Nova legislação provoca encerramento de emblemáticas “coffeeshops” na Holanda

Os míticos “coffeeshops” holandeses perdem espaço ano após ano na Holanda, e especialmente em Amesterdão, onde estas cafeterias de venda de canábis estão encurraladas por uma nova legislação.

Num relatório recente, o Ministério de Segurança confirmou que restam apenas 570 “coffeeshops” em todo o país, em relação aos 1.400 que funcionavam em meados da década de 1990.

Do total, 400 localizavam-se então em Amesterdão e as restantes estavam espalhadas pelas 12 províncias holandesas. Atualmente, a capital turística dos “coffeeshops” conta com 167 lojas abertas.

No ano passado, dez “coffeeshops” tiveram que encerrar devido à insegurança após terem ocorrido vários tiroteios.

“Esses tiroteios estão a pôr em risco a segurança e a ordem pública”, afirmou o Presidente da Câmara de Amesterdão, Eberhard van der Laan, que advertiu a todos os proprietários que não iria “tolerar” mais incidentes.

A polícia ainda investiga os tiroteios, e tem como principal hipótese a luta entre proprietários para desestabilizar a concorrência. As autoridades locais são responsáveis por conceder as licenças e impor as normas, ainda que haja uma regulamentação estadual sobre a localização e o funcionamento deste tipo de estabelecimento.

Em janeiro deste ano, entrou em vigor uma nova lei que proíbe os “coffeeshops” de estarem a menos de 250 metros de escolas e centros educativos, o que afetou cerca de 20 cafeterias em Amesterdão.

Um deles foi o Mellow Yellow, o “coffeeshop” mais antigo do mundo, que teve de encerrar por estar a cerca de 220 metros de uma escola.

Outros 30 “coffeeshops” tiveram que fechar, segundo o relatório, devido a uma campanha da Câmara Municipal de Amesterdão para melhorar as zonas mais problemáticas do Bairro da Luz Vermelha, que também causou o encerramento de cem “janelas” de prostituição.

“Em vez de facilitar as coisas e se preocuparem com as vendas ilegais, o governo insiste na proibição. A única coisa que isso vai trazer são mais problemas e mais traficantes às ruas. Isso é o que querem?”, disse nesta sexta-feira à Agência EFE Mark, um holandês de 45 anos e dono de um pequeno “coffeeshop”.

O proprietário acrescentou que os Países Baixos já têm “muitos problemas com a venda ilegal das drogas” e pediu ao governo para se preocupar com questões como a legalização da plantação de canábis.

Vários trabalhadores confirmaram que o número de “coffeeshops” na cidade está a diminuir cada vez mais, o que significa que os que restam não conseguem atender todos os clientes.

Além disso, os estabelecimentos têm de respeitar os limites de venda impostos pela lei, outro dos motivos por trás das dezenas de encerramentos: atualmente, as cafeterias podem armazenar até 500 gramas de marijuana, enquanto que antes de 2000 podiam ter até 1.500 gramas.

No entanto, a capital holandesa continua a ser o município com mais “coffeeshops” por habitante: um para cada 4.900 residentes, acima da média de todo o país, de uma loja para cada 32.670 habitantes.

Segundo os números do escritório de turismo da Holanda, 25% dos turistas que chega a Amesterdão tem a intenção de visitar um “coffeeshop”.

Ainda que as leis holandesas tenham como objetivo a redução do turismo das drogas, o medo agora das autoridades e dos investigadores é o regresso do tráfico ilegal para acompanhar a crescente procura.

ZAP // EFE

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • Sim, porque aquilo que temos em Portugal é 100 vezes melhor.
      Um consumo excessivo de drogas leves, onde os fornecedores podem fazer tudo o que querem, desde ameaças a uso de força bruta e sem que a polícia possa fazer alguma coisa.

      Quando a nossa sociedade crescer e entender que o fornecimento só existe porque existe demanda e que a proibição não acaba com a intenção de consumo (o fruto proibido é o mais desejado) apenas fomenta o fornecimento de formas ilícitas, talvez tomemos medidas mais ajustadas.

      Legalizar drogas leves não vai aumentar o consumo, apenas controlar o fornecimento com o benefício dos impostos que o governo vai poder arrecadar.

