Motoristas trabalham a 100% mas só 8 horas. “Aos poucos, os postos vão ficar vazios”

António Cotrim / Lusa

No dia em que se cumpre o segundo dia da greve dos motoristas e depois de o Governo ter anunciado uma requisição civil parcial, o porta-voz do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) garantiu que todos os motoristas de matérias estão a trabalhar.

“Estão 100% dos trabalhadores a trabalhar”, afirmou o porta-voz e vice-presidente do SNMMP, Pedro Pardal Henriques, em Aveiras de Cima, Lisboa, à porta da sede da CLC – Companhia Logística de Combustíveis.

“Neste momento, o que se passa é uma greve de zelo e o Governo é conivente”, referiu o representante, explicando que os motoristas não irão fazer horas extraordinárias, estando a cumprir as oito horas regulamentares de trabalho.

“Isto quer dizer que fazem cerca de metade das horas normais”, portanto “é normal que os serviços mínimos representem metade do serviço normal”, adiantou. Ainda assim, Pardal Henriques considera que, “aos poucos, os postos de abastecimento vão ficar vazios”.

Em declarações à CMTV, Pardal Henriques diz ainda que “gostava de saber quanto é que o Estado está a gastar para pôr aqui militares e helicópteros, quantos milhões, quando os motoristas apenas reivindicam um aumento salarial mínimo”.

“Esta greve não tem fim à vista”, afirma, dando conta que a paralisação “só termina quando a ANTRAM aceitar (…) fazer uma proposta para resolver este problema”.

“As coisas estão feitas de forma a que as pessoas não sejam prejudicadas, estão a trabalhar oito horas, vão receber o seu salário porque estão a trabalhar”, diz Pardal Henriques, garantindo que “as pessoas podem estar aqui um ano porque estão a manifestar-se mas estão a trabalhar e a ser pagas por isso”.

Apesar de “esta manhã estar tudo a correr com normalidade”, os militares da GNR continuam a escoltar os camiões-cisterna que saem dos vários locais para abastecer os postos, disse à agência Lusa uma fonte daquela instituição.

O Governo decretou na segunda-feira uma requisição civil dos motoristas em greve para assegurar o abastecimento da Rede de Emergência, aeroportos, postos servidos pela refinaria de Sines e unidades autónomas de gás natural.

A decisão foi tomada em Conselho de Ministros, realizado à tarde, depois de os serviços mínimos terem deixado de ser cumpridos. A requisição vigora até dia 21 de agosto.

Os militares das Forças Armadas podem substituir “parcial ou totalmente” os motoristas em greve e a sua intervenção abrange operações de carga e descarga de veículos-cisterna de combustíveis líquidos, GPL e gás natural, de acordo com uma portaria do Governo.

O jornal Observador precisa ainda que os militares só vão conduzir camiões de matérias perigosas, ficando o transporte de mercadorias fora da ação das forças de segurança.

Furar a requisição civil terá “consequências”

No caso dos postos da Rede de Emergência para veículos prioritários – ambulâncias, carros da polícia e bombeiros – incorrem numa multa de 45 mil euros diários, no caso não estejam abertos 24 horas por dia, segundo escreve o Correio da Manhã esta terça-feira.

A confirmação foi avançada ao matutino pela Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE), que deu conta que, ao todo, estão indicados 54 postos exclusivos.

Ainda antes dos serviços mínimos terem sido decretados, já o primeiro-ministro, António Costa, alertava que um eventual furo à requisição traria consequências. Esta segunda-feira ao fim da tarde, e já depois de o mecanismo ser oficialmente decretado, o Governo frisou a mesma posição: os ministros do Trabalho, das Infraestruturas e o do Ambiente repetiram o alerta, falando na RTP, na SIC e na TVI.

“Há quem possa pensar que não há consequências da requisição civil, mas haverá, tem que haver, porque senão é o próprio poder do Estado de direito que é posto em causa”, disse o ministro do Trabalho Vieira da Silva, em entrevista à RTP3, citado pela Lusa.

“Se alguém pensa que reage à requisição civil como reagiu aos serviços mínimos está enganado, porque o quadro legal das duas figuras é diferente”, acrescentou o governante. Vieira da Silva recordou ainda que o quadro legal da requisição civil é “mais exigente” e que a “moldura penal é mais pesada”.

