Noivos chineses pagam por adolescentes paquistanesas (que fogem depois de se casar)

Hashoo Foundation / Flickr

Há uma nova mercadoria com procura em alta no mercado chinês: adolescentes paquistanesas com quem se possam casar.

Uma investigação da Associated Press, publicada esta terça-feira, desenha o caminho de uma jovem desde as vilas pobres em que vivia no Paquistão até à China, onde a pobreza se manteve igual, apesar das promessas de uma vida de luxo. Como muitas outras, acabou por fugir.

Muqadas Ashraf tinha 16 anos quando os pais a casaram com um chinês que se tinha deslocado ao Paquistão à procura de uma noiva. Menos de cinco meses depois, Muqadas está de volta ao país de origem, grávida e com acusações sérias em relação ao marido, que diz ter sido abusivo durante o breve relacionamento.

“Isto é tráfico humano”, disse Ijaz Alam Augustine, ministro dos Direitos Humanos e Minorias na província de Punjab. “O que está por de trás destes casamentos é a ganância. Eu encontrei-me com algumas destas meninas e as suas famílias são realmente muito pobres”, disse o ministro à AP.

O responsável atirou as culpas para a embaixada chinesa no Paquistão que, na sua opinião, se tornou conivente com esta prática ou escolher fornecer, sem fazer perguntas, vistos e autorizações de permanência a cidadãos chineses.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês defendeu-se dizendo que na China existe uma política de “tolerância zero” em relação às agências ilegais de casamento transnacional.

Devido à política do filho único, a demografia chinesa tornou-se um problema para os homens que têm poucas mulheres entre as quais escolher uma noiva. Esta escassez já tinha desencadeado uma procura anterior por mulheres nos países do sudeste asiático como o Laos, o Vietname ou a Coreia do Norte, mas agora a procura extravasa os meridianos mais próximos.

“É puramente um caso de oferta e procura. Os noivos chineses costumavam perguntar: tem a pele branquinha?. Agora só perguntam: é mulher?, ilustra Mimi Vu, diretora da organização Pacific Links, que ajuda mulheres vietnamitas vítimas de tráfico.

Mas os chineses não conseguem acesso a estas famílias vulneráveis sozinhos: há uma rede de padres, traficantes e informadores que contribuem para convencer estas jovens e as suas famílias das oportunidades que as esperam se casarem com os pretendentes chineses, muitos deles atualmente envolvidos na criação das infraestruturas que hão-de sustentar a nova Rota da Seda, um projeto que vai unir a economia chinesa a todo o Médio Oriente, Europa e Norte de África.

Munch Morris, padre na cidade de Gujranwala, disse à AP que conhece outros padres na paróquia e em outras próximas que trabalham com agentes matrimoniais chineses. Morris opõe-se a esses casamentos, considera-os de insulto: “São apenas por dinheiro”.

Saleem Iqbal, um ativista pela defesa dos direitos da comunidade cristã do Paquistão e jornalista numa rádio local na província de Punjab, disse à AP que “desde outubro do ano passado cerca de mil raparigas casaram com chineses em troca de dinheiro, algumas tinham apenas 13 anos”.

Mas o problema é ainda mais grave: os pais nem sempre recebem o que lhes foi prometido e as jovens não têm uma vida mais feliz, longe da discriminação que sofrem no Paquistão, um país maioritariamente muçulmano assente numa estrutura patriarcal onde as famílias das noivas têm que pagar à família do noivo para poderem casar as filhas.

O chinês que levou Muqadas Ashraf prometeu cinco mil dólares à sua mãe, Nasreen, mas a família nunca recebeu qualquer ajuda. “Acreditei mesmo que estava a ajudá-la a ter uma vida melhor e também a ajudar o resto da família aqui”, disse Nasreen à AP.

Muqadas tem a mesma história que Mahek Liaqat. Depois de os seus pais terem aceitado casá-las com chineses, ambas foram levadas para um prédio em Islamabad. Só aí viram, pela primeira vez, os seus maridos e tiveram que passar a noite com eles. Mahek, de 19 anos, disse à AP que esteve com o marido durante um mês, durante o qual ele recebeu várias outras jovens.

Simbal Akmal, de 18 anos, foi levada para um prédio parecido com aquele, que estavam irredutíveis na urgência de a casar, apesar da recusa da rapariga. Três homens chineses desfilaram à frente dela e o pai exigiu que  escolhesse um deles.

Ela disse que não queria casar, mas ele insistiu, alegando que era “uma questão de honra”. “Eles só queriam dinheiro, já me tinham prometido a um deles”, disse a jovem. Casou e fugiu, tal como a irmã. Ambas vivem agora no campo de refugiados criado por Iqbal para estas raparigas.

A organização Human Rights Watch disse em abril que “há evidências crescentes de que as mulheres e meninas paquistanesas correm o risco de serem escravas sexuais na China”.

