Museus americanos guardam os restos mortais de milhares de negros

Vários museus norte-americanos mantêm consigo os restos mortais de milhares de afro-americanos escravizados, muitos deles sem o consentimento das famílias.

Entre os restos mortais nas coleções do museu da Universidade de Harvard estão os de 15 pessoas que provavelmente eram escravos afro-americanos. No início deste ano, a universidade anunciou um novo comité que conduzirá uma investigação abrangente das coleções de Harvard, desenvolverá novas políticas e proporá formas de repatriar os restos mortais.

“Devemos começar a confrontar a realidade de um passado no qual a curiosidade académica e as oportunidades dominaram a humanidade”, escreveu o presidente da Universidade de Harvard, Lawrence S. Bacow.

Esta história desumanizante de recolher corpos afro-americanos como espécimes científicos não é um problema apenas em Harvard.

No ano passado, a Universidade da Pensilvânia anunciou que o seu museu de antropologia abordará o legado de 1.300 crânios humanos – incluindo os de 55 escravos de Cuba e dos Estados Unidos – na sua coleção, que historicamente foi usada para denegrir a inteligência e o carácter de negros e nativos americanos.

Outras instituições têm muito mais esqueletos negros nos seus armários. Segundo uma estimativa, o Smithsonian Institution, o Museu de História Natural de Cleveland e a Howard University mantêm os restos mortais de cerca de 2.000 afro-americanos entre eles.

O total aumenta quando se consideram museus com vestígios de outras populações da diáspora africana. Não se sabe quantos conjuntos de restos mortais estão nos depósitos de museus nos Estados Unidos e se foram ou não recolhidos com consentimento.

Investigadores e ativistas dos EUA estão agora a procurar reconhecer e corrigir a profunda história de violência contra corpos negros. Os museus e a sociedade estão finalmente a confrontar como é que os desejos da ciência às vezes eclipsam os direitos humanos.

Como é que os restos mortais de tantos negros foram parar nas coleções, e o que pode ser feito a respeito disso?

O abuso e a circulação de restos humanos afro-americanos para investigação datam de pelo menos 1763, com a dissecação de cadáveres de escravos para a primeira aula de anatomia nas colónias americanas.

A recolha sistemática de restos mortais de afro-americanos, bem como de pessoas de outras comunidades marginalizadas, começou com o trabalho de Samuel George Morton. Considerado o fundador da antropologia física americana, Morton profissionalizou a aquisição de restos mortais em nome da prática científica e da educação.

Morton ostentou a primeira coleção de restos mortais humanos, a certa altura considerada a maior do mundo. Ele usou-a para promover hierarquias racistas através de interpretações pseudocientíficas de medidas cranianas. A investigação resultou na sua magnum opus de 1839, “Crania Americana”, repleta de centenas de imagens desenhadas à mão de crânios e categorização racial com lógica defeituosa.

A sua coleção acabou por ir parar à Universidade da Pensilvânia. Só no ano passado é que a universidade anunciou oficialmente que a coleção tinha sido removida de uma vitrine de uma sala de arqueologia.

O impacto da coleção e da carreira de Morton ricocheteou por toda parte, estabelecendo as bases para práticas antiéticas baseadas no roubo, transporte e acumulação de restos mortais – especialmente daqueles mais marginalizados.

As instituições há muito abraçaram essas coleções principalmente para o trabalho pseudocientífico de justificar hierarquias raciais. Mas elas também aumentaram o seu prestígio pelo número de restos mortais nas suas coleções que poderiam ser usados para estudos, bem como para exposições que alimentaram a curiosidade mórbida do público.

Eventualmente, a maioria das instituições afastou-se destes objetivos originais, mas manteve os restos mortais para ensinar biologia esquelética e testar novos métodos científicos. A maioria das coleções de museus, no entanto, permanece sem uso, na crença de que pode ajudar a responder a perguntas em algum momento no futuro.

O Senado dos Estados Unidos aprovou a African American Burial Grounds Network Act em dezembro de 2020. Este projeto de lei estabeleceria uma rede voluntária para identificar e proteger cemitérios afro-americanos frequentemente em risco.

