No São José, há um doente numa cama 9 meses depois de ter alta. Não tem para onde ir

O Centro Hospitalar Lisboa Central tem diariamente uma média de 70 camas ocupadas com doentes que já deviam ter saído do hospital e há atualmente um caso que espera há nove meses por uma solução.

Em entrevista à agência Lusa, a presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar, que integra o São José, disse que tem mais de 30 pessoas que já tiveram alta clínica a ocupar camas nos hospitais, sendo casos sociais, que necessitaram de apoio familiar ou de um lar, por exemplo.

A estes acrescem mais de 30 outras camas de pessoas que aguardam uma vaga na rede de cuidados continuados integrados. “Em média, temos entre 70 a 80 camas indevidamente ocupadas”, indicou Rosa Valente Matos.

Dos 31 casos sociais a ocupar camas no Centro Hospitalar, a responsável destacou a situação de uma pessoa que teve alta clínica há 265 dias sem que tenha sido possível encontrar uma solução. “É o caso social mais antigo, que não conseguimos resolver”, lamentou, indicando que se trata de um utente que não tem família e precisa de uma resposta de acolhimento, como um lar.

Rosa Valente Matos sublinhou que há um largo conjunto de pessoas “que não tem respostas ao nível da família”. “Temos de trabalhar em rede, com as câmaras, com as juntas de freguesia, com as paróquias e criar uma rede de suporte e de apoio para estas pessoas. São este tipo de situações que precisamos de resolver e de encontrar resposta. A sociedade não está preparada para dar essa reposta e temos de a encontrar. É preciso agregar várias entidades”, afirmou.

A administradora refere que diariamente os profissionais do Centro Hospitalar vão resolvendo casos sociais na medida do que é possível, conseguindo pelo menos que o número de pessoas nesta situação não aumente.

Há ainda depois as camas “indevidamente ocupadas” por doentes que estão a aguardar uma vaga na rede de cuidados continuados integrados, que esperam muitas vezes dois, três ou mais meses”. “Temos os casos sociais e estes casos. E não são só pessoas idosas. Há também pessoas mais jovens, na casa dos 40 ou 50 anos”, contou à Lusa.

Segundo o último Barómetro dos Internamentos Sociais da Associação dos Administradores Hospitalares, divulgado em meados deste ano, há cerca de mil camas todos os dias ocupadas por internamentos sociais nos hospitais públicos, sendo casos de pessoas já com alta clínica e que não precisariam de estar internadas.

Novidades no hospital de São José

O Hospital de São José, criou uma consulta pós-urgência que garante a observação de doentes em 24 a 72 horas, para evitar internamentos desnecessários e reduzir o afluxo de utentes que são utilizadores frequentes das urgências.

Esta é uma das novidades no serviço de urgência do São José, que começou a funcionar há cerca de duas semanas, a par com a criação da figura do hospedeiro, um profissional que na urgência faz a ligação entre os utentes, os acompanhantes e os restantes profissionais de saúde.

Em entrevista à agência Lusa, a presidente do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central (CHULC), que integra o São José, explicou que a consulta pós-urgência tem o objetivo de evitar internamentos desnecessários, garantindo acompanhamento no espaço de 24 a 72 horas.

Cabe aos médicos de medicina interna em serviço na urgência identificar os utentes que podem ir para casa mas que precisam de uma avaliação médica no prazo de três dias, encaminhando o doente para essa consulta pós-urgência.

Até à efetivação da consulta, um enfermeiro ou um médico fazem contactos telefónicos com o doente e com a família para perceber a evolução da situação. Segundo a presidente do CHULC, Rosa Valente Matos, esta consulta tem também o objetivo de reduzir a procura das urgências por parte dos utilizadores frequentes.

“Temos o levantamento dos frequentadores que vêm mais de quatro vezes por ano à nossa urgência. Pretendemos retirá-los do serviço de urgência e encaminhá-los, sim, para o seu médico de família ou centro de saúde”, defendeu a responsável.

Para isso, a consulta pós-urgência contacta diretamente com o centro de saúde da área de residência do doente, de forma a poder encaminhá-lo para um correto encaminhamento. “Temos uma boa articulação. E é tudo feito sem papel e o doente tem pouca interferência em termos de processo. Garantindo que tudo lhe é facilitado e que não anda perdido no sistema, com uma verdadeira integração de cuidados. Pretende-se que o doente perceba que há uma equipa no hospital e no centro de saúde”, explicou.

Em duas semanas de funcionamento, esta consulta pós-urgência já conseguiu evitar o internamento de pelo menos 10 doentes.

A urgência do São José decidiu também criar a figura do hospedeiro, com o objetivo de orientar ou apoiar os doentes enquanto estão ou aguardam na urgência, bem como os seus familiares. A função foi criada há cerca de sete meses e, segundo a presidente do Centro Hospitalar, tem ajudado não só os doentes como todos os outros profissionais de saúde, libertando-os para as suas funções essenciais.

