“O Governo não fez tudo o que podia”. Bloco aponta falhas ao início do ano letivo

Miguel A. Lopes / Lusa

Antes do primeiro dia de aulas, o BE criticou o Governo por não ter feito tudo o que podia para preparar o ano letivo, considerando que ignorou problemas estruturais como o material informático, falta de professores e funcionários e diminuição de alunos por turma.

Nas declarações políticas, os bloquistas escolheram o tema da abertura do ano letivo para a sua intervenção, um debate no qual o PS ficou sozinho a defender a ação do Governo. A deputada do BE Joana Mortágua, condenou a atitude do Governo durante o seu discurso: “Preparar o ano letivo não é correr atrás do prejuízo a contar que as escolas façam muito com pouco. O Governo não fez tudo o que podia”.

A bloquista considerou que “se as aulas começam esta semana com segurança é porque o país confia na escola pública”, mas avisou que o futuro dessa confiança “também vai depender de o Governo fazer a sua parte”.

Joana Mortágua elencou os problemas estruturais que acusa o Ministério da Educação de ter ignorado e que considera que “ainda pode ser feito” como a falta de equipamento informático nas escolas, a diminuição do número de alunos por turma, o atraso no rejuvenescimento da classe docente e mesmo a falta de professores “em 600 escolas”.

“A escola pública precisa de sangue novo, precisa de futuro. De contratar funcionários. Há sete meses que a portaria de rácios está por rever de acordo com a proposta do BE aprovada em Orçamento do Estado”, criticou a deputado do BE.

Nos pedidos de esclarecimento, a deputada do PSD Cláudia André acusou o “Governo, o primeiro-ministro e o senhor ministro da Educação de não acompanharem as suas ações com aquilo que anunciam na comunicação social” em casos como os computadores, assistentes operacionais, alunos em risco, professores em risco e transportes escolares.

A social-democrata referiu que “o PSD calcorreou todo o país e percebemos que se não fosse o trabalho das escolas não sei se seria possível as aulas começarem”.

Também a deputada do CDS-PP Ana Rita Bessa criticou as falhas do Governo socialista, bem como a deputada Paula Santos, do PCP, que saudou a importância do regresso do ensino presencial, mas considerou prioritária a contração de auxiliares de ação educativa.

Mariana Silva, do PEV, elencou “muitas dúvidas em resposta” e pediu “mais meios e mais investimento para que não se instale uma desigualdade de condições” entre escolas e alunos.

Foi a Tiago Estevão Martins, do PS, a quem coube defender a ação do Governo e do Ministério da Educação, considerando que “o regresso ao ensino presencial está a iniciar-se da forma mais tranquila possível” e que “há mais recursos, mais professores e mais técnicos”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas estão a dar vida ao holodeck, um holograma que você pode tocar

Os cientistas estão cada vez mais perto de tornar o holodeck uma realidade. Investigadores estão a criar um holograma que você pode tocar. A série Star Trek: The Next Generation apresentou a milhões de pessoas a …

A partir de novembro, EUA passam a permitir entrada de estrangeiros totalmente vacinados

A partir do início de novembro, os Estados Unidos passam a permitir a entrada de viajantes da União Europeia (UE) e do Reino Unido, desde que estejam totalmente vacinados. Os Estados Unidos vão reduzir as restrições …

Talibãs mandam funcionárias do governo de Cabul ficar em casa

As funcionárias do governo de Cabul devem ficar em casa. A única exceção aplica-se às trabalhadoras cujos cargos não podem ser desempenhados por homens. Só as mulheres "que não podem ser substituídas por homens" podem regressar …

"Tatatatatatata." A bazuca de Costa é, afinal, uma "metralhadora" que dispara de rajada

Rui Rio considera que António Costa devia chamar a bazuca de metralhadora, porque o primeiro-ministro "dispara de rajada" promessas. "HK21 tem fita, carrega-se, e aquilo dispara tatatatatatata." O presidente do PSD, Rui Rio, ironizou esta segunda-feira …

Campanha alerta população sobre cancros de sangue e apela para informação

Uma campanha para quebrar o silêncio sobre os cancros do sangue e alertar para a importância do diagnóstico precoce está nas ruas até final de setembro, lembrando que é essencial estar atento a sintomas e …

Pfizer diz que vacina é "segura" para crianças dos cinco aos 11 anos

A Pfizer/BioNTech anunciaram, esta segunda-feira, que a vacina é segura e parece gerar uma resposta imunitária robusta nas crianças dos cinco aos 11 anos. Depois de um estudo com 2.268 participantes, a Pfizer/BioNTech anunciaram que a …

PS e CDS na Madeira desencontrados, PSD e Bloco continuam no Norte

No arranque da segunda semana de campanha para as autárquicas, os líderes do PS e do CDS-PP apostam na Madeira mas com horários desencontrados, enquanto BE e PSD continuam a norte, e PAN e PCP …

Confronto entre EUA e China é "perigoso para o mundo", alerta Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou no domingo que um confronto entre os Estados Unidos (EUA) e a China é "perigoso para o mundo" e que, apesar das diferenças, há áreas onde …

Portugal recebeu no domingo grupo de 80 afegãos

Portugal recebeu no domingo 80 afegãos, na maioria atletas da equipa de futebol feminino e seus agregados familiares, elevando para 178 o total de cidadãos acolhidos após a emergência humanitária no Afeganistão, anunciou esta segunda-feira …

Inspeção obrigatória das motas começa em janeiro de 2022

Quase dez anos depois de a medida ter sido aprovada pelo Governo, a inspeção obrigatória de motas com mais de 125 cc vai arrancar em janeiro de 2022. Jorge Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas, referiu …