/

Morte do porta-voz do Daesh já foi reivindicada (pelos EUA e pela Rússia)

1

wilayah.info

Abu Mohamed al-Adnani, líder do grupo terrorista Estado Islâmico

Abu Mohamed al-Adnani, líder do grupo terrorista Estado Islâmico

A morte do porta-voz e estratega do grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI) Abu Mohamed al-Adnani, anunciada esta terça-feira pelo grupo extremista, foi reivindicada quer por Washington quer por Moscovo.

Al-Adnani era o chefe de propaganda do movimento, recrutador de topo e cérebro de uma série de atentados no Ocidente reivindicados pelo grupo ‘jihadista’.

O Estado Islâmico anunciou que al-Adnani morreu na província de Alepo (norte da Síria), quando “inspecionava as operações militares”, sem precisar a data, nem as circunstâncias da sua morte.

O Pentágono afirmou depois que a coligação internacional anti-‘jihadista’, conduzida pelos Estados Unidos, tinha realizado um ataque aéreo perto de Al-Bab, no nordeste de Alepo, tendo como alvo Abu Mohamed al-Adnani, embora não tivesse confirmado a sua morte no imediato.

A Rússia, por seu turno, também reivindicou o bombardeamento que matou al-Adnani, indicando que o alto responsável ‘jihadista’ integrava um grupo de cerca de 40 combatentes do Estado Islâmico mortos na terça-feira num ataque de um bombardeiro russo Su-34 perto da localidade de Oum Hoch, na região de Alepo.

Conhecido pelos serviços de informações ocidentais como o “ministro dos atentados“, al-Adnani exortou os partidários do grupo radical a utilizarem qualquer arma – facas, pedras ou veículos – contra os cidadãos dos países que combatem os ‘jihadistas’.

Independentemente de quem possa ter sido responsável, a morte do extremista representa, segundo analistas, um grande golpe para o Estado Islâmico, que este ano sofreu vários reveses, incluindo perdas territoriais e o assassinato de outras figuras de topo.

Abu Mohamed al-Adnani, um sírio nascido em 1977, era “o mais visceralmente agressivo líder do ISIS aos olhos do público”, disse Charles Lister, do centro de investigação Middle East Institute.

“Sem a sua voz explosiva, o ISIS pode ter mais dificuldade em inspirar os intensos níveis de violência que ele conseguiu”, adiantou.

/Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE