“Não há justificação” para que a Proteção Civil não tenha usado o aviso via SMS

Estela Silva / Lusa

A Associação Proteção e Socorro (APROSOC) considera que “não há justificação” para que a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) não tenha utilizado as SMS de alerta à população durante as depressões “Elsa” e “Fabien”, que atingiram o país entre o fim desta semana e este domingo.

A reação da APROSOC surge depois de o Jornal de Notícias ter avançado na sua edição deste domingo que o uso destes alertas, considerado internacionalmente um dos melhores meios de aviso, foi dispensado pela Proteção Civil.

Em declarações ao matutino, Miguel Cruz, adjunto de operações da ANEPC, admitiu que “a opção passou por trabalhar mais a ligação com as populações via comunicados de imprensa com a colaboração dos órgãos de comunicação“.

Ao jornal Público, o comandante da ANEPC, Duarte da Costa, indicou neste domingo que os meios de alerta utilizados durante a tempestade Elsa são “muito mais eficazes” nestas circunstâncias do que o envio de mensagens escritas por telemóvel (SMS).

“Nesta altura as SMS não seriam o meio ideal. Através dos serviços municipais de proteção civil, temos outros meios mais rápidos e mais específicos para passar mensagens efetivas, que sejam compreendidas pela população, que foi o que sucedeu”, disse o responsável aos jornalistas, dando conta que a opção foi tomada dois dias antes da chegada da tempestade a Portugal.

No entanto, as justificações apresentadas pela Proteção Civil não convencem a APROSOC. “Não há qualquer justificação para que o aviso por SMS não tenha sido utilizado”, disse João Paulo Saraiva, da associação, em declarações à TSF. “Nem toda gente tem acesso às redes sociais, nem toda a gente tem Internet nos telemóveis, nem toda a gente está atenta aos órgãos de comunicação social”, recordou.

Nesta situações, as mensagens escritas ajudariam a “complementar” a forma de aviso às populações afetadas pelas depressões.

O JN, que este domingo lançou a notícia, avança esta segunda-feira que as SMS não foram utilizadas por falta de pessoal. De acordo com o diário, a utilização deste serviço depende do voluntarismo dos funcionários do “call center” da ANEPC, que têm antecipadamente de se disponibilizar para realizar este serviço, uma vez que não há gente suficiente.

Esta situação condiciona diretamente a utilização do sistema que em julho do ano passado foi contrato pelo Estado à NOS, MEO e Vodafone. Custou 900 mil euros e tem a duração de um ano.

“O sistema de aviso SMS não é o mais eficaz”

À TSF, o representante da APROSOC afirma ainda que o sistema de mensagens não é o mais eficaz. “É um problema essencialmente político”, explica, dando conta que a difusão celular seria uma melhor forma de fazer os avisos à população.

Em 2010 e 2011, conta, a APROSOC e a ANEPC apresentaram propostas ao Governo para que fosse implementado sistema de difusão celular. “O sistema de aviso por SMS não é, seguramente, o sistema mais eficaz. Qualquer pessoa mal-intencionada pode criar falsos avisos por SMS, qualquer um o pode fazer, é muito fácil enganar as pessoas”.

A difusão celular, defende João Paulo Saraiva, “tem a possibilidade de ter mais texto e não tem tantas vulnerabilidades”. A Proteção Civil “não deve ser um negócio”, atira.

“Não faz qualquer sentido que o Estado português tenha uma despesa de mais de um milhão de euros por ano para suportar este serviço, que é muito caro para a utilidade que está a ter”, lamenta João Paulo Saraiva.

