Mulheres votam mais do que os homens, estão mais à direita e confiam menos

Enric Fontcuberta / EPA

As mulheres portuguesas dão menos importância à política do que os homens, mas são menos abstencionistas. Ao contrário de muitos países europeus, estão mais à direita e os homens mais à esquerda e, partidariamente, é no PS que mais se equivalem, segundo um estudo divulgado na quinta-feira.

Entre outras conclusões do estudo, apresentado no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) da Universidade de Lisboa, no que diz respeito à confiança nas instituições, são também as mulheres as mais desconfiadas, noticiou o Público.

O estudo português é da autoria das sociólogas Anália Torres, investigadora no ISCSP e coordenadora do Centro Interdisciplinar de Estudos de Género (CIEG), e Sara Martins, também do ISCSP.

O trabalho faz parte do European Social Survey (ESS), um inquérito internacional que recolhe informação comparativa transnacional sobre atitudes e comportamentos. Este estudo realiza-se de dois em dois anos, desde 2002. O trabalho de campo do capítulo português foi realizado entre o final de 2016 e princípio de 2017.

No que respeita à participação e ao interesse pela política, o estudo de 2016 revela que as mulheres portuguesas dão menos importância à política do que os homens, embora ambos se situem no campo “pouco interesse”.

O mesmo se verifica nos 21 países analisados na oitava edição do estudo. Ainda assim, as mulheres portuguesas participam mais em eleições do que os homens, com a taxa de abstenção entre o sexo feminino a situar-se em média nos 23,7% contra os 28% entre o sexo masculino.

A Finlândia é o país com maior percentagem de cidadãos que votam, enquanto a Federação Russa tem a maior percentagem de abstencionistas. Os países nórdicos apresentaram a maior média de participação, contrariamente aos países do centro e do Leste europeu.

Mulheres mais à direita

De acordo com o estudo, a média de todos os anos em que o trabalho foi realizado (2002/2016) mostra que as portuguesas posicionam-se mais à direita que os homens. Apenas em 2004 e 2014 o sexo masculino esteve mais à direita do que o feminino.

Esta tendência contraria a média de todos os países participantes em que os homens apresentam maior tendência para se autoposicionarem mais à direita, por oposição às inquiridas, que tendem a identificar-se como mais próximas da esquerda. Esta tendência verifica-se desde que o estudo é realizado, tendo apenas como exceção o ano de 2012, em que mulheres se situaram muito ligeiramente mais à direita que os homens.

Em Portugal, o sexo masculino aponta para forças políticas como a coligação CDU (PCP/PEV) e PCTP-MRPP, enquanto o sexo feminino aponta para partidos como o PAN, PSD e CDS. Os homens também preferem o PS, mas é neste partido que o sexo masculino e o feminino mais se equivalem, com os primeiros a terem uma média de 44,9% e as segundas com 42%.

Em termos de confiança interpessoal nas instituições, Portugal ficou sempre abaixo da média de todos os países inquiridos.

Homens confiam mais

Em Portugal as mulheres mostram, ao longo do tempo, uma tendência a apresentarem um menor grau de confiança nas outras pessoas e instituições. Em 2016, a maior desconfiança dos portugueses foi para o sistema político (Assembleia da República, políticos e partidos políticos). Seguiu-se sistema jurídico e instituições políticas internacionais (Parlamento Europeu e Nações Unidas). O maior grau de confiança dos portugueses é com a polícia.

Em sete dos oito estudos realizados, as mulheres portuguesas mostraram sempre um menor grau de confiança. Apenas houve uma exceção em 2010, em que os homens se mostraram ligeiramente mais desconfiados do que as mulheres. Em 2016, as mulheres confiaram menos em quase todas as instituições do que os homens. Apenas a polícia merece mais confiança por parte do sexo feminino do que do masculino.

