Morreu o russo que salvou o mundo do apocalipse nuclear

BBC

Stanislav Petrov estava no lugar certo na hora certa e tomou uma decisão que pode ter salvado o mundo de uma guerra nuclear

Responsável pelo Sistema de Vigilância de Mísseis na União Soviética durante a Guerra Fria, Stanislav Petrov recebeu um alerta de ataque, mas decidiu reportá-lo como falso. A sua decisão pode ter evitado a Terceira Guerra Mundial.

O oficial soviético que impediu uma crise nuclear entre os EUA e a URSS e a possível Terceira Guerra Mundial na década de 1980 morreu silenciosamente. Stanislav Petrov tinha 77 anos e nunca se considerou um herói, embora tenha contribuído decisivamente para impedir uma catástrofe – ou o fim da Humanidade.

“Estava no lugar certo à hora certa”. É assim que Stanislav Petrov descreve a sua proeza, à frente do Sistema de Vigilância Nuclear da União Soviética em 1983 – que, provavelmente, salvou o mundo da Terceira Guerra Mundial.

Responsável por reportar qualquer ataque ou possibilidade de ataque dos Estados Unidos à União Soviética no auge da Guerra Fria, durante a década de 1980, Stanislav Petrov recebeu um alerta que teria desesperado qualquer pessoa na sua situação.

Naquele dia, a certa altura, o Sistema de Vigilância Nuclear deu um alerta para um ataque de mísseis, vindo dos Estados Unidos, em direcção à União Soviética.

Ao ver o alerta, Petrov deveria reportá-lo aos seus superiores, que lançariam uma retaliação ao ataque – o que provavelmente teria dado início a uma guerra nuclear mundial.

Mas o militar soviético desconfiou da validade do alerta e tomou uma decisão que pode ter mudado a história da humanidade. “Olhei para a minha equipa e percebi que eles estavam a entrar em pânico”. Mesmo com 50% de hipóteses de estar errado, Sanislav Petrov decidiu reportar o ataque como falso.

Petrov era o único oficial presente naquele dia que tinha educação civil. Todos os outros eram soldados profissionais, e provavelmente teriam simplesmente relatado o ataque. Os homens à sua volta tinham sido “ensinados a dar e obedecer a ordens”.

Por sorte, Petrov desobedeceu às suas instruções, porque simplesmente algo não parecia certo. “Se os americanos tivessem mesmo decidido lançar um primeiro ataque, teriam enviado mais de cinco mísseis“, contou Petrov, que também acreditava que, como o sistema de alerta era relativamente novo, um falso alarme era mais provável.

Se Petrov estivesse errado, teria comprometido a capacidade da União Soviética de retaliar contra um ataque nuclear. Se estivesse certo, a Terceira Guerra Mundial seria evitada.

E Stanislav Petrov estava certo.

“Não acho que tenha feito algo extraordinário, era apenas um homem a fazer o seu trabalho de forma correcta”, contou Petrov em 2013 à BBC. “Não fiz nada de heróico, só estava no lugar certo, na hora certa”.

Mais tarde, veio a saber-se que o que o sistema de alerta soviético tinha considerado como um “lançamento de mísseis” norte americano era luz solar reflectida pelas nuvens.

A acção de Petrov, no entanto, não recebeu elogios dos seus superiores, e o militar foi mesmo repreendido por não ter preenchido um relatório. “Os meus superiores estavam a ser culpados pelas falhas do sistema, e não queriam reconhecer que alguém abaixo na cadeia de comando tinha feito alguma coisa bem feita”, contou.

Durante mais de 10 anos, o incidente foi mantido em segredo como altamente classificado. Mesmo Raisa, a mulher de Petrov, que morreu em 1997, nunca soube nada do papel que o marido tinha desempenhado a evitar a guerra nuclear.

Mas em 1998, o comandante de Petrov, Coronel Yury Votintsev, contou a história da acção silenciosa do seu oficial a Karl Schumacher, um activista político alemão, uma das primeiras pessoas a divulgar a história de Petrov, no fim da década de 1990.

Em 2012, Petrov foi homenageado com o Prémio Alemão de Imprensa, também concedido a Nelson Mandela, ao Dalai Lama e a Kofi Annan. O documentário “O homem que salvou o mundo” (Peter Anthony, 2014), com Kevin Costner, foi baseado na vida do militar russo.

A 7 de setembro, Karl Schumacher telefonou para Petrov para lhe desejar um feliz aniversário. Mas, em vez disso, soube pelo filho, Dmitry, que o oficial tinha morrido a 19 de maio, em casa – tão silenciosamente como tinha salvo o Mundo, num dia de 1983.

