Não há como “voltar ao normal” (e quanto mais depressa aceitarmos, melhor)

Mário Cruz / Lusa

Os psicólogos consideram que ter saudades da vida quotidiana do início do ano não é necessariamente algo mau. O perigo está em ansiar pela normalidade, em vez de tentar descobrir como lidar com o que está por vir, numa altura em que o mundo se vê a braços com uma pandemia.

Thomas Davenport, professor no Babson College, nos Estados Unidos, defende que “os políticos que fingem que o ‘normal’ está ao virar da esquina estão a enganar os cidadãos e a eles próprios” e que a pandemia de covid-19 mudou o mundo, pelo menos como o conhecíamos.

À CNN, o docente explicou que a tendência humana de acreditar que a mudança é temporária e que o futuro se parecerá novamente com o passado costuma ser chamada de “viés de normalidade“.

As pessoas que não se adaptam à mudança acreditam que o “normal” vai voltar e atrasam a modificação das suas rotinas diárias ou das suas perspetivas.

Aqueles que se recusam a usar máscara de proteção, por exemplo, podem ser culpados de preconceito de normalidade, uma vez que encaram essa intrusão nas suas vidas como uma moda passageira que não precisam de abraçar.

Ainda assim, apesar de uma parte do nosso cérebro se sentir tentado a resistir à mudança, encarando os desastres como um evento passageiro, há uma outra parte mais forte que abraça o novo normal muito rapidamente. Chama-se “adaptação hedónica” e é a capacidade de a mente aceitar rapidamente algo que, semanas antes, a teria paralisado.

O benefício da adaptação hedónica é que ela funciona em todas as direções: isto significa que as mudanças que alteram a vida diária em apenas um mês podem ser abandonadas rapidamente no mês seguinte. “Pode ser a adaptação à máscara como ao novo normal”, disse Sonja Lyubomirsky, professora de psicologia da Universidade da Califórnia.

Os comportamentos que permanecem são aqueles que estão inseridos nas nossas rotinas diárias, que são “acionados automaticamente“.

“Agora, lavamos as mãos com mais frequência, sem pensar. Isso é algo que definitivamente pode permanecer na nossa rotina”, rematou.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Já não há paciência (eu nunca tive) para ler coisas, ditas por supostas personagens, que ninguém conhece, e mesmo assim alguém PAGA para aparecerem em “notícias” destas. Já todas as pessoas perceberam que este circo é uma trapaça montada levando-nos para o país das maravilhas e da carneirada. Máscaras fazem mal ás pessoas. Fazem feridas e borbulhas que provocam infecções. Criam estigmas mentais porque… enfim. Toda a gente sabe. Boa saúde a todos

RESPONDER

Sporting 2-2 Belenenses SAD | Líder salva virgindade nos descontos

A Belenenses SAD esteve a segundos de cumprir a promessa de Petit, que na antevisão da partida apontava para a primeira derrota do Sporting. Os “azuis” estiveram a vencer por 2-0, graças a uma eficácia …

Quatro anos depois, Danny recuperou a sua prancha. Estava a 2700 quilómetros

Um surfista australiano recuperou a sua prancha quatro anos depois de a ter perdido. Estava a 2700 quilómetros do sítio onde a tinha visto pela última vez. Danny Griffiths, um surfista habituado a ondas grandes, perdeu …

Os astronautas precisam de um frigorífico. Engenheiros trabalham num que funciona de "cabeça para baixo"

Para que os astronautas façam longas missões à Lua ou a Marte, precisam de um frigorífico, mas estes eletrodomésticos não são projetados para funcionar em gravidade zero. Os astronautas precisam de frigoríficos para as missões prolongadas …

A maior "cidade-fantasma" da China voltou a florescer (graças à educação)

Kangbashi, na Mongólia Interior, é considerada há muitos anos a maior "cidade-fantasma" da China. Agora, tem muito a agradecer a uma jogada inesperada, mas muito eficaz: o setor da Educação. Há alguns anos que Kangbashi, uma …

Carro da Tesla ajuda o FBI a capturar homem suspeito de atear fogo em igreja

As câmaras de um Tesla ajudaram as autoridades a prender um homem suspeito de atear fogo numa igreja na cidade de Springfield, no estado de Massachusetts. A congregação foi atacada mais de uma vez em …

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …