OE2021 entre um não declarado e quatro nins. PSD vai “estudar” antes de decidir

Lusa / Lusa

O PSD recusou pronunciar-se sobre a proposta do Governo de Orçamento de Estado para 2021, salientando que vai “estudar” o documento antes de revelar o seu sentido de voto. Bloco de Esquerda, PCP, PAN e Os Verdes abrem a porta a negociações para dar um sim, enquanto o Iniciativa Liberal já disse que vota contra e o CDS admite fazer o mesmo.

Os partidos políticos reagem, nesta terça-feira, à proposta do Governo de Orçamento de Estado para 2021 (OE2021). Para já, apenas o Iniciativa Liberal se pronunciou declaradamente quanto ao seu sentido de voto, assegurando o voto contra.

Do lado do PSD, remete-se uma posição clara para o próximo dia 21 de Outubro, aquando das jornadas parlamentares dos sociais democratas.

“Recebemos o Orçamento e ouvimos o ministro das Finanças. Vamos estudá-lo, vamos trabalhar sobre ele, estão agendadas jornadas parlamentares do PSD para dia 21 e será nessa altura, tal como aconteceu no ano passado, que transmitiremos a nossa posição mais detalhada sobre o Orçamento do Estado”, refere o vice-presidente da bancada do PSD, Afonso Oliveira, aos jornalistas.

Afonso Oliveira nota que “será o momento certo para tomarmos posição”. “Até lá é momento de estudar, de avaliar as propostas do Governo, de estudar com detalhe”.

Em nome do CDS, a deputada Cecília Meireles não quis revelar a posição de voto do seu partido, mas antecipou um chumbo, como seria de esperar.

Não é o Orçamento de que o país precisa para ter verdadeira recuperação económica”, frisa Cecília Meireles, realçando que não tem uma estratégia e que se limita a “gastar dinheiro público”.

O alívio fiscal também “não é o que os portugueses precisam”, critica.

“PCP admite qualquer sentido de voto”

Do lado do PCP, o deputado João Oliveira elenca diversas críticas ao Orçamento, mas sustenta que o partido “aprofundará a sua análise”, “recusando chantagens e pressões”, “em função da resposta global” apresentada pelo Governo.

O “PCP admite qualquer sentido de voto”, sublinha João Oliveira, alertando contudo que “há falta de vontade política do Governo”.

“O documento é marcado por opções que impedem a resposta que se exigia e que seria possível dar”, sustenta o deputado comunista.

João Oliveira refere aquelas que são as bandeiras do partido e que considera serem opções fundamentais para o Governo levar em linha de conta para este OE2021, a título de possíveis exigências para um voto favorável.

Entre essas bandeiras estão “melhorar salários e direitos dos trabalhadores”, “aumentar as pensões e prestações sociais” e implementar uma “justa política fiscal que alivie os rendimentos mais baixos”.

O deputado comunista dá a entender que pretende que o Governo vá mais além nalgumas das medidas inscritas na sua proposta.

BE destaca divergências e mantém impasse

Por sua vez, o Bloco de Esquerda, pela voz da deputada Mariana Mortágua, diz que o OE2021 não apresenta grandes novidades face ao que era já do conhecimento público.

Mariana Mortágua frisou que este é um OE “diferente”, uma vez que tem de responder a uma das mais graves crises que já vivemos. Noutros orçamentos, o Bloco negociou com o Governo medidas que foram faseadas no tempo, mas agora a situação é outra.

“O momento de então permitia esses avanços de futuro, sinais de progresso para o futuro, mas o momento que vivemos hoje é diferente”, enfatizou, dizendo que o OE2021 precisa antes de medidas concretas que “façam aquilo que dizem”.

E acrescenta: “O OE 2021 não comporta anúncios que não traduzam medidas concretas. Não comporta anúncios fúteis, como a medida de diminuição da retenção na fonte que é apenas propaganda e não terá impacto na vida das pessoas. Essa medida terá apenas um impacto de 2 euros no rendimento mensal das famílias com salários acima dos 900 euros, não é com este tipo de medidas que Portugal vai combater a crise”.

A bloquista frisou as divergências com o Governo, dizendo que estas não são de “detalhe”.

