Morreu o russo que salvou o mundo do apocalipse nuclear

BBC

Stanislav Petrov estava no lugar certo na hora certa e tomou uma decisão que pode ter salvado o mundo de uma guerra nuclear

Responsável pelo Sistema de Vigilância de Mísseis na União Soviética durante a Guerra Fria, Stanislav Petrov recebeu um alerta de ataque, mas decidiu reportá-lo como falso. A sua decisão pode ter evitado a Terceira Guerra Mundial.

O oficial soviético que impediu uma crise nuclear entre os EUA e a URSS e a possível Terceira Guerra Mundial na década de 1980 morreu silenciosamente. Stanislav Petrov tinha 77 anos e nunca se considerou um herói, embora tenha contribuído decisivamente para impedir uma catástrofe – ou o fim da Humanidade.

“Estava no lugar certo à hora certa”. É assim que Stanislav Petrov descreve a sua proeza, à frente do Sistema de Vigilância Nuclear da União Soviética em 1983 – que, provavelmente, salvou o mundo da Terceira Guerra Mundial.

Responsável por reportar qualquer ataque ou possibilidade de ataque dos Estados Unidos à União Soviética no auge da Guerra Fria, durante a década de 1980, Stanislav Petrov recebeu um alerta que teria desesperado qualquer pessoa na sua situação.

Naquele dia, a certa altura, o Sistema de Vigilância Nuclear deu um alerta para um ataque de mísseis, vindo dos Estados Unidos, em direcção à União Soviética.

Ao ver o alerta, Petrov deveria reportá-lo aos seus superiores, que lançariam uma retaliação ao ataque – o que provavelmente teria dado início a uma guerra nuclear mundial.

Mas o militar soviético desconfiou da validade do alerta e tomou uma decisão que pode ter mudado a história da humanidade. “Olhei para a minha equipa e percebi que eles estavam a entrar em pânico”. Mesmo com 50% de hipóteses de estar errado, Sanislav Petrov decidiu reportar o ataque como falso.

Petrov era o único oficial presente naquele dia que tinha educação civil. Todos os outros eram soldados profissionais, e provavelmente teriam simplesmente relatado o ataque. Os homens à sua volta tinham sido “ensinados a dar e obedecer a ordens”.

Por sorte, Petrov desobedeceu às suas instruções, porque simplesmente algo não parecia certo. “Se os americanos tivessem mesmo decidido lançar um primeiro ataque, teriam enviado mais de cinco mísseis“, contou Petrov, que também acreditava que, como o sistema de alerta era relativamente novo, um falso alarme era mais provável.

Se Petrov estivesse errado, teria comprometido a capacidade da União Soviética de retaliar contra um ataque nuclear. Se estivesse certo, a Terceira Guerra Mundial seria evitada.

E Stanislav Petrov estava certo.

“Não acho que tenha feito algo extraordinário, era apenas um homem a fazer o seu trabalho de forma correcta”, contou Petrov em 2013 à BBC. “Não fiz nada de heróico, só estava no lugar certo, na hora certa”.

Mais tarde, veio a saber-se que o que o sistema de alerta soviético tinha considerado como um “lançamento de mísseis” norte americano era luz solar reflectida pelas nuvens.

A acção de Petrov, no entanto, não recebeu elogios dos seus superiores, e o militar foi mesmo repreendido por não ter preenchido um relatório. “Os meus superiores estavam a ser culpados pelas falhas do sistema, e não queriam reconhecer que alguém abaixo na cadeia de comando tinha feito alguma coisa bem feita”, contou.

Durante mais de 10 anos, o incidente foi mantido em segredo como altamente classificado. Mesmo Raisa, a mulher de Petrov, que morreu em 1997, nunca soube nada do papel que o marido tinha desempenhado a evitar a guerra nuclear.

Mas em 1998, o comandante de Petrov, Coronel Yury Votintsev, contou a história da acção silenciosa do seu oficial a Karl Schumacher, um activista político alemão, uma das primeiras pessoas a divulgar a história de Petrov, no fim da década de 1990.

Em 2012, Petrov foi homenageado com o Prémio Alemão de Imprensa, também concedido a Nelson Mandela, ao Dalai Lama e a Kofi Annan. O documentário “O homem que salvou o mundo” (Peter Anthony, 2014), com Kevin Costner, foi baseado na vida do militar russo.

A 7 de setembro, Karl Schumacher telefonou para Petrov para lhe desejar um feliz aniversário. Mas, em vez disso, soube pelo filho, Dmitry, que o oficial tinha morrido a 19 de maio, em casa – tão silenciosamente como tinha salvo o Mundo, num dia de 1983.

