Ministra recusa dizer se tem condições para continuar no cargo (e remete resposta para jornalista)

Estela Silva / Lusa

A ministra da Cultura, Graça Fonseca

A ministra da Cultura não quis comentar se tem condições para continuar no cargo, depois da polémica com o convite aos jornalistas para “beber o drink de fim de tarde”. E remeteu resposta para a jornalista que lhe fez a pergunta sobre os apoios ao setor.

No início desta semana, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, foi a principal protagonista de uma polémica que ainda continua a dar que falar. Na apresentação das 65 obras de arte contemporânea para a coleção do Estado, que decorreu no jardim do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, a governante foi questionada sobre a iniciativa do grupo informal União Audiovisual.

Para contornar o assunto, a ministra respondeu que só estava ali para falar sobre a coleção de arte contemporânea e concluiu com um “muito obrigada e vamos beber o drink de fim de tarde”.

Esta quinta-feira, quando falava sobre as novas linhas de apoio social extraordinário às artes, a governante foi questionada sobre o recente episódio e se sente que tem condições políticas para continuar no cargo.

“Eu não vou dar uma resposta porque a sua colega está presente. E, portanto, acho que a sua colega poderá responder, se entender, a si própria e diretamente. Eu naturalmente não vou dar essa resposta”, afirmou, referindo-se à jornalista que lhe tinha pedido para comentar a recente atividade da União Audiovisual.

Entretanto, a ministra acabou por dar uma declaração sobre o assunto. “Desde o dia em que foi declarado o estado de emergência, tenho conhecimento de muitas situações e falei com muitas entidades e muitas pessoas”, começou por dizer.

“Precisamente por o Governo saber essa situação é que aprovou, há um mês e meio, um pacote no valor de 70 milhões de euros”, rematou.

Esta sexta-feira, Graça Fonseca vai estar no Primeiro Jornal da SIC.

Ministra demonstrou “ausência de sensibilidade”

“As afirmações da ministra da Cultura são chocantes, demonstrando uma ausência de sensibilidade para as dificuldades pelas quais passam todos os profissionais da Cultura”, disse, esta quinta-feira, o líder da JSD, em comunicado.

Para Alexandre Poço, as declarações de Graça Fonseca revelam “uma elevada desvalorização e falta de respeito pelos profissionais que devia defender, demonstrando que quando não há soluções ou respostas, a ministra foge dos temas”.

O presidente da JSD pergunta ainda “quantos drinks de final de tarde são necessários para tomar consciência do estado de miséria em que os profissionais da Cultura se encontram” e pede que sejam equacionados mais apoios.

“Os apoios ao setor continuam escassos, pelo que exigimos ao Governo que olhe de forma séria para os profissionais do setor, equacionando mais apoio para combater a calamidade pela qual o setor está a passar desde o início da pandemia da covid-19.”

A JSD alerta para a precariedade, instabilidade e intermitência profissional e financeira que afetam os profissionais da cultura e defende que seja feito “um censo ao setor”, para se conhecer, com base em “dados e fatos concretos”, a realidade.

Juventude Popular pede demissão da ministra

“Mesmo não estando em circunstâncias para festejos, espero que amanhã os agentes culturais de todo o país possam beber um drink, para finalmente festejar a demissão da ministra da Cultura e assim poderem ter esperança numa Cultura menos elitista e mais digna”, afirmou o presidente interino da JP, Francisco Mota, em comunicado.

Para a Juventude Popular, o setor da cultura e dos eventos “estão a passar por uma crise nunca antes vivida: não estando proibidos de trabalhar, não têm trabalho, e esse é que deveria ser o foco de todo o Governo, em encontrar soluções para este setor” e evitar que seja necessário “mais à frente” o Estado “pagar mais em prestações sociais”.

Francisco Mota salienta que “a política do gosto, da perseguição e da imposição de uma agenda ideológica para a Cultura já não se compreendia nem era aceitável, mas gerir a coisa pública sem noção da realidade apenas demonstra a incapacidade para o lugar por parte da ministra”.