As mulheres portuguesas manifestam ainda um menor grau de satisfação do que os homens com o funcionamento da democracia, com a economia, com a educação, com os serviços de saúde e com a vida em geral.

O ESS foi realizado na Finlândia, Islândia, Noruega, Holanda, Suécia, Alemanha, Áustria, Bélgica, França, Irlanda, Reino Unido, Suíça, República Checa, Eslovénia, Estónia, Federação Russa, Hungria, Lituânia, Israel, Polónia, Espanha, Itália e Portugal.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Pois. Existem estudos para todos os gostos. Duvido de todos eles até porque eu não confio em nenhum partido e ainda menos dos que já passaram pela cadeira do poder e irresponsabilidades. Porque nenhum dos partidos merece confiança. Quem confia neles perdido está.

RESPONDER

PEV e PAN ameaçam chumbar Orçamento na especialidade

Esta quarta-feira, em debate sobre o Orçamento do Estado para 2021, PEV e PAN ameaçaram chumbar a proposta de OE na especialidade. No debate sobre o Orçamento do Estado para 2021, no Parlamento, Inês Sousa Real …

Imagens de satélite indicam que Irão começou construções em instalação nuclear

Imagens de satélite divulgadas esta quarta-feira mostram atividades na instalação nuclear iraniana de Natanz, um dia depois de inspetores da Agência Internacional de Energia Atómica confirmarem que o Irão iniciou a construção de uma central …

"Salvadores brancos". Organização vai acabar com as viagens de celebridades a África

A organização Comic Relief vai deixar de enviar celebridades como Ed Sheeran ou Stacey Dooley para fazerem filmes promocionais em países africanos após decidir que a abordagem reforça estereótipos ultrapassados sobre “salvadores brancos”. Além de acabar …

Tragédia no Canal da Mancha. Quatro migrantes morreram em alto mar após Governo rejeitar rota segura

De acordo com as autoridades francesas, quatro migrantes - incluindo duas crianças de cinco e oito anos - morreram ao tentar chegar ao Reino Unido de barco através do Canal da Mancha. O pequeno barco …

Detidos 21 suspeitos de desviarem fundos para financiar Puigdemont na Bélgica

A operação da polícia espanhola contra o alegado desvio de fundos públicos para financiar as despesas do ex-presidente regional catalão Carles Puigdemont fugido na Bélgica resultou hoje em 21 detidos ligados ao movimento independentista na …

Ativista detido depois de tentar retirar uma escultura indonésia do Museu do Louvre

Mwazulu Diyabanza foi detido na semana passada em Paris, depois de tentar retirar uma escultura indonésia do Louvre. O ativista congolês disse que a ação foi parte de um protesto para que os museus europeus …

Proteção Civil do Porto já pediu recolher obrigatório e recomenda novo estado de emergência

A Proteção Civil do distrito do Porto já avançou com o pedido ao Governo de recolher obrigatório para a região. Marco Martins sugere ainda o regresso ao estado de emergência. Marco Martins, responsável pela proteção Civil …

Exames nacionais de 2021 mantêm normas excecionais criadas no anterior ano letivo

Os professores vão voltar a contabilizar, na classificação dos próximos exames nacionais, apenas as respostas às perguntas obrigatórias e àquelas em que o aluno tenha melhor pontuação, à semelhança das normas excecionais aplicadas no ano …

PSD-Madeira critica preços "pornográficos" e "obscenos" nas viagens da TAP no Natal

O PSD-Madeira voltou nesta quarta-feira a criticar os preços praticados pela TAP nas viagens para a região, referindo que na época do Natal chegam a atingir 1.143 euros, e considerou os valores “pornográficos” e “obscenos”. “São …

Autarca de Roma revela que máfia italiana planeou um ataque contra si e a sua família

A presidente da Câmara de Roma, Virginia Raggi, revelou que grupos do crime organizado planearam matá-la e a sua família porque ela os estava a atacar em partes da capital italiana que dominam. Aos 37 anos, …