O programa seria administrado pelo Serviço Nacional de Parques e nada na legislação se aplicaria à propriedade privada sem o consentimento dos proprietários. Mais de 50 organizações nacionais, estaduais e locais proeminentes apoiam a aprovação da lei.

Mas mesmo essa legislação não inclui os restos mortais de negros nas coleções de museus. Tal adição estaria mais de acordo com a Native American Graves Protection and Repatriation Act, uma lei federal de 1990 que trata de restos mortais de índios americanos em todos os contextos – tanto no solo como em coleções.

Este trabalho é necessário porque muitos dos restos mortais dos negros, como os dos nativos americanos, foram levados sem o consentimento da família, usados de maneiras que infringiam as tradições espirituais e tratados com menos respeito do que a maioria dos outros na sociedade.

  ZAP // The Conversation

PARTILHAR

RESPONDER

Há mais de 100 anos, o Hawai teve uma monarquia - mas a determinação da princesa Ka'iulaniem não chegou para a preservar

Antes de morrer, com apenas 23 anos, a princesa Victoria Ka'iulani foi a última herdeira da coroa havaiana. A jovem era uma das últimas esperanças em manter a monarquia viva, mas nem a sua determinação …

Preço da luz no mercado regulado deverá subir 0,2% em 2022

O preço da eletricidade para os consumidores do mercado regulado deverá subir 0,2% no próximo ano face à média do ano em curso, segundo a proposta da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) hoje anunciada. “Para …

Governo recua e anuncia redução de imposto sobre combustíveis. Gasolina desce dois cêntimos e gasóleo um

Com a subida abrupta do preço dos combustíveis, o Governo anunciou esta sexta-feira à tarde que irá reduzir o ISP. Na prática, ao consumidor isto significa que o preço da gasolina vai baixar dois cêntimos …

Bolsonaro admite que chora sozinho na casa de banho

Num encontro organizado pela igreja evangélica Comunidade das Nações, em Brasília, na quinta-feira, o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, admitiu que costuma chorar na casa de banho. “Quantas vezes eu choro na casa de banho, em …

Jogadores em greve no Brasil, presidente no Estádio da Luz

Crise financeira grave no Cruzeiro, jogadores não apareceram para treinar e o presidente estava em Portugal. O plantel do Cruzeiro não apareceu no treino marcado para a tarde desta quinta-feira. Na véspera, os jogadores já tinham …

"É devastador": os millenials que querem ter filhos, mas não têm condições financeiras

Têm três empregos, querem mudar de carreira ou estão a mudar-se para zonas distantes para ter alojamento mais acessível. Assim é a vida dos millenials, que fazem tudo para juntar dinheiro suficiente para sustentar uma …

Milionário Robert Durst condenado a prisão perpétua por matar melhor amiga

O tribunal de Los Angeles condenou o excêntrico milionário de 78 anos a pena perpétua, sem possibilidade de liberdade condicional, pelo homicídio em primeiro grau de Susan Berman (o equivalente a homicídio qualificado), segundo a …

Cientistas tentam desvendar por que comemos demais

Em 2019, cientistas descobriram que certas células em ratos obesos impediam os sinais que indicam a sensação de saciedade. Agora, uma nova investigação fez uma abordagem ainda mais profunda sobre o papel destas células. O estudo, …

"Tenho todas as condições para vencer as eleições legislativas de 2023", diz Rangel

Paulo Rangel apresentou esta tarde formalmente a sua candidatura à liderança do PSD e afirma que tem todas as condições para unir o PSD e vencer as eleições legislativas em 2023. Em conferência de imprensa, o …

Putin admite aceitar pagamentos com criptomoedas num futuro próximo

Vladimir Putin admitiu que as criptomoedas têm valor, adiantando que esta forma de pagamento poderá tornar-se viável no país. Contudo, para já "ainda é muito cedo" para fazer previsões devido à sua natureza "incerta". A notícia …