Na ótica do presidente da JP, “a Cultura merece muito mais e melhor”, nomeadamente “alguém que reconheça o valor das tradições e da cultura portuguesa, que valorize os novos protagonistas culturais e que não faça de Lisboa o centro cultural de um país que é muito mais que a capital”.

“Graça Fonseca não compreendeu que estar no Governo de Portugal não é impor o seu gosto, condicionar a liberdade cultural dos portugueses e gerir para os amigos de sempre com programas elitistas de televisão pagos por todos os portugueses”, acrescenta.

A JP lembra ainda que “já tinha pedido a demissão da ministra da Cultura, aquando do episódio com os forcados de Évora, quando Graça Fonseca negou um barrete”.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Viram a entrevista desta tipa na SIC? Ela até pode ser muito culta mas, MUITO MAL EDUCADA é aquilo que ela verdadeiramente é.
    – “Senhora ministra” DEMITA-SE!

RESPONDER

Rio critica "vigarice" das sondagens. Líder do PSD acredita na vitória de Moedas

Esta tarde, ao lado de Francisco Rodrigues dos Santos e de Carlos Moedas, Rui Rio apelou a que não se acredite nas sondagens que, "ou são mal feitas, ou são encomendadas: uma vigarice". O presidente do …

A prova que precisava: Sim, as máscaras protegem contra a covid-19 (mas há uma predileta)

As máscaras funcionam? Se sim, será melhor utilizar uma N95, uma máscara cirúrgica ou uma máscara de pano? No último ano e meio, os investigadores produziram muitas evidências laboratoriais sobre a eficácia das máscaras. Para muitas …

Trump processa sobrinha e New York Times por investigação sobre os seus impostos

O antigo Presidente norte-americano processou a sobrinha e o jornal The New York Times devido à divulgação de um artigo no qual é alegado que Donald Trump estaria envolvido em "esquemas de evasão fiscal". Donald Trump …

Há 31 surtos ativos em ATL, creches e jardins-de-infância

Dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) revelam que existem, atualmente, 31 surtos ativos em estabelecimentos de ensino como centros de atividades de tempos livres (ATL), creches e jardins-de-infância. Na última segunda-feira, "foram registados 31 surtos ativos …

Principal assessor do Presidente ucraniano vítima de tentativa de assassinato

Serhiy Shefir, principal assessor do Presidente da Ucrânia, foi alvo de uma tentativa de assassinato esta quarta-feira. O carro onde seguia Serhiy Shefir foi "atingido por mais de dez balas", disse a polícia ucraniana, citada …

Koeman apareceu na conferência de imprensa, leu um comunicado e saiu

Treinador do Barcelona, com "cara de poucos amigos", não conversou com os jornalistas. Mas avisou: seria um "êxito" ficar nos lugares cimeiros do campeonato. Não é inédito mas é muito pouco usual: Ronald Koeman apareceu numa conferência …

Oito mortes e 891 casos de covid-19. Internamentos e incidência continuam a descer

Portugal registou, esta terça-feira, 891 novos casos e oito mortes na sequência da infeção por covid-19, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, Portugal …

A máscara de Marcos Rojo deixou uma criança a chorar

Imagem impressionante, na véspera de um jogo do Boca Juniors. Adaptando a ideia da publicação que será reproduzida mais abaixo, o futebol não é só uma bola a circular num relvado entre 22 jogadores. O futebol …

Erupção do vulcão nas Canárias pode durar até 84 dias

A erupção vulcânica de Cumbre Vieja, na ilha espanhola de La Palma pode durar entre 24 e 84 dias, com uma média geométrica de cerca de 55 dias, segundo cálculos do Instituto Vulcanológico das Ilhas …

PCP insiste que Governo vá “mais longe” e baixe o preço da energia

O PCP insistiu esta terça-feira que o Governo não se deve ficar pelo “não aumento” dos preços da energia, mas sim ir “mais longe”, intervindo para baixar estes valores, apontando que o executivo tem instrumentos …