Obama quer cortar incentivos fiscais aos mais ricos em 2015

Pete Souza / Whitehouse

Barack Obama

Barack Obama

O presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, apresentou hoje uma proposta de orçamento para 2015 em que aumenta os prémios ao emprego e elimina incentivos fiscais atribuídos aos contribuintes mais ricos.

A proposta de orçamento prevê centenas de milhares de milhões de dólares em novas despesas nos próximos dez anos, ao mesmo tempo que aumenta os impostos cobrados aos mais ricos, num documento que concretiza uma das bandeiras de Barack Obama – a redução das desigualdades nos Estados Unidos – mas que tem sido considerado como populista pelos republicanos.

“O nosso orçamento é uma questão de escolha. O nosso país tem de decidir se vai proteger as reduções de impostos para os norte-americanos mais ricos ou criar empregos, favorecer o crescimento e dar mais oportunidades a todos os norte-americanos”, afirmou Obama.

Luta de classes?

A proposta de orçamento hoje apresentada inclui um aumento significativo do prémio ao emprego, um cheque pago no início de cada ano às pessoas que trabalham mas cujos rendimentos não ultrapassam o equivalente ao salário mínimo por um emprego a tempo inteiro. Cerca de 13,5 milhões de pessoas são abrangidas pela medida e cerca de 500 mil vão passar a ficar acima do limiar da pobreza.

Estas novas despesas vão ser financiadas pela supressão de incentivos fiscais atribuídos aos contribuintes mais ricos, uma medida popular entre os democratas, mas considerada pela direita norte-americana como um regresso à guerra de classes.

De acordo com a proposta de lei orçamental, as deduções fiscais vão ser reduzidas, afetando 3% das famílias mais ricas, de acordo com as estimativas da Casa Branca.

Grandes investimentos

Como contrapartida a esta redução dos incentivos fiscais, o presidente norte-americano pretende lançar investimentos no montante de 56 mil milhões de dólares nos próximos dez anos: a indústria avançada, a investigação e a inovação e as infra-estruturas serão as áreas cruciais para impulsionar o crescimento dos Estados Unidos.

O governo federal prevê financiar, por exemplo, 45 novos institutos especializados em inovação industrial com o objetivo de aproximar as universidades às empresas.

Para os mais desfavorecidos, Obama quer aumentar a pré-escolarização das crianças até aos 4 anos, algo que ainda é muito caro nos EUA.

Ao todo, as despesas públicas ascendem a 3.901 mil milhões de dólares no exercício orçamental de 2015, que se inicia a 1 de outubro.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Disney+ alerta para estereótipos racistas. Filmes clássicos com avisos sobre "maus tratos"

Embora já exibisse mensagens padrão desde o ano passado, a nova plataforma de vídeo Disney+ mostra agora um aviso, que não pode ser passado à frente, no início de vários filmes clássicos - como Dumbo …

Curados da covid-19 continuam com sintomas meses depois de terem contraído o vírus

Um estudo da Universidade de Oxford indica que 64% dos pacientes hospitalizados com o novo coronavírus apresenta falta de ar 2 a 3 meses depois de serem infetados. E quase 40% tem sintomas de depressão. Já …

Portugal vai estar no Mundial sub-20 (sem jogar o apuramento)

Todas as fases do Europeu sub-19 foram canceladas e a seleção portuguesa foi uma das eleitas para participar no Mundial do próximo ano. Portugal já sabe que vai estar na fase final do Mundial sub-20 (se …

Novos implantes cardíacos podem salvar 10 mil vidas por ano

O chamado envelope antibiótico envolve o implante cardíaco e previne infeções no paciente. Por ano, morrem cerca de 10 mil pessoas devido a infeções geradas pelo implante. O pacemaker é um pequeno aparelho que é colocado …

Banda dá concerto com músicos e público envoltos em bolhas de plástico para evitar contágio

A banda norte-americana Flaming Lips utilizou bolhas insufláveis ​​de tamanho humano num concerto em Oklahoma, uma solução para proteger os músicos e o público do novo coronavírus, enquanto tenta encontrar uma forma segura para atuar …

EUA. Especialista diz que as próximas semanas "vão ser as mais negras de toda a pandemia"

Um especialista em doenças infecciosas disse que no caso dos Estados Unidos, as próximas seis a 12 semanas vão ser as mais negras de toda a pandemia de covid-19. Michael Osterholm, diretor do Centro de Investigação …

Chelsea inscreve... Petr Cech

Antigo guarda-redes poderá voltar aos relvados nesta época, embora seja pouco provável, para já. Petr Čech entrou em campo pela última vez em maio de 2019, há quase um ano e meio. Já tinha anunciado a …

Disparos de satélites e naves do Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata …

Japão prepara-se para lançar água tratada de Fukushima no mar

O Japão vai libertar mais de um milhão de toneladas de água tratada da usina nuclear de Fukushima no mar, numa operação que levará cerca de 30 anos para ficar concluída. Ambientalistas e pescadores locais …

Turismo de mergulho? Submarino da "frota perdida" de Hitler aguarda o seu destino no fundo do Mar Negro

Coberto por “redes fantasmas” deixadas por pescadores, os destroços de um submarino U-20 enviado para o Mar Negro pela Alemanha nazi tornou-se recentemente tema de um documentário produzido na Turquia. Localizado a uma profundidade de 20 …