      Esta notícia não fala de um outro problema tão ou mais grave para Amsterdam do que o aumento das vendas ilegais, a redução de redimentos para a cidade que eram obtidos pelos turistas e locais que visitam o distrito vermelho
      Actualmente já estão a atravessar dificuldades financeiras, se acabarem com tudo … enfim

  1. Eu tenho o sonho de ver construída uma mega-coffeeshop em Lisboa. Podia ser algo do género centro comercial mas totalmente dedicado ao consumo de cannabis, com áreas lúdicas para as crianças, com goluseimas à base de cannabis e tal. Penso que seria uma boa alternativa para as famílias que pretendem passar tempo de qualidade com os seus filhos e que encontram no consumo de estupefacientes leves uma fonte de prazer e escape à rotina e azáfama do dia a dia.

  2. O Algarve mas sobretudo a cidade de Portimão é considerada a meca da droga e da prostituição da Europa, só falta mesmo legalizarem para gerar biliões de receitas para Portugal, mas infelizmente continua tudo na clandestinidade, e portanto o povo holandês é que retira os lucros deste negócio como outro qualquer e continua a ser um país de oportunidades só porque é legal.

RESPONDER

Veiga pediu a Rangel cunha para o filho entrar na Católica

Rui Rangel terá prometido financiamento partidário a Mendo Castro Henriques - presidente do partido Nós, Cidadãos e professor na Universidade Católica - da parte de José Veiga em troca da entrada do filho no curso …

Coreia do Sul pede desculpas por não ter protegido homem morto no Norte

O Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, pediu esta segunda-feira desculpas pelo assassínio de um homem atingido a tiro por militares norte-coreanos na semana passada, afirmando que o seu Governo falhou a responsabilidade de proteger um cidadão, …

Baixas na Segurança Social. Dois pesos pesados saem em plena crise

A vice-presidente e uma vogal do conselho diretivo do Instituto da Segurança Social abandonaram funções no final de agosto. A razão da saída não foi avançada. No final de agosto, o Instituto da Segurança Social (ISS) …

"Esforço coletivo para salvar o Natal". Nóbeis da Economia querem novo confinamento em dezembro

Esther Duflo e Abhijit Banerjee, prémios Nobel da Economia de 2019, propõem quarentena em França em dezembro, para que seja possível "festejar o Natal". O casal acredita que só assim será possível festejar a quadra …

Venda de vinhos alentejanos para a Suécia disparou (e foi graças à pandemia)

Nunca se tinham vendido tantos vinhos alentejanos para a Suécia como durante o período de confinamento em Portugal. A estratégia menos restritiva dos suecos contra a covid-19 ajuda a explicar esse cenário, verificando-se a mesma …

Spray nasal investigado na Austrália pode travar covid-19 (e tem uma taxa de eficácia de 96%)

É simples: com apenas uma ou duas aplicações por semana, o novo spray pode evitar que as pessoas infetadas com o novo coronavírus contagiem as outras à sua volta. Muito se tem falado sobre uma potencial …

Brad Parscale, ex-diretor de campanha de Trump, hospitalizado após tentativa de suicídio

O antigo diretor digital de campanha de Donald Trump, Brad Parscale, foi hospitalizado depois de a mulher ter alertado para tentativa de suicídio. Brad Parscale, ex-diretor digital de campanha do atual Presidente dos Estados Unidos, Donald …

Variante de SARS-CoV-2 oriunda de Itália marcou início da pandemia. Circulou durante dias sem controlo

O arranque da epidemia em Portugal foi marcado pela “disseminação massiva” de uma variante do SARS-CoV-2 com uma mutação específica, que começou a circular nas regiões Norte e Centro mais de uma semana antes do …

Existem 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas

Existem atualmente em Portugal 51 surtos ativos de covid-19 em lares e 12 em escolas, revelou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, a diretora-geral da Direção-Geral da Saúde, Graça Freitas. Sem identificar especificamente os lares …

Catalunha. Supremo Tribunal espanhol confirma inabilitação de Quim Torra

O Supremo Tribunal espanhol confirmou esta segunda-feira a inabilitação por um ano e meio do presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, por desobediência à junta eleitoral central. O acórdão, aprovado por unanimidade, obriga Torra …