Número de mortos por reclamar triplicou em Lisboa. Hospitais põem corpos em contentores

Mário Cruz / Lusa

O número de mortos por reclamar triplicou em Lisboa e os hospitais viram-se obrigados a colocar os cadáveres em contentores junto às morgues para guardar corpos.

À medida que o número de mortes por covid-19 não dá sinais de abrandamento, os hospitais têm cada vez mais dificuldades em lidar com os corpos. Num hospital da Grande Lisboa há cadáveres alinhados em macas, lado a lado, numa sala ampla, há dias à espera de serem levados para um funeral, descreve o Observador. São 57, mas poucos dias antes chegaram a ser 80.

Também o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses (INMLCF) recebeu em Lisboa o dobro dos cadáveres que normalmente costuma receber quando existem dúvidas sobre as causas da morte e é necessária uma autópsia. Nunca houve tantos corpos por reclamar.

O presidente do INMLCF, Francisco Corte Real, diz que não quer “repetir as imagens que nos chegaram de outros países em março”, embora já se estejam a reproduzir em alguns hospitais da capital.

“Com este aumento de corpos e sendo espaços partilhados, houve necessidade de se fazer um reforço. Alguns hospitais aumentaram a capacidade de frio e o Instituto também o fez”, explicou Corte Real.

Segundo as contas do INMLCF, em janeiro de 2020, deram entrada 993 corpos. Em comparação, em janeiro de 2021, quando o número de mortes por covid-19 disparou, deram entrada 1.445 cadáveres. Isto reflete um aumento de 45%, para o qual contribuiu sobretudo a região de Lisboa, que registou quase o dobro de casos.

O mesmo acontece em casas e lares, chegando a ficar mais de um mês sem alguém que reclame os corpos. Houve uma triplicação destes casos, lê-se na publicação.

Artur Palma, dono de uma funerária, descreve o cenário aterrorizante que presenciou quando lhe abriram a porta de um contentor de um outro hospital lisboeta para procurar o corpo que iria enterrar: “Não havia listas, estavam todos em macas. Então, eu e a minha mulher tivemos de começar a tirar as macas todas cá para fora e, com a luz do telemóvel, ler todas as identificações até encontrarmos a nossa. Parecia um filme. Um verdadeiro cenário de guerra”.

Neste hospital, os corpos são tantos que foram colocados em seis contentores refrigerados junto à morgue. Há cadáveres que chegam a nunca ser reclamados por já não terem família ou perderem contacto com ela.

Os familiares de doentes com covid-19 que morrem em hospitais fora da área de residência, estão a deparar-se com a dificuldade de terem de ser os próprios a tratar da recolha dos corpos e da sua trasladação.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …

Dirigente da Huawei detida no Canadá pode voltar à China após acordo com EUA

A justiça dos EUA aceitou hoje o acordo entre o Departamento da Justiça e a Huawei, que vai permitir à filha do fundador e diretora financeira do conglomerado chinês de telecomunicações regressar à China. Uma juíza …

Depois do coro de críticas, brasões da Praça do Império passam do jardim para a calçada

Os brasões florais que representam as capitais de distrito e as ex-colónias portuguesas vão mesmo ser retirados da Praça do Império, em Lisboa, mas passarão a estar representados em pedra da calçada. É a solução …