Na segunda-feira, autoridades paquistanesas detiveram oito chineses e quatro paquistaneses em Punjab em conexão com o tráfico de mulheres. As deteções ocorreram no âmbito de uma investigação na qual os detetives participaram num casamento arranjado. A embaixada chinesa disse no mês passado que o governo de Pequim está a colaborar com o Paquistão nas investigações da atividade.

 

ZAP ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Engracado, como ha referencia a “há uma rede de padres,…” como se os paquinatenses fossem catolicos!!!!

    O politicamente correcto a tornar-se politicamente absurdo. Chamem as vacas pelos nomes:
    Catolicos = Padres
    Muculmanos = … digam la!

    • bem visto João! Subscrevo!
      E acrescento: as famílias que agora vêm armados em virgens ofendidas e enganadas, tenham vergonha. Por serem ganaciosas venderam as filhas. É disso que se trata: tráfico sexual. Ponto. Deixemo-nos de merdas e chamemos as coisas pelos nomes.
      Em certas culturas, outra coisa politicamente incorrecta, os filhos (na verdade, principalmente as filhas) são coisas, propriedade dos pais, que deles podem dispor livremente para o que entenderem, até para a venda.
      Curiosamente, isso, como muito bem assinalou, tem tendência a ocorrer num determinado espaço geográfico e cultura/religião…

      • Acrescento ainda que na India e Paquistão os casamentos são “regra geral”, arranjados. Digo isso com certeza de conhecer a cultura pois conheci alguns Indianos nos meus contactos profissionais. Ainda dito por quem conheci, são felizes com essa escolha e dizem que não o fariam de outra forma, ou seja e resumindo, são culturas diferentes da nossa, é como é.

RESPONDER

Bactérias benéficas do leite materno mudam ao longo do tempo

De acordo com um novo estudo, a mistura de bactérias benéficas transmitidas pelo leite materno muda significativamente com o tempo. Este pode atuar como uma injeção de reforço diário para a imunidade e metabolismo infantil. Os …

Quando um tigre vale mais morto do que vivo: A sórdida realidade das quintas de procriação

Em alguns países asiáticos, quintas de procriação de tigres exploram até ao tutano o valor económico do animal, submetendo-o a condições de vida degradantes. Tigres já foram puderam ser encontrados em grande parte da Ásia, do …

Ana Estrada Ugarte. Em decisão histórica, Peru abre as portas à eutanásia

Numa decisão histórica esta quinta-feira, o 11.º Tribunal Constitucional do Superior Tribunal de Justiça de Lima, no Peru, ordenou ao Ministério da Saúde do país que respeitasse a vontade de Ana Estrada Ugarte de acabar …

Árbitros estrangeiros na próxima época? APAF recusa "atestado de incompetência"

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF) tem a certeza de que o Conselho de Arbitragem (CA) não irá passar um "atestado de incompetência" aos árbitros portugueses, chamando estrangeiros para encontros de Ligas nacionais. Segundo …

Depois do desconforto que a série causou na Família Real, Harry defende "The Crown"

Durante uma entrevista a James Corden, para o programa americano The Late Late Show, o príncipe Harry defendeu a série The Crown da Netflix, explicando que embora não seja “estritamente precisa”, retrata a pressão da …

Benfica vai apresentar queixa por ameaças de morte a Vieira e vandalismo

O Benfica vai avançar com queixas devido às ameaças de morte ao presidente do clube em tarjas colocadas nas imediações do Estádio da Luz, mas também pela vandalização de várias casas benfiquistas. Segundo o jornal online …

Submarino civil transparente pode levá-lo ao local do naufrágio do Titanic

A Triton, uma empresa com sede na Florida, fabrica submarinos civis de última geração há mais de uma década. Agora, vai fazer nascer o Triton 13000/2 Titanic Explorer, que para além de oferecer aos passageiros …

Catorze detidos nos novos protestos em Barcelona a favor de Pablo Hasél

Pelo menos 14 pessoas foram detidas pela polícia catalã, este sábado, durante os distúrbios que se seguiram a mais uma manifestação em Barcelona a reclamar a libertação do rapper Pablo Hasél. Segundo o jornal Público, pelo …

Procuradores avançam para tribunal contra nomeações de chefias

O Conselho Superior do Ministério Público (CSMP) está envolvido numa nova polémica, depois do concurso que culminou na indigitação de José Guerra para a Procuradoria Europeia. Segundo avança o Jornal de Notícias, este domingo, um concurso para …

A partir de segunda-feira, eletrodomésticos vão ter novas etiquetas energéticas

As organizações não-governamentais ambientalistas saúdam as novas etiquetas energéticas, que entram em vigor esta segunda-feira, mas pedem “mais atenção” ao consumidor e “maior rapidez” na reclassificação de “mais produtos”. Em comunicado, a cooligação Coolproducts, um grupo …