AJB, ZAP // Sputnik News

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. JÁ LÁ VÃO 34 ANOS, Este HOMEM faleceu agora, e tenho a certeza, que quase ninguem o conhecia, ou tinha sequer imaginado que ele existia. São estes os GRANDES HOMENS da humanidade e que voçês politiqueiros de meia tijela, nem sequer reverênciam. ELE SALVOU O MUNDO DE UMA GUERRA NUCLEAR, ao que voçês agora poderiam estar a fazer tijolo há 34 anos. Alguem já pensou nisso? Com a tua humanidade salvas-te a vida de milhões de seres humanos.
    Bem haja STANISLAV PETROV. Que descanses em paz.

  2. Eu por acaso ja conhecia a história deste senhor porque foi transmitida na interessante série ” Mysteries in the Museum ” do Travel Channel . Curioso observar que era o unico oficial que tinha educação civil ,como diz no artigo :
    ” Petrov era o único oficial presente naquele dia que tinha educação civil. Todos os outros eram soldados profissionais, e provavelmente teriam simplesmente relatado o ataque “.
    Talvez por causa de nao ter a mentalidade tipica de soldado de obedecer cegamente a ordens e retaliar sem pensar,foi a grande tragédia evitada.

RESPONDER

"Alto risco". África do Sul proíbe entrada de turistas de Portugal

Os turistas oriundos de Portugal não vão ser autorizados a entrar na África do Sul, quando o país africano reabrir as fronteiras internacionais na quinta-feira, anunciou esta quarta-feira o ministro do Interior sul-africano. Portugal consta de …

Descoberta rara. Encontrado vapor de água salgada em torno de duas estrelas bebé gigantes

Uma equipa de investigadores descobriu um par de estrelas bebé massivas rodeadas por vapor de água e sal de cozinha, de acordo com um novo estudo. As duas estrelas bebé têm uma massa combinada 25 vezes …

Sonda da NASA deteta nanojatos na coroa solar (e desmistifica a sua extrema temperatura)

Uma equipa de cientistas, liderada pelas Universidades de Northumbria e St. Andrews, em cooperação com a NASA, descobriu um novo tipo de atividade dentro da atmosfera do Sol que poderia explicar como é que a …

Barry Jenkins vai realizar sequela de "O Rei Leão"

O realizador e argumentista de Moonlight foi escolhido pela Walt Disney Studios para realizar a sequência do blockbuster de 2019, O Rei Leão. Ainda não há uma data de lançamento prevista para o segundo filme, mas …

"Não me sinto seguro sem uma". Venda de armas aumentou drasticamente nos EUA

Os EUA continuam a ser um dos países onde os cidadãos comuns têm mais facilidade em comprar armas de fogo. Esta é uma prática recorrente, e mais de um terço das famílias norte-americanas têm uma …

Pássaros de São Francisco aprenderam uma nova (e mais complexa) melodia durante a pandemia

Uma nova investigação científica relata que os pardais-de-coroa-branca de São Francisco, ave que vive nas zonas urbanas e rurais da cidade norte-americana, aprenderam uma nova e mais complexa melodia durante a pandemia. De acordo com …

Enorme espinha dorsal de tubarão-branco dá à costa em Massachusetts depois de uma tempestade

A espinha dorsal que se acredita pertencer a um espécime de tubarão-branco (Carcharodon carcharias) deu à costa numa praia em Massachusetts, nos Estados Unidos, depois de uma tempestade ter atingido a região. A espinha foi encontrada …

A China está a tornar-se o país com maior influência na ONU

Há dez anos, a China começou uma operação que lhe tem vindo a garantir mais influência nas Nações Unidas. Agora, o poder que possui na organização mundial protege o país asiático do escrutínio internacional. De acordo …

Uma droga pode tratar o nanismo (mas há quem defenda o "orgulho anão")

Um estudo vem agora revelar que uma droga pode tratar o nanismo. Porém, a possibilidade de haver um tratamento para esta condição clínica não é consensual. Um novo estudo, financiado pela BioMarin Pharmaceutical e publicado no …

Meghan Markle perde batalha judicial. Em causa está carta que enviou ao pai (divulgada por jornal britânico)

Depois de no passado mês de agosto, Meghan Marke vencer uma batalha judicial contra o Mail on Sunday, desta vez a Duquesa de Sussex não pode festejar mais uma vitória. A norte-americana perdeu a última …