democracias. No entanto, é hoje evidente a escravatura do mundo ocidental aos mercados, independentemente de quem elegermos para os governos. É hoje evidente a escravatura aos bancos e grupos financeiros ( que manipulam os ditos mercados ) que vivem sem regras a não ser a de serem os cidadãos quem paga as suas extravagâncias. Vivemos esta escravatura dum sistema em que importa acima de tudo o lucro, a rentabilidade, a carreira, o eu, à custa dos valores e mesmo da sobrevivência da espécie e do planeta. Vivemos essa mesma escravatura nos media, motivados exclusivamente pelas audiências e pelas rentabilidades. Horas de programação inenarrável e estupidificante. Também me lembro de quando o funcionário dos serviços da água nos avisava : “veja lá se paga isto, que eu já tenho aviso de corte” Hoje, os serviços municipais têm nos cortes uma nova fonte de rentabilidades : Oeiras, p.ex. cobra logo €50,00 para o mui laborioso serviço de desligar e voltar a ligar ( mesmo para quem tenha gasto mensal médio de €20 ) ! Os cidadãos não contam a não ser como números numa planilha de Excell. E os administradores ( mesmo os públicos ! ) têm como critério nº1 a rentabilidade, a bem da sua carreira. Os trabalhadores, que já foram “vítimas da fome”, hoje são “vítimas do apetite” e do crédito automóvel, do crédito do frigorífico, etc. Isto para ser telegráfico, podia estar aqui a listar uma “bíblia” de iniquidades próprias não de um planeta de homens mas de um “planeta dos macacos”.

      • Peço desculpa por um português pouco coerente, mas escrever em telemóvel, associado ao pensar rápido e o tamanho do ecrã origina um Português por vezes confuso e repetitivo. mas penso que grande parte da mensagem foi percebida A ESCRAVIDÃO NUNCA ACABOU, veio é noutros moldes.

      • Sr António, tem razão no que diz, há cada vez mais escravidão, desde os estágios aos bem intencionados programas de voluntariado (veja-se os festivais..). O Passos Coelho começou com tudo isso e foi bem amigo do patronato, mas diga-me, que fez o actual primeiro ministro para mudar o estado das coisas? Quando ele fala que quer combater a precariedade laboral também no sector privado, refere-se a quê? A mais apoios aos patrões? Mais do que aquele arranjo para conseguir subir (pobremente) os salários mínimos dos trabalhadores? E a Catarina que era tão contra os estágios agora cala-se..enfim, não há solução política ou social para este país mas também muito por culpa do povo que não se une e não se revolta com tudo isto. Apenas falamos, teclamos..

      • Analisem a 180º, senão mesmo a 360, e verão que o problema é global.
        Os regimes comunistas não impõem eles também uma escravatura diferente dos capitalismos mas não deixa de ser isso? “As cliques dirigentes e dominantes a serem servidos pelos demais concidadãos que têm de trabalhar para os sustentar e manter as suas fortunas e vidas boas.
        n Qual é, afinal, o melhor regime de sociedade??????”

      • Querido Portuga, tens razão.
        O trabalho pago é uma forma de escravidão, pois obriga a pessoa a trabalhar para comer e vestir. Ora, comer e vestir é uma obrigação do Estado para com seus cidadãos. Devia-se abolir por completo o trabalho, deixando cada um por si e Estado sustentando a todos, pois sua riqueza é infinita!

        • “O Planeta Terra é o único sítio do Universo onde se paga para viver” – Alex Collier.
          Ver videos youtube “Ronald Bernard”

  2. Isto é demais para a época em que vivemos e afinal tudo e em qualquer regime se vai permitindo abusos, neste caso irá terminar praticamente em nada embora vivamos em regimes democráticos e na Europa e isto para não ofender suas excelências das arábias todos poderosos em dinheiro e petróleo e depois ficamos todos cada vez mais confusos entre valores democráticos e ditatoriais.

Partido Trabalhista britânico sofre dois ciberataques (e suspeita-se que tenham "dedo" russo)

O Partido Trabalhista britânico sofreu dois ataques informáticos em apenas dois dias. Contudo, o partido de Jeremy Corbyn admite que os ataques falharam e que as suas plataformas estão operacionais. Num espaço de apenas dois dias, …

Sterling tentou fazer "mata-leão" a Joe Gomez e foi afastado da convocatória

O estágio da seleção inglesa para os jogos da Qualificação para o Campeonato da Europa, frente ao Montenegro e ao Kosovo, não poderia ter começado da pior forma. Raheem Sterling foi afastado da equipa após …

Alunos com gaguez não terão de fazer exames orais

Os alunos com gaguez podem ser dispensados da realização das provas orais. Há dois anos, estes exames passaram a integrar a avaliação externa em línguas estrangeiras nos exames do ensino secundária e nas provas de …

PSD. Só 15,8% dos militantes poderiam votar se eleições diretas fossem hoje

A dois meses das eleições diretas no PSD, há hoje perto de 17.000 militantes com quotas em dia, que podem ser pagas até 22 de dezembro, de acordo com informação disponibilizada online pelo partido. Se as …

Hong Kong: Reforço policial, Parlamento suspenso e escolas fechadas

O Parlamento de Hong Kong foi suspenso, esta quarta-feira, e a segurança foi reforçada na cidade e nos campus universitários, com as escolas a fecharem num momento em que prosseguem os confrontos entre manifestantes e …

Debate quinzenal: Políticas de rendimento, Rio ao ataque com o lítio e a primeira vitória dos pequenos

Os debates quinzenais com o primeiro-ministro regressam esta quarta-feira. António Costa vai abrir o debate com uma intervenção sobre "políticas de rendimento", mas as atenções estão centradas na primeira vitória dos pequenos partidos. As políticas de …

Governo vai propor 635 euros para salário mínimo em 2020. Proposta não agrada patrões

Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, vai apresentar esta quarta-feira na Concertação Social a proposta de aumento para o salário mínimo nacional para 2020, com uma atualização de 35 euros. Esta quarta-feira, …

Novo alvo do Sporting consumia e traficava droga (e tentaram matá-lo seis vezes)

Michael, jogador de 23 anos do Goiás, é alvo do Sporting já neste mercado de transferências de inverno. O brasileiro teve uma adolescência marcada pelo consumo e tráfico de drogas. Aos 23 anos de idade, Michael …

O misterioso monstro Tully acabou de ficar ainda mais misterioso

Uma nova investigação desmente um anterior estudo que argumentava que Tully era um vertebrado. A verdadeira natureza desde "monstro" continua um mistério para a comunidade científica. De vez em quando, os cientistas descobrem fósseis que são …

Vítor Pereira condenado a oito meses de prisão com pena suspensa

O treinador português foi condenado, esta terça-feira, a oito meses de prisão com pena suspensa, na Grécia, por incitamento à violência. Vítor Pereira foi condenado pela justiça grega a oito meses de prisão, com pena suspensa, …