//

BE, Podemos e França Insubmissa lançam movimento político europeu “Agora, o povo”

1

António Pedro Santos / Lusa

Catarina Martins ladeada pelo líder da França Insubmissa, Jean Luc Mélenchon (D), e pelo secretário-geral do Podemos, Pablo Iglésias (E).

O Bloco, Podemos e França Insubmissa lançaram o movimento político europeu “Agora, o povo”, uma “alternativa concreta, com as pessoas no centro” para “uma nova cooperação europeia” contra os tratados atuais.

O movimento “Agora, o povo” nasceu esta quinta-feira, em Lisboa. Os três líderes partidários assinaram “a declaração de Lisboa por uma revolução cidadão na Europa” uma vez que acreditam ser “possível uma nova cooperação europeia, diferente dos moldes em que tem existido e que possa pôr no centro a vida das pessoas”.

“O Bloco de Esquerda juntamente com o Podemos e com a França Insubmissa dá hoje o passo para a criação de um movimento político europeu que ofereça uma alternativa aos nossos povos em relação aos tratados que estão hoje a impor tantas dificuldades aos vários países europeus”, disse Catarina Martins aos jornalistas.

Na conferência de imprensa, Catarina Martins falou aos jornalistas acompanhada pelos líderes Pablo Iglesias, do partido Podemos, e Jean-Luc Mélenchon do França Insubmissa.

“A União Europeia tem tratados que põem as prioridades de pernas para o ar. Oferecer uma alternativa concreta, que põe as pessoas no centro. Agora, o povo. E que chama para construir essa alternativa forças políticas dos vários países europeus, movimentos sociais, todas as pessoas que não desistem de um futuro com dignidade dos nossos países”, justificou a líder do Bloco de Esquerda.

Durante o lançamento do movimento foi defendida a necessidade de uma Europa que, “em vez e pôr a finança e o sistema financeiro no lugar primordial de todas as decisões europeias”, coloque “questões tão estratégicas como essenciais aos nossos povos como o acesso à saúde, à escola, à habitação, o investimento público necessário aos setores estratégicos da economia para que possa existir emprego”.

“A União Europeia tem estado numa espiral de degradação das condições da sua democracia social. Aqui estamos três forças políticas do Sul da Europa empenhadas em, conjuntamente, criarmos uma nova cooperação europeia, que em lugar de retirar soberania aos povos, ponha a resposta aos povos no centro da política”, enfatizou.

A líder bloquista deu o exemplo de Portugal, onde apesar de a vida ter melhorado, as pessoas “perguntam-se todos os dias se tem sentido dar tanto dinheiro aos bancos e depois faltar tudo nos nossos hospitais ou nas nossas escolas”.

“Este movimento cria-se hoje aqui, com estas três forças políticas, e a ideia é essa mesmo: alargar a outros países e outros partidos“, garantiu. Por toda a Europa, prosseguiu Catarina Martins, “há forças que se organizam para dar uma alternativa de cooperação”.

“E o que este movimento cria é o espaço para o encontro dessas forças políticas, para criarmos alternativas concretas, credíveis, de organização no seio da Europa que possam respeitar os nossos povos”, afirmou.

Pablo Iglesias disse que o Podemos estava muito feliz por poder dar este “passo em frente para defender uma Europa que se fundamente na justiça social, nos direitos sociais, humanos e civis”.

“No próximo ano teremos eleições europeias e vamos trabalhar desde aí – e não só – para construir uma nova Europa que dê dignidade e soberania e aos seus povos. É importante assinalar o fracasso das políticas europeias fundamentadas naquilo que alguns chamaram austeridade”, disse.

As políticas neoliberais, condenou o líder do partido espanhol, “estão a destruir os consensos antifascistas que deram origem ao que para muitos cidadãos foi a chave de que a Europa poderia ser um projeto atrativo”: a prosperidade económica, a justiça social e garantias sociais mínimas.

Já Jean-Luc Mélenchon escolheu dizer as primeiras palavras em castelhano para que se ouvisse que não se falava em inglês “pela primeira vez numa reunião internacional”.

Para o líder do partido francês, “é um dia de alegria” a assinatura deste manifesto, que “resume as ideias essenciais” do que move estes três partidos, que é criar uma alternativa na Europa, cujo projeto “tem convulsões inquietantes”.

Mélenchon deixou “uma palavra de alerta” pela Europa se estar a dirigir para a guerra devido à questão da Síria, advertindo que a França, pela primeira vez em muitos anos, tem tropas estacionadas na fronteira da Rússia.

  // Lusa

1 Comment

  1. É assim acaba qualquer esperança para exestir democracia ,se estes partidos se juntam ao BE um partido do sistema do pior que existe cheio de fanáticos . tristeza.Afinal qualquer grupo com poder têm que ser podre de origem.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.