Para convencer o Bloco, o Governo deve, segundo Mariana Mortágua, apostar em mais contratações no SNS, no combate ao desemprego, rever o dossier do Novo Banco e da nova prestação social que, nos moldes que foi apresentada, não pode “ser viabilizada pelo BE” porque é esvaziada pelas condições impostas.

PS deixa recados a Bloco e PCP

Na análise do PS, o deputado João Paulo Correia destaca que este Orçamento “não deixa cair nenhuma medida dos Orçamentos anteriores” que foram aprovados à esquerda.

Um piscar de olhos a Bloco de Esquerda e PCP, com o socialista a notar que é preciso dar valor ao “caminho conjunto” e vincando a intenção do PS em que a geringonça se mantenha viva.

Sublinhando as conquistas de bloquistas e comunistas neste OE2021, referindo-se à nova prestação social, à solução para o Novo Banco e ao aumento do salário mínimo nacional, João Paulo Correia aproveita para lançar um recado aos parceiros de esquerda.

“Nenhum português aceitará que, em cima de uma crise económica e social, se crie uma crise política“, afiança o deputado socialista, considerando que os avanços do OE não podem ser “desperdiçados” por “razões de agenda partidária”.

IL vota contra Orçamento que “atrasa e adia Portugal”

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, revela desde já que vai votar contra a proposta do Governo “porque este Orçamento atrasa e adia Portugal“.

Cotrim de Figueiredo destaca que o sistema fiscal continua “pesado e complicadíssimo”, criticando que “dizer às pessoas que terem mais dois ou três euros por mês para que em Abril ou Maio do no seguinte recebem exactamente o mesmo montante, a menos em termos de reembolso, é brincar com a vida das pessoas“, analisa.

O deputado do IL refere ainda que o OE2021 ultrapassa um “recorde triste”, pois “pela primeira vez, em Portugal, vai haver mais de 100 mil milhões de euros de despesa pública”.

A deputada do PAN, Inês Corte Real, considera que o Orçamento é “mais do mesmo” e que “não tem rasgo”, nomeadamente por não dar “resposta às preocupações ambientais”.

Quanto ao voto do PAN, “tal como está o Orçamento, estamos muito distantes de um voto favorável”, alerta a deputada do PAN que refere, contudo, que o partido vai ainda analisar o documento.

O “Governo tem que ser mais ambicioso”, realça Inês Corte Real, salientando que o PAN vai levar o seu “caderno de encargos” à discussão na especialidade. “A bola está do lado do Governo”, destaca.

O partido Os Verdes também não se pronuncia quanto ao seu sentido de voto, realçando que ainda está a analisar o documento e que está “tudo em aberto”. Contudo, os ecologistas manifestaram desagrado pelo facto de várias medidas ambientais há muito reclamadas não serem acolhidas pelo Governo.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. E as Empresas que tanto sofrem com esta crise, ficam a ver navios?
    Como se pretende um País desenvolvido se os Empresários que são os que arriscam, que criam emprego e que suportam uma carga Fiscal absurda são sempre esquecidos? Estão cá para pagar Impostos para depois distribuir por “alguns” que dão um tiro ao trabalho.

RESPONDER

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …

China anuncia fim de novas centrais a carvão no estrangeiro

Segundo os especialistas, o impacto da medida deverá depender da forma como será implementada, podendo ter um grande impacto na luta contra as alterações climáticas. Num anúncio bem recebido por ativistas e organizações ambientes, a China …

Roménia vai distribuir €200 mil a quem tiver vacinação completa contra a covid-19

A Roménia anunciou uma "lotaria de vacinação" que distribuirá prémios de até 200.000 euros entre aqueles que tiverem a vacinação completa, na tentativa de elevar a taxa de imunização, a segunda mais baixa da União …

Antes da invasão ao Capitólio, Bannon ajudou a planear estratégia para "matar a presidência de Biden no berço"

O estrategista-chefe da campanha de Donald Trump, Steve Bannon, revelou que falou com o ex-Presidente antes da invasão ao Capitólio, a 06 de janeiro, discutindo as condições para "matar a presidência de [Joe] Biden no …

Costa prepara novo alívio de restrições para vigorar a partir de 1 de outubro

António Costa prepara-se para anunciar, na quinta-feira, o levantamento de um conjunto de restrições que vigoraram por causa da covid-19. O primeiro-ministro, António Costa, prepara-se para anunciar na quinta-feira o levantamento de um conjunto de restrições …