Vieira da Silva esclareceu ainda que o facto de o Governo ter avançado com uma requisição civil não significa que se vá deixar de sentir os efeitos da greve. “Uma greve é sempre uma greve, se não se sentissem os efeitos não seria uma greve. Não podemos dizer, para sermos rigorosos que tudo funcionará como usualmente, quando não há greves”, afirmou o ministro, que mais à frente reiterou que “isto não é o regresso à normalidade”.

Também Pedro Nuno Santos, que falava na TVI, insistiu nas eventuais consequências que poderão ser acionadas. “A requisição tem impacto relevante. Permite convocar os militares e, quem não cumprir, está a cometer um crime de desobediência civil. É outro nível de desrespeito pelas normas”, frisou o ministro das Infraestruturas, em entrevista à TVI.

O governante disse mesmo que não lhe “passa pela cabeça” que a requisição não seja cumprida. Contudo, caso aconteça, o caso “já não é com o Governo”, mas antes com “as forças de segurança e com a justiça”.

Discurso igual levou Matos Fernandes à antena da SIC, que começou por recordar que o incumprimento da requisição civil “é um crime de desobediência. “As empresas têm de identificar os trabalhadores, que, tendo sido chamados para cumprir os serviços mínimos, não o fizeram e, depois, as instituições judiciais vão ser informadas disso mesmo”.

“Não tenho a mais pequena dúvida de que os trabalhadores vão cumprir. Há uma requisição civil, não a cumprir é de facto crime e obviamente os trabalhadores amanhã de manhã vão cumprir”, disse ainda o ministro que tutela o Ambiente.

“Escalada contra o direito à greve”

A CGTP considerou que o Governo “deu um novo passo na escalada contra o direito à greve” ao decretar a requisição civil para a paralisação dos motoristas de mercadorias e matérias perigosas, acusando ainda o Executivo de ser “cúmplice do patronato.

“O momento que vivemos exige menos exposição mediática e mais responsabilidade social das partes envolvidas, para encontrar uma solução negociada, que respeite e valorize os direitos dos trabalhadores do setor e responda às necessidades das populações”, defendeu  a intersindical em comunicado a que a agência Lusa teve acesso.

Também o assessor jurídico do sindicato dos motoristas de matérias perigosas afirmou que a requisição civil configura um ataque à greve. “Vejo isto [requisição civil] como um ataque à greve, até porque estas pessoas cumpriram os serviços mínimos. O Governo não esteve aqui […], estas pessoas saíram para trabalhar, simplesmente fizeram oito horas e não as 14 ou 15 horas que habitualmente fazem”, insistiu Pedro Pardal Henriques.

Também o PCP considerou que a requisição “introduz limitações no direito à greve”, acusando os promotores do protesto de permitirem que tal aconteça.

A greve recorre “uma argumentação que, instrumentalizando reais problemas e descontentamento dos motoristas é impulsionada por exercícios de protagonismo e por obscuros objetivos políticos e procura atingir mais a população que o patronato”, afirma o PCP, em comunicado divulgado na segunda-feira à noite.

“Uma ação cujos promotores se dispõem para que seja instrumentalizada para a limitação do direito à greve”, criticam os comunistas, citados pela Lusa.

Sul “vive pior situação”

De acordo com o jornal Público, que cita várias petrolíferas, foi no aeroporto de Lisboa e a sul do país – e em especial no Algarve – que o primeiro dia de greve mais se fez sentir.

Esta terça-feira, e de acordo com o site Já Não Dá Para Abastecer, que o ZAP consultou às 09h50, dos 2955 postos do país, existem 1987 totalmente operacionais (67,2%). Há 469 (15,9%) postos com falha em algum tipo de combustível, estando os restantes 499 (15,9%) sem qualquer tipo de combustível disponível.

A plataforma vai atualizando os números consoante as informações que vai recebendo ao longo do dia, pelo que os números podem variar numa questão de minutos.

A greve dos motoristas arrancou esta segunda-feira por tempo indeterminado.