AJB, ZAP // Sputnik News

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. JÁ LÁ VÃO 34 ANOS, Este HOMEM faleceu agora, e tenho a certeza, que quase ninguem o conhecia, ou tinha sequer imaginado que ele existia. São estes os GRANDES HOMENS da humanidade e que voçês politiqueiros de meia tijela, nem sequer reverênciam. ELE SALVOU O MUNDO DE UMA GUERRA NUCLEAR, ao que voçês agora poderiam estar a fazer tijolo há 34 anos. Alguem já pensou nisso? Com a tua humanidade salvas-te a vida de milhões de seres humanos.
    Bem haja STANISLAV PETROV. Que descanses em paz.

  2. Eu por acaso ja conhecia a história deste senhor porque foi transmitida na interessante série ” Mysteries in the Museum ” do Travel Channel . Curioso observar que era o unico oficial que tinha educação civil ,como diz no artigo :
    ” Petrov era o único oficial presente naquele dia que tinha educação civil. Todos os outros eram soldados profissionais, e provavelmente teriam simplesmente relatado o ataque “.
    Talvez por causa de nao ter a mentalidade tipica de soldado de obedecer cegamente a ordens e retaliar sem pensar,foi a grande tragédia evitada.

Responder a Paulo Cancelar resposta

Cofre de antigo caçador de vampiros vai a leilão no Reino Unido. Está repleto de objetos

O cofre de um caçador de vampiros do século XIX vai ser leiloado em Dervyshire, no Reino Unido, informou a leiloeira Hansons. Em causa está uma caixa antiga, forrada a seda vermelha e decorada com …

Bombeiro morre no combate a um incêndio na Serra da Lousã

Um bombeiro morreu este sábado durante o combate a um incêndio na Serra da Lousã, disse à agência Lusa o presidente da Câmara da Lousã, Luís Antunes. O autarca desconhece as circunstâncias em que ocorreu a …

Cientistas descobrem os defeitos dentários que apodrecem os dentes

Os resultados deste novo estudo contribuem para o desenvolvimento de novos tratamentos para as cáries dentárias. Os investigadores capturaram o esmalte num detalhe sem precedentes. Uma equipa de investigadores está muito perto de descobrir aquilo que …

Balões da Google já "espalham" Internet nas vilas remotas do Quénia

Em 2013, surgiu a ideia de enviar balões para o Espaço próximo para conectar pessoas em locais do mundo sem Internet. A ideia, que parecia uma loucura, já é realidade. Depois de uma longa série de …

Descoberta nova espécie de dinossauro carnívoro em Portugal

Um novo género e espécie de dinossauro carnívoro terópode, cujos fósseis foram escavados em arribas dos concelhos de Torres Vedras e da Lourinhã, foi agora descrito na revista internacional "Journal of Vertebrate Paleontology" por paleontólogos …

The Crown. Afinal, vem aí uma sexta temporada

Peter Morgan, criador, produtor e argumentista de The Crown, anunciou esta quinta-feira (9), através do Twitter da plataforma de streaming Netflix, que a série britânica terá uma sexta temporada. “Quando começamos a discutir as histórias da …

Observatório Gaia revoluciona o rastreamento de asteroides

O observatório espacial Gaia da ESA é uma missão ambiciosa que tem o objetivo de construir um mapa tridimensional da nossa Galáxia, fazendo medições de alta precisão de mais de mil milhões de estrelas. No entanto, …

Tempestades de relâmpagos mataram 147 pessoas na Índia em apenas 10 dias

Tempestades de relâmpagos mataram 147 pessoas no estado de Bihar, no norte da Índia, no espaço de dez dias, noticia a AFP, que escreve que os números podem aumentar nos próximos tempos devido às alterações …

Investigação portuguesa descobriu 14 espécies marinhas com potencial para produção de antibióticos

Uma investigação conjunta da Universidade de Aveiro e da Universidade Católica descobriu 14 novas espécies e um género de fungos marinhos, com potencial para produção de antibióticos, revelou esta segunda-feira fonte académica. "Neste momento, estão a …

Impossíveis de cumprir. Directores preocupados com novas regras para as escolas

As orientações da Direcção Geral de Saúde (DGS) para as escolas com vista ao regresso das aulas presenciais, em Setembro, estão a preocupar os directores dos estabelecimentos de ensino. Isto porque as consideram impossíveis de …