Deputados escolheram as novas vacinas grátis sem ouvir a DGS

António Cotrim / Lusa

A ministra da Saúde manifestou surpresa pela aprovação pelo parlamento de três novas vacinas para o Programa Nacional de Vacinação, considerando que essa inclusão não tinha sido planeada pela Direção-Geral da Saúde. 

Marta Temido disse, em declarações à RTP, que “a inclusão que foi feita não tinha anteriormente sido preconizada pela DGS”.

“Estamos a avaliar também o sentido em que a redação da norma em última instância vai sair”, afirmou, acrescentando que “estão em causa três vacinas, uma rotavírus, outra para a meningite B e uma última de HPV para os rapazes. De facto, relativamente às duas primeiras, a Comissão Nacional de Vacinação não tinha concluído pela necessidade da sua universalização”, declarou.

A Ordem dos Médicos considerou um erro que o parlamento tenha aprovado a integração de três novas vacinas no Programa Nacional de Vacinação sem ouvir a Direção-geral da Saúde, que está ainda estudar o assunto.

O bastonário da OM, Miguel Guimarães, disse à Lusa que vê “com muita preocupação” o facto de os deputados “estarem a interferir nas boas práticas em saúde”, sobretudo quando existe uma comissão técnica independente, de “pessoas com conhecimento científico específico na área da vacinação” que está a estudar se as três vacinas devem integrar o Programa Nacional de Vacinação.

“Acho que é uma má decisão da Assembleia da República por ser feita sem ouvir a Direção-geral da Saúde e é uma falta de respeito pelos profissionais de saúde e pela própria Direção-geral da Saúde”, afirmou o bastonário dos Médicos.

“É um erro que importa corrigir”, sublinhou, argumentando que “é fundamental que todas as vacinas do PNV tenham uma análise e um acordo baseado na evidência científica”.

Aprovação de vacinas por deputados

Nem todos os especialistas ouvidos pelo Público estão de acordo quanto a quem deve tomar este tipo de decisões.

“De uma forma geral entendemos que melhorar a cobertura vacinal é algo positivo. Não está em causa a bondade da decisão, agora deve ser tomada sob proposta de quem tem os dados científicos. Deve ser suportada por uma comissão técnica de vacinação, que é um órgão que existe”, afirmou Ricardo Mexia, presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública.

Para o médico “estas são questões técnicas, que têm de ser suportadas do ponto de vista técnico”. “Depois, o decisor pode implementar as recomendações emitidas pela comissão técnica de vacinação. Parece-nos um precedente perigoso substituir o que é técnico por aquilo que é político”, salientou.

Não é a primeira vez que o facto de os deputados pretenderem decidir sobre fármacos dá origem a polémica. Em outubro, o Parlamento debateu – e chumbou – uma proposta do PAN que pretendia evitar o consumo abusivo de medicamentos para a hiperatividade, proibindo a sua prescrição pelos médicos a menores de seis anos.

O psiquiatra e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Pedro Afonso, foi uma das vozes que contestou a iniciativa: “Está aqui a abrir-se um precedente perigoso, o do poder político se meter no ato médico.”

Já o pediatra Mário Cordeiro aplaude a decisão tomada pelos deputados. Para o médico, que já esteve na comissão técnica de vacinação, “estas três vacinas são imprescindíveis”.

“Esta foi uma coisa boa que os deputados fizeram, ainda mais que, com o concurso público internacional, as vacinas ficam a um terço do preço de venda ao público. A comissão técnica já se devia ter pronunciado. A vacina contra a meningite B devia ser universal e ainda bem que os deputados não estiveram à espera da decisão”, afirmou.

Questionado sobre o facto de a decisão ter sido tomada no Parlamento, Mário Cordeiro não partilha das posições demonstradas por outros médicos. “Propuseram porque outros países na Europa, como o Reino Unido, têm vindo a tomar esta opção e existem vários órgãos e comissões de pediatria que aconselham. É uma medida que tem base científica”, disse, lamentando que o PS tenha votado contra.

A primeira proposta votada na quarta-feira para o alargamento do PNV foi a do PCP, aprovada pelos proponentes, PSD e BE, os votos contra do PS e a abstenção do CDS-PP.