ZAP //

PARTILHAR

18 COMENTÁRIOS

  1. Pois, ouvi os motorista a gritar “nem um passo atrás”!
    Eu vou mais longe, acho que deviam era DAR UM PASSO EM FRENTE.
    Acho que deviam DESPEDIR-SE E ARRANJAR UM EMPREGO MELHOR, porque claramente o emprego que têm não lhes serve e eles merecem muito melhor. Acho também que deviam criar uma empresa de transportes e dar as condições que agora reivindicam aos trabalhadores que venham a contratar. Claramente teriam muito sucesso.
    A escravatura já acabou, não há que manter os trabalhadores presos a um emprego conta a sua vontade.
    Deixemos os trabalhadores demitirem-se, porque assim terão um futuro muito melhor: o futuro que tanto merecem!
    O Pardal até poderia ser o patrão de uma empresa que se venha a criar com os trabalhadores que se venham a despedir. Estou confiante que o Pardal aos empregados que viesse a contratar daria tudo que agora está a reivindicar, e que a sua empresa seria muito próspera. Digo isto porque estou convencido de que o Pardal aprendeu muito desde que foi patrão e a empresa que geria entrou em insolvência, deixando dívidas e poucas saudades aos empregados, tendo havido condenação em tribunal por insolvência culposa.

    Vamos deixar os trabalhadores altamente qualificados e o Pardal atingirem aquilo que merecem. A única maneira é eles trabalharem por conta própria. Não os vamos amarrar às empresas que os escravizam.
    Força Pardal e trabalhadores, vão à luta e abandonem as empresas. Têm o nosso apoio!

    • Concordo em absoluto! Acho que o seu texto deveria circular nas redes sociais! Só quem nunca teve uma empresa, tendo de gerar dinheiro para pagar todas os custos que isso envolve, é que se pode colocar numa posição de exigência estúpida! O direito à greve é legítimo? Claro! É necessário? Claro, pois é uma forma de “contra-poder”! Mas tem de ter por detrás motivos justos e sensatos, além de um prazo aceitável! Fazer greve por tempo indeterminado é… e mais não digo! E a terminar: é verdade, ou não, que, provavelmente com um 12º ano mal acabado, conseguem auferir 1800 euros/mes líquidos? Há gente licenciada que não ganha isso! País de medíocres que nada querem fazer mas querem ganhar muito!

      • POIS….. Pois tem toda a razão. Esta bagunça já cheira mal, conduzida de mão de mestre por um sparrow pior que o Depp. Mostrou lógica, raciocino e um pouco de ironia no seu comentário, ou seja “quem não está bem muda-se. Estiveram Anos a fio a receber praticamente dois salários, um base e outro de diversos subsídios. Durante Anos calaram o que hoje reclamam, mas como a reforma para alguns está a bater a porta, já não lhes dá jeito estarem indexados no salário base. O direito a greve é um direito inscrito na Constituição, mas o abuso do mesmo é condenável. Mas enfim temos dois protagonistas politiqueiros a mesa das negociações, que deveriam ser destituídos de imediato !…Parabéns por o seu texto !

    • Há muitos que não entenderam que a escravatura acabou e quem não está contente com um determinado trabalho tem sempre a liberdade de abandoná-lo e tentar encontrar um melhor.
      Básico e elementar, menos para alguns!

    • Meu caro
      O seu texto é exemplar. Faça com que ele circule nas redes sociais. Haverá muita gente (milhares) a concordarem consigo. Muito bem.

  2. Diz o senhor das Perigosas que os motoristas estão a fazer greve de zelo com a conivência do Governo. SR Advogado sabe o que está a dizer? Quais as consequências dessa sua afirmação?

  3. Não vejo nenhum motorista a mostrar o recibo de vencimento. O problema deste país é que é tudo por fora ( depois todos temos de pagar mais impostos).

    • Bem… os pagamentos por fora, fazem parte desta sociedade! Mas é uma prática corrente, por uma simples razão: agrada a ambas as partes!! Aos patrões porque poupam nas contribuições à segurança social, e aos empregados porque aumentam a dinheirinho líquido no fim do mês, com menos descontos à segurança social, e menos descontos de irs. É claro que não deveriam existir! É claro que representam menos receitas para o estado, mas também menos despesas porque as reformas destas pessoas vão ser mais baixas!

