Nobel da Paz Aung San Suu Kyi pode vir a ser julgada por genocídio

Htoo Tay Zar / Wikimedia

Aung San Suu Kyi, líder de Myanmar

O alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos está determinado em fazer com que os perpetradores dos horrores cometidos contra os rohingya enfrentem a Justiça, mas alerta que as acusações de genocídio podem ser muito difíceis de provar.

Numa entrevista à BBC, o alto-comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, afirma que a líder de Myanmar pode vir a ser responsabilizada pela “limpeza étnica” contra os rohingya levada a cabo pelo exército.

O responsável diz que está determinado em fazer com que os perpetradores dos horrores cometidos contra esta minoria étnica enfrentem a Justiça, podendo a Nobel da Paz e agora líder do país, Aung San Suu Kyi, e o chefe das forças armadas, Gen Aung Min Hlaing, virem a ser confrontados com acusações de genocídio no futuro.

“Dada a escala da operação militar, estas são decisões que claramente terão de ser tomadas ao mais alto nível”, afirmou à BBC Panorama no início deste mês, num encontro na sede da ONU em Genebra, na Suíça.

Porém, Al Hussein explica que este crime, aquele a que chama “o crime dos crimes”, é muito difícil de provar. “Por razões óbvias, se alguém está a planear cometer genocídio não se compromete com isso no papel nem fornece instruções”, explica.

A fasquia de provas é elevada. Mas não me surpreenderia se, no futuro, um tribunal apurasse isso com base naquilo a que estamos a assistir”, declara o alto-comissário.

Aliás, o canal britânico realça que, até hoje, poucas foram as pessoas condenadas pelo crime de genocídio, consagrado depois do Holocausto, quando os membros da recém-fundada ONU assinaram uma convenção que definia o genocídio como “atos cometidos com a intenção de destruir um grupo em particular”.

No entanto, Al Hussein afirma que já pediu uma investigação criminal a nível internacional para analisar os ataques e que entrou em contacto com Suu Kyi a pedir que acabasse com esta violência quando, em fevereiro, foi publicado um relatório que documentava as atrocidades cometidas contra os rohingya.

“Pedi-lhe que conseguisse que estas operações militares acabassem. Apelei ao seu lado emocional para que fizesse todos os possíveis para acabar e, infelizmente, isso não aconteceu”, conta.

O responsável reconhece à BBC que o poder da líder sobre o exército é limitado mas que, mesmo assim, acredita que Suu Kyi podia fazer mais para defender a minoria étnica.

Além disso, o alto-comissário também a critica por não usar o termo ‘rohingya’. “Roubar-lhes o nome é desumanizante ao ponto em que se começa a acreditar que tudo é possível”.

A organização Médicos Sem Fronteiras denunciou, na semana passada, que pelo menos 6.700 rohingya morreram desde finais de agosto na sequência desta violência.

Hoje, a Human Rights Watch (HRW) denunciou que outras 40 aldeias no oeste do país foram queimadas no âmbito da ofensiva militar. A organização recorreu a imagens de satélite para identificar os novos incidentes, registados entre outubro e novembro, que elevam para 354 o número de aldeias total ou parcialmente queimadas desde o início da campanha do exército birmanês em 25 de agosto.

Mais de 650 mil rohingyas já fugiram de Myanmar para o Bangladesh.

A antiga Birmânia, onde mais de 90% da população é budista, não reconhece cidadania aos rohingya, uma comunidade apátrida considerada pela ONU uma das mais perseguidas do planeta.

Apesar de muitos viverem no país há gerações, os rohingya não têm acesso ao mercado de trabalho, às escolas, aos hospitais, além de enfrentarem uma série de privações, nomeadamente de movimentos.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Astrónomos localizaram com precisão o centro do Sistema Solar

Pela primeira vez, uma equipa internacional de cientistas foi capaz de localizar com precisão o centro de gravidade do Sistema Solar. De acordo com o portal Science Alert, que recorda que o baricentro (centro gravidade) …

Misteriosa cruz de mármore com 1.200 anos encontrada no Paquistão

Uma cruz de mármore foi recentemente descoberta no cimo das montanhas do Baltistão, no Paquistão. Os investigadores acreditam que tem cerca de 1.200 anos e que pode ser um sinal da presença de uma antiga …

Nona Sinfonia de Beethoven revela novos detalhes sobre o cérebro humano

A Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven, 250 anos após a sua criação, ajudou a demonstrar a existência de células conceituais no cérebro. Quase 200 anos depois da morte de Beethoven, a maior obra do músico …

Governo vai suspender devolução dos manuais escolares

O ministro da Educação informou hoje que o Governo vai suspender a devolução de manuais escolares, em curso desde 26 de junho, cumprindo a decisão do parlamento, que aprovou uma proposta nesse sentido. O plenário da …

Cuba prestes a abrir portas ao turismo (exceto aos cubano-americanos)

Depois de fechar as suas fronteiras para os turistas no final de março por causa da pandemia da covid-19, Cuba prepara-se agora para reabrir várias das suas baías ao turismo - mas há algumas exceções. …

Cidade do México enterrou os rios para prevenir doenças, mas a covid-19 resiste e prospera

Na tentativa de evitar a disseminação de doenças como a malária e a cólera, a Cidade do México enterrou os seus rios. Agora, como consequência, criou inadvertidamente as condições necessárias para a covid-19 prosperar. A Cidade …

Descoberto sistema de túneis da I Guerra onde estarão enterrados dezenas de soldados

A Agência do Património da Bélgica anunciou esta semana a descoberta de um sistema de túneis alemão da I Guerra Mundial, onde estarão, muito provavelmente, dezenas de soldados enterrados. Em comunicado, citado pela Russia Today, …

Cinco funcionários da Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia

Cinco funcionários da produtora automóvel Tesla dizem ter sido despedidos por terem ficado em casa durante a pandemia, avança o The Washington Post. De acordo com o jornal norte-americano, foram cinco os colaboradores dispensados da …

"Qual o lugar mais seguro?". Costa compara infetados no Reino Unido e Algarve

O primeiro-ministro apresentou hoje uma tabela que mostra o Reino Unido muito acima do Algarve em número de infetados com covid-19 por cem mil habitantes e pergunta qual o lugar mais seguro para umas férias …

Azul anuncia venda de 6% da TAP ao Estado por 10 milhões de euros

A companhia aérea brasileira Azul, de David Neeleman, anunciou hoje a venda de 6% da TAP, no âmbito do acordo anunciado esta quinta-feira entre o Estado e os acionistas privados, que “garante a continuação” da …