Mithu vive acorrentado a uma árvore. É “prova” de um caso judicial

Mithu vive acorrentado a uma árvore. O elefante matou acidentalmente uma pessoa em 2019, mas está preso por ser uma considerado uma prova num processo judicial.

O elefante Mithu (“docinho”, em hindu) esteve acorrentado a uma árvore durante 18 meses, vivendo grande parte do tempo em contacto com as suas fezes. O animal foi preso depois de ter atropelado acidentalmente uma pessoa até à morte numa apresentação religiosa em Varanasi, uma antiga cidade sagrada para os hindus, no final de 2019.

O elefante está acorrentado numa reserva de vida selvagem protegida a cerca de 550 quilómetros de Varanasi.

Os ativistas têm pedido a sua libertação, alegando que o animal nunca deveria ter sido forçado a entrar na celebração performativa. Mas como o elefante está num dos estados mais afetados pela covid-19, as autoridades dizem que Mithu não pode ser libertado.

Os órgãos de comunicação social começaram a difundir a sua história, alegando que o elefante estava acorrentado depois de ter sido “preso por assassinato”. A trágica história de Mithu veio à tona, fazendo com que polícia estadual tivesse anunciado, no Twitter, a libertação do elefante.

Mas, segundo a Vice, a história não é bem assim.

Depois do atropelamento, descobriram que o microchip de identificação de Mithu foi adulterado e que os seus documentos tinham sido falsificados. Invocando a Lei de Proteção à Vida Selvagem, a polícia acusou dois indivíduos por posse ilegal.

Acontece que os acusados acabaram por ser libertados sob fiança, mas o pobre Mithu continuou em cativeiro como “prova do caso”. Há quem defenda, contudo, que, de acordo com a Lei de Prevenção da Crueldade contra os Animais da Índia, mesmo que Mithu seja uma “prova”, deve ser mantido num abrigo para animais.

Em janeiro, o Supremo Tribunal da Índia pediu ao governo federal que alterasse ou revogasse a lei que permitia que os animais fossem mantidos sob custódia como “propriedade do caso” e, em vez disso, os devolvesse aos seus proprietários até à conclusão do julgamento.

No entanto, essa ordem referia-se especificamente ao gado e não era clara acerca do destino de animais protegidos nacionalmente, como os elefantes.

A Vice escreve, porém, que mesmo que o elefante seja libertado, o tempo que ele passou em cativeiro é uma preocupação que deve ser tida em conta. “Há uma marca nos animais em cativeiro, que não lhes permite sobreviver na natureza”, disse Gauri Maulekhi, da organização People for Animals.

É esperada uma decisão sobre o futuro de Mithu assim que as restrições relacionadas com a covid-19 forem aliviadas. Até lá, o elefante permanece acorrentado a uma árvore.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. O mal da Índia é que são humanos a mais para o espaço que têm, daí roubarem à vida selvagem o seu espaço e direito à vida, juntando a isto crenças religiosas com tradições que não combinam bem com outros seres.

    • Em Portugal, as tradições religiosas são bem diferentes. É ver como os cães são bem vindos na celebração da missa.
      E a nossa convivência com animais selvagens? É das mais equilibradas do mundo. É o são convívio dos linces ibéricos com as nossas estradas e autoestradas (é vê-los todos os dias percorrendo livremente os campos do Alentejo e das Beiras); e os lobos que vivem pacificamente em grandes alcateias em todos os montes do país; e não esqueçamos os ursos, grupos de ursos junto a cada regato, ali para os lados de Montesinho.

RESPONDER

Vacinação de crianças divide peritos. Mas sem a inoculação dos mais novos a imunidade pode não chegar

Na sexta-feira, a Direção-Geral de Saúde anunciou que recomenda que a vacinação contra a covid-19 de jovens dos 12 aos 15 anos com comorbilidades. No entanto, o tema está a gerar controvérsia e divide opiniões …

Governo com margem política para abdicar de 15% do Novo Banco

Em 2022, o Governo tem margem política para abdicar do direito de entrar como acionista no Novo Banco (NB), inicial­mente com uma participação de mais de 2%, mas que pode subir a 15%. Para já, nem …

Tóquio2020. Biles renuncia também às finais de salto e barras assimétricas

A ginasta norte-americana Simone Biles, que renunciou à final do concurso geral individual dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, também não vai participar das finais de domingo de salto e barras assimétricas, informou esta sexta-feira a Federação …

Governo não pediu parecer à CNPD sobre as "bodycams" em polícias. Método vai "aumentar a transparência"

A proposta da nova lei da videovigilância, que vai permitir que os polícias passem a usar câmaras nos uniformes, já foi aprovada em Conselho de Ministros, mas ainda não chegou ao Parlamento. Também não foi …

Marcelo reuniu com Lula, mas não revela o teor da conversa. Presidente diz que visita é apenas de cariz cultural

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse sexta-feira à chegada a São Paulo que a cultura tem um "papel fundamental" na convergência entre Portugal e o Brasil, rejeitando que a agenda alargada de …

PSP abre processos disciplinares por uso indevido de farda em manifestação

A PSP abriu processos disciplinares, por uso indevido e incorreto do uniforme, a agentes que participaram em 21 de junho, em Lisboa, numa manifestação organizada pelo Movimento Zero, confirmou esta sexta-feira à Lusa o porta-voz, …

Por onde passou o caminho bíblico da Judeia a Edom? Cientistas encontram respostas

Por onde passava o caminho bíblico que ligava o reino de Judeia à nação vizinha de Edom? Um novo estudo dá novas pistas sobre o possível percurso da estrada. Os investigadores israelitas sugerem que havia, pelo …

PCP diz que acusação a grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial evidencia "cartelização"

O PCP considerou esta sexta-feira que a acusação da Autoridade da Concorrência a cinco grupos hospitalares privados por acordo anticoncorrencial, confirma a “prática parasitária e de cartelização” destes grupos, que fazem “da doença um negócio”. O …

Ensino Superior. Vagas voltam a aumentar com Porto, Lisboa e Aveiro na frente

O concurso nacional de acesso ao ensino superior volta a registar um aumento do número de vagas, segundo dados divulgados este sábado, que mostram Lisboa, Porto e Aveiro com o maior crescimento. Depois de, no ano …

Os pterossauros conseguiam voar assim que eclodiam dos ovos

Os pterossauros tinham asas suficientemente longas e ossos suficientemente fortes para conseguirem sustentar o voo depois de eclodirem. Uma equipa de cientistas da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, descobriu que os pterossauros recém-nascidos seriam capazes …