“Retirou stress dos profissionais. As pessoas deixaram de correr à procura do médico ou enfermeiro a pedir informações. Muitas vezes, os hospedeiros apoiam os utentes até no ato de ir tomar um café ao bar ou levando informação ao familiar que está na sala de espera”, exemplificou Rosa Matos.

Até ao momento, a função conta com três elementos, que asseguram a urgência das 10h às 23h durante a semana e aos fins de semana e feriados em horário mais reduzido.

Sofia Oliveira, uma das hospedeiras, resume os objetivos da sua função: “o principal é fazer de elo de ligação entre profissionais, utentes e acompanhantes. As pessoas sentem necessidade de informação, de ajuda para saber como está a sua situação. Tentamos fazer a ligação com quem pode informar”.

É também uma forma de tranquilizar utentes e famílias que “muitas vezes estão muitas horas à espera”, sempre com a vertente do serviço social, fundamental num hospital que abrange uma população envelhecida. Para a hospedeira, esta tarefa tem trazido também maior ânimo profissional: “Saímos de coração cheio, porque é um trabalho de ajuda quem está a precisar. Estamos cá para, de alguma forma, tornar isso possível”.

Hospital “não aguenta muito mais anos”

O futuro Hospital de Lisboa Oriental “tem mesmo de ser uma realidade” porque a estrutura do São José e dos Capuchos já não aguenta muito mais tempo e a nova unidade trará ainda um aumento de produção.

Em entrevista à agência Lusa, a presidente do Centro Hospitalar Lisboa Central, que será substituído pela nova unidade, estima que o futuro Hospital de Lisboa Oriental leve a um aumento de produção de pelo menos 25% em relação ao que atualmente fazem as seis unidades de saúde que vão ser substituídas.

Rosa Valente Matos sublinha que o Lisboa Oriental “tem mesmo de ser uma realidade”, sob pena de terem de se encontrar alternativas. “O Hospital dos Capuchos não aguenta muito mais tempo, não tem capacidade em termos de infraestrutura para aguentar muito tempo, uns três ou quatro anos, no máximo”, sublinha a responsável.

Também o Hospital de São José “não aguenta muitos mais anos”, sendo que as instalações e estruturas estão velhas, muitas vezes degradadas e necessitariam de obras profundas.

“É impossível fazer grandes obras no São José ou nos Capuchos. Vamos fazendo pequenas obras, porque tem de haver condições mínimas de trabalho. Mas os portugueses não iam perceber se gastássemos uns milhões em São José ou nos Capuchos. Uma coisa é tratar, recuperar, tornar os espaços agradáveis para profissionais e doentes. Outra coisa é fazer grandes obras que ninguém compreenderia”, argumenta Rosa Valente Matos.

Uma das obras em curso em São José é a recuperação e reformulação da urgência, obra que deverá estar concluída durante o mês de janeiro e que representou um investimento de 1,2 milhões de euros, decorrendo sem que o serviço de urgência fosse interrompido.

Rosa Valente Matos calcula que dentro de quatro ou cinco anos as unidades do Lisboa Central possam estar no novo hospital, estimando que a produção e a gestão dos profissionais melhorem com a futura unidade.

“É uma estrutura com seis hospitais. Temos três urgências a funcionar: São José, Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa. Imagine-se tudo isto concentrado. Em termos de produção, aumentaria no mínimo 25%. Até a gestão de recursos humanos seria diferente” defende.

Oito empresas chegaram a apresentar já propostas no concurso público internacional para a construção e manutenção do futuro Hospital de Lisboa Oriental. O concurso público internacional em curso visa a conceção e construção do Hospital de Lisboa Oriental, em regime de Parceria Público-Privada nesta parte da construção e não na gestão clínica.

A instalar em Marvila numa área de 180 mil metros quadrados, o novo hospital poderá estar construído em 2023 e terá uma capacidade mínima de 875 camas. O hospital vai representar para o operador privado um investimento de cerca de 330 milhões de euros e, para o Estado, estima-se uma renda anual que poderá rondar os 16 milhões de euros durante 27 anos do contrato.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Aqui está uma situação anormal que implica uma má prestação do hospital e que outra organização deveria assumir, mas como nada disso existe em quantidade necessária para as necessidades do país assim se entopem os serviços hospitalares que deveriam estar disponíveis ao outros utentes em lista de espera.

RESPONDER

O mar interno da misteriosa Encélado "grita" habitabilidade

Uma equipa de especialistas desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono do interior de Encélado, lua de Saturno que abriga um oceano, pode ser controlado através de reações químicas no …

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …

Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer. James Mitchell foi o psicólogo responsável …

Belenenses e Belenenses SAD chegam a acordo para suspender ações judiciais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou, esta sexta-feira, que foi alcançada uma suspensão das ações judiciais entre o Belenenses e a Belenenses SAD. Em comunicado publicado na sua página oficial, a FPF informou que o …

Amazon quer que os clientes paguem com as mãos

A gigante tecnológica Amazon quer que os  clientes comprem e efetuem o pagamento com um aceno da mão em vez de passar um cartão numa máquina. De acordo com o Wall Street Journal, que cita fontes …