  4. Alguém ainda está para perceber as motivações do Pardal!!! E o que leva os motoristas a “darem um tiro no pé”, e deixarem-se levar, e ludibriar, por este indivíduo.
    E confesso que me ocorre a ideia, talvez decorrente do senhor ser candidato pelo PDR, ou ter sido, ou ainda vir a ser, que esta prática e este discurso se aproxima muito das práticas que levaram outros “pardais” (mas estes mais perigosos), como Trump e Bolsonaro ao poder. Agitar o papão do descontrolo, cirar um clima de instabilidade, prejudicar um elevado número de pessoas, em resumo, criar um clima de insegurança e insatisfação que conduz à subida da extrema direita! E isto sim… é muito preocupante!

  5. TIRO NO PRÓPRIO PÉ
    Recordo-me de um anúncio qualquer que dizia ” Sabe bem pagar tão pouco”. Talvez o fisco já esteja no encalço de alguns destes motoristas que vieram a publico denunciar o Patronato com supostas fugas ao fisco por lhes pagarem uma parte por fora. Embora em sede de Seg.Social nem tudo esteja sujeito a descontos, em sede de IRS já não é assim, todos os rendimentos tem que ser declarados, neste caso o único beneficiado é o empregado que não Pagou o devido IRS e talvez até recebeu Reembolsos que agora vai ter que repor com coimas e juros e tudo porque na hora “SABE BEM PAGAR TÃO POUCO”. O Patrão arrisca a coima por não declarar mas o único beneficiário é o empregado que neste caso também é conivente porque deve conferir a sua declaração de redimentos que lhes é entregue pela ent.patronal no final de cada ano.

  6. A situação dos Camionistas é de loucos trabalhar horas e mais horas, para acreditarem que ganham bem é escravatura, exploração e leva à exaustão, nas vidas familiares, vivo numa zona que tradicionalmente tem muitos habitantes camionistas, as atrocidades no sector, são crimes graves, suborno nas inspecções de veículos, consequentemente desastres,mortes, motivados e é-lhes fornecido drogas estimulantes, para fazerem horas e horas seguidas, serviços de descarga e carga, tirando descanso etc, etc,

RESPONDER

Violência policial é uma das principais causas de morte de jovens negros nos EUA

A violência policial é uma das principais causas de morte entre jovens nos Estados Unidos, com os negros a terem 2,5 vezes mais hipóteses de serem mortos do que os homens brancos. O estudo, publicado este …

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% dos médicos só fazem "fantochadas"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …

Homem morre após ataque de vespas asiáticas. É a segunda morte por picadas de insecto em 2 dias

Um homem de 79 anos de idade morreu nesta sexta-feira em Oliveira do Bairro, Aveiro, após ter sido atacado por vespas asiáticas. Dois dias antes, outro homem de 50 anos faleceu na região da Beira …

Polícia antimotim dispersa manifestantes em Hong Kong com gás lacrimogéneo

A polícia antimotim de Hong Kong carregou hoje com gás lacrimogéneo sobre manifestantes que tinham erigido uma barricada no bairro de Kwun Tong, no Este da antiga colónia britânica. Embora os protestos tenham decorrido de forma …

Eleições. CDU vai manter campanha clássica, mas dispensa o "lombo assado"

O chefe do maior partido da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas e ecologistas, assumiu enfado com carne assada nas jornadas e ações de esclarecimento pelo país, mas garante uma campanha eleitoral nos cânones …

Bloco quer mais funcionários públicos e quotas por raça nas universidades

O BE afirma, no programa eleitoral disponibilizado hoje na íntegra, que "é o partido que quer e pode impedir uma maioria absoluta", um resultado nas eleições legislativas que faria Portugal "voltar ao passado da arrogância …

Balas com defeito que encravam armas. PSP confirma, mas diz que não é um problema

A Polícia de Segurança Pública (PSP) confirma que estão a ser utilizadas algumas balas com defeito que até encravam as armas, nos treinos dos candidatos a agentes na Escola Prática de Polícia. Mas garante que …