“Estamos a falar de um serviço de utilidade pública e que, inclusivamente, permite aos operadores de telecomunicações a sua promoção. A Proteção Civil não deve ser um negócio”, remata à TSF o responsável.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. um milhão de euros para os Boys se banquetearem!!! E apenas por um ano … um cidadão normal envia os milhares de e-mails e SMS que quiser sem qualquer custo, mas o estado paga um milhão por ano … é estranho … e ainda mais estranho quando nem usa o serviço …. e não usa porquê? Porque não tem pessoal? Num País com mais de 700 mil funcionários públicos? Eu explico – os senhores FP querem (como todos nós) ter todas as férias no Natal, Passagem de Ano e Agosto – claro que numa empresa normal isto não é admitido e têm de se revezar nessas férias (este ano eu – para o ano tu – todos queremos férias nesses periodos mas sabemos que não pode ser assim) – mas quando toca ao Estado ninguém se preocupa se os serviços ficam vazios ou se perdem a capacidade de resposta e dá nisto: Passamos o ano todo a pagar a funcionários de um serviço de emergências e depois corremos o risco de estarem todos de férias durante as ditas emergências! Grande Organização e Produtividade, como sempre, embora premiadas com ordenados e regalias muito acima daqueles que têm de pagar a festa!

RESPONDER

Ventura admite "entendimento" com o PSD/Madeira semelhante ao dos Açores

O líder do Chega admitiu, esta sexta-feira, que poderá haver um "entendimento" com o PSD/Madeira semelhante ao estabelecido nos Açores. "Se o que estiver em cima da mesa for o Partido Socialista estar à beira de …

"Não trocaria Ceni por Jesus"

Análise ao que fez diferença no Brasileirão 2020: o plantel do Flamengo, que é melhor do que o elenco de todos os outros clubes. O Brasileirão 2020 - que só terminou em 2021 - teve um …

Irão condena "firmemente" ataque na Síria. EUA quis enviar "mensagem clara"

O Irão, aliado do regime sírio de Bashar al-Assad, condenou "firmemente" os ataques norte-americanos a milícias pró-iranianas na Síria, considerando que podem "intensificar os conflitos" na região. Segundo o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Said …

Vieira segura Jesus apesar da pressão interna

O presidente do SL Benfica, Luís Filipe Vieira, descarta neste momento avançar para a demissão do treinador encarnado, Jorge Jesus, apesar da pressão interna para o fazer, avança este sábado o desportivo Record. Segundo a …

Os antigos egípcios tinham um segredo para fazer pão. Milénios depois, eis a receita

Ninguém sabia como é que os antigos egípcios faziam pão, até uma investigadora ter posto – literalmente – as mãos na massa e descoberto qual era o seu segredo. "A produção de pão no Egito faraónico …

Afinal, Messi pode mesmo ficar em Barcelona

O internacional argentino Lionel Messi, que no verão passado admitiu publicamente que queria deixar o FC Barcelona, poderá continuar no clube. A informação é avançada este sábado pelo jornal espanhol Marca, que dá conta que …

Governo vai começar a executar o PRR pela área da saúde e apoio aos idosos

O Governo quer começar a executar o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) pela área da saúde e combate às vulnerabilidades sociais. Em declarações ao jornal Público, a ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira …

Testes alargados a todas as escolas e passam a contemplar amostras de saliva

Os testes ao novo coronavírus vão abranger todas as escolas de Portugal continental e contemplar a amostra de saliva para a realização dos rastreios laboratoriais, segundo a atualização da norma da Direção-Geral da Saúde (DGS) …

Poeira de asteróide encontrada na cratera Chicxulub encerra caso da extinção dos dinossauros

Uma equipa de investigadores acredita ter encerrado o caso da extinção dos dinossauros após ter encontrado poeira de asteróide na cratera que Chicxulub terá criado há 66 milhões de anos. Desde os anos 1980 que a …

CDS recebeu com "alegria e entusiasmo" candidatura de Moedas a Lisboa

O presidente do CDS-PP afirmou, esta sexta-feira, que o partido recebeu com "grande alegria e entusiasmo" a candidatura de Carlos Moedas à Câmara de Lisboa, considerando que é "um nome forte" e uma "ótima notícia" …