Nova Zelândia regista primeira morte por covid-19 em mais de três meses

worldeconomicforum / Flickr

Jacinda Ardern, primeira-ministra da Nova Zelândia

A Nova Zelândia registou, esta sexta-feira, a primeira morte provocada pelo novo coronavírus em mais de três meses, anunciou o Ministério da Saúde neozelandês.

A vítima, que morreu no hospital, esta sexta-feira, era “um homem na casa dos 50 anos” que fazia parte da família responsável pelo novo surto de covid-19 surgido em meados de agosto, em Auckland, segundo um comunicado do Ministério.

O país não registava nenhuma morte atribuída à covid-19 desde 24 de maio.

A Nova Zelândia diagnosticou, além disso, cinco novos casos da doença nas últimas 24 horas, três dos quais transmitidos localmente, elevando o total para 1413 infeções, que resultaram em 23 mortes.

A primeira-ministra, Jacinda Ardern, disse que as restrições impostas na Nova Zelândia após o novo surto vão ser mantidas, pelo menos, até 14 de setembro.

O país vai manter o nível de alerta 2, de um máximo de quatro, bem como o confinamento em Auckland, disse Ardern aos jornalistas. A medida será revista novamente a 14 de setembro.

A primeira-ministra neozelandesa justificou a decisão pelo facto de continuar sem ser apurada a origem das infeções locais em Auckland, com uma população de 1,7 milhões, sabendo-se apenas que o vírus voltou a entrar no país através da fronteira, numa altura em que a Nova Zelândia não tinha transmissão local há 102 dias. “Todas as infeções vêm de um único caso“, disse Ardern.

Em meados de agosto, a primeira-ministra também decidiu adiar as eleições gerais, que estavam marcadas para 19 de setembro, para 17 de outubro, quatro semanas depois.

Ardern está com uma taxa de popularidade de 60% nas sondagens, devido ao modo como lidou com a pandemia, o atentado às mesquitas de Christchurch, no ano passado, e a erupção do vulcão da White Island.

Elogiada em todo o mundo pela gestão da pandemia, a Nova Zelândia decretou, em março, um dos confinamentos mais estritos do mundo, fechando as fronteiras quando tinha apenas 50 casos.

O partido trabalhista, da líder do Governo, está em posição de vencer as eleições sozinho, sem precisar de ajuda dos pequenos partidos com os quais fez coligações durante a legislatura que está a terminar.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 863.679 mortos e infetou mais de 26 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.