O BE também apresentou uma proposta para a inclusão das vacinas para a meningite B e para o rotavírus e alargando às pessoas do sexo masculino a administração da vacina contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV). A proposta do PEV pretendia o alargamento da vacina contra o HPV a rapazes.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. A ministra é inocente na política…
    Não entendeu que a aprovação da vacina faz parte da areia que atiram aos olhos dos portugueses para esconder a NÃO aprovação dos diplomas importantes: Actualização da tabela de IRS, redução da taxa sobre energia para 6% e para todos, e a extinção da Taxa especial sobre o ISP para o gasóleo.
    Trapalhadas da geringonça…

  2. Trapalhadas e basta.
    A aprovação “política” – feita independentemente da validade ou necessidade efectiva, demonstrada científicamente – é para garantir aos produtores destas vacinas que vão ganhar milhões de euros.

  3. dá a impressao que ha interesses por tras disto tudo
    parece que os laboratorios têm stock a mais e com estas medidas vao poder comercializa-las e ganhar dinheiro

  4. Os deputados são como os comentadores da TV…
    Percebem de todos os assuntos… não fossem muitos deles advogados e juristas que saem do parlamento e vão proteger os corruptos que os ajudaram a eleger…

  5. Afinal a quem é que as farmacêuticas pagam ? Aos deputados ou à DGS ? Por isso vemos quem aprova, não quem devia mas quem lhes interessa. Vejam de quem partiu a ideia, de que partido, de que deputados e depois investigue-se, talvez encontrem algo.. ou talvez não e seja tudo gente séria, que apenas se preocupa com o bem estar da população mesmo sem pareceres científicos.

  6. A medida seria correcta se tivesse sido tomada após os responsáveis técnicos terem concluído os respectivos estudos. Fica a dúvida se estamos a ser governados pelos Lobbies cujo único interesse é enriquecer à custa do contribuinte.

RESPONDER

Não é só o BE, PCP e PAN que têm exigências. PS pressiona Leão com descida de IRS

As exigências para o próximo Orçamento do Estado (OE2022) não chegam apenas do Bloco de Esquerda, PCP e PAN. O PS também as tem e pressiona o ministro das Finanças por uma eventual mexida nos …

Alemanha não tem feito o suficiente para atingir metas do Acordo de Paris, diz Merkel

Chanceler alemã não está satisfeita com os esforços feitos pelo seu país ao longo das últimas décadas, defendendo que é preciso "acelerar o ritmo" para cumprir os objetivos estabelecidos pelo Acordo de Paris. Na tradicional conferência …

Soualiho Meité assina com o Benfica por cinco épocas

O médio francês, que representava o Torino, é o mais recente reforço do Benfica, tendo assinado contrato por cinco temporadas, até 2026, anunciou, esta sexta-feira, o clube das águias. "O Sport Lisboa e Benfica informa que …

Descoberta antiga estrada Romana no fundo da Lagoa de Veneza

Um novo estudo revela novas evidências da presença de uma antiga estrada Romana nas profundezas da Lagoa de Veneza, em Itália. De acordo com o site Science Alert, uma série de estruturas antigas foi descoberta nas …

Costa não vai ao Porto apresentar candidato. Tiago Barbosa Ribeiro desvaloriza (e acena com Santos Silva)

Tiago Barbosa Ribeiro vai apresentar a sua candidatura à Câmara Municipal do Porto no domingo, mas o secretário-geral do partido não vai estar presente. António Costa, secretário-geral do PS, escolheu Vila do Conde para a apresentação …

Incidência a subir nos mais idosos. Internados em UCI continuam a aumentar

A taxa de incidência de infeções por covid-19 acumulada a 14 dias é mais elevada entre a faixa etária dos 20 aos 29 anos, mas o maior aumento registou-se nas pessoas com mais de 80. Segundo …

Os tomates têm uma espécie de sistema nervoso que avisa sobre ataques

Os tomates que estão a ser comidos por insetos usam sinais elétricos para enviar um alerta para o resto da planta, semelhante à forma como o nosso sistema nervoso avisa sobre danos. E que efeito têm …

DGS e Infarmed afastam terceira dose da vacina (e especialistas só querem vacinar jovens com comorbilidades)

O Infarmed afastou a necessidade de reforço da vacinação contra a covid-19 com uma eventual terceira dose. Em relação aos jovens entre os 12 e os 15 anos, a maioria dos especialistas da task force …

Sitava também desconvoca greve de julho e agosto na Groundforce

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) anunciou, esta sexta-feira, que desconvocou a greve prevista na Groundforce, nos dias 30, 31 de julho e 1 de agosto, depois da confirmação da TAP do …

Garantia da caução de 5 milhões de Berardo deverá incluir imóveis de pessoas próximas

A proposta de caução apresentada por Joe Berardo ao Tribunal Central de Instrução Criminal será composta por imóveis que pertencem a amigos e pessoas próximas. O Observador avança que a garantia da